14 de dezembro de 2016

Goiânia: Trabalho para Iris



O tempo que resta para o atual prefeito, Paulo Garcia, concluir o mandato não será suficiente para entregar obras iniciadas. No total, 29 delas devem ser repassadas ao eleito.

A administração atual da Prefeitura de Goiânia não vai terminar até o próximo dia 31 pelo menos 29 obras que foram iniciadas, algumas até mesmo nas gestões anteriores de Iris Rezende (PMDB) e de outros prefeitos. Assim, caberá ao prefeito eleito a responsabilidade sobre as construções. Deste montante, 21 estão paradas e 7 em andamento, mesmo que algumas em ritmo reduzido por falta de verbas ou em razão do período chuvoso. Há ainda 42 projetos que foram iniciados trâmites burocráticos, mas que não há qualquer ação nos locais.

Dezenove das 29 obras sem conclusão foram programadas, inicialmente, para serem inauguradas pelo prefeito Paulo Garcia (PT), como as extensões das Marginais Botafogo e Cascavel e o Corredor da T-7, mas atrasos em relação a verbas e no cronograma fizeram com que elas ficassem para a próxima gestão.

Em relação às obras em andamento, quatro possuem estimativa para serem entregues ainda no primeiro semestre do próximo ano, como o Centro Municipal de Educação Infantil (Cmei) do Setor Barravento e a Maternidade Oeste. Esta última, que teve a obra iniciada em fevereiro deste ano, chegou a ser prometida para ser finalizada ainda em 2016, deixando apenas o início do funcionamento para o próximo ano, mas a nova estimativa é que a inauguração só será possível a partir de julho de 2017.

No final de 2015, em levantamento realizado pelo POPULAR junto à Prefeitura, estavam para serem inaugurados neste ano o Centro Cultural e de Lazer Casa de Vidro, o término da requalificação da Praça Cívica, seis centros de saúde, uma maternidade, a reforma do Ciams do Setor Urias Magalhães, 100 quilômetros de trechos cicloviários, Corredor da avenida T-7, além da requalificação do asfalto em 643 ruas e as Marginais Cascavel e Botafogo. Ao longo do ano, ainda houve a promessa do trecho norte do BRT Norte-Sul (corredor de ônibus exclusivo) e o que já foi licitado do Parque Urbano Ambiental Macambira Anicuns (Puama).

Destas, a administração concluiu a revitalização da Praça Cívica e ainda garante os trechos cicloviários até o dia 31. Por outro lado, realizou obras que não estavam previstas, como a requalificação da Praça do Sol e a cicloponte na Avenida T-63, o que estava pendente desde 2013, quando a ciclovia foi iniciada.