19 de agosto de 2016

Chuva: Termômetros chegarão a 12°C em Goiânia na próxima segunda-feira


Termômetros chegarão a 12°C em Goiânia na próxima segunda-feira - Após Goiânia bater recorde de calor por dois dias seguidos, os termômetros marcaram 36,1°C na tarde de quinta-feira (18) e 36,5°C na tarde de hoje (19), uma forte massa de ar frio deve mudar este quadro já na próxima semana.

De acordo com o Clima Tempo,  a temperatura ficará mais baixa devido à passagem da uma grande e forte massa de ar polar sobre o Brasil.

Já o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) está prevendo temperatura mínima de 12° e máxima de 25°C na próxima segunda-feira (22) para a capital. Mas no final de semana o calor já começará a dar uma trégua: a previsão é de chuva e de mínima de 16°C para o domingo (21).

18 de agosto de 2016

Parceria público-privada viabiliza construção de presídio em Senador Canedo


Pioneirismo e parceria entre governo, iniciativa privada, Ministério Público e Prefeitura de Senador Canedo foram ressaltados em reunião

O vice-governador e secretário de Segurança Pública e Administração Penitenciária (SSPAP), José Eliton (PSDB), participou, na tarde desta terça-feira (16/08), de reunião com o procurador-geral de Justiça, Lauro Machado, representantes do MPGO e o prefeito de Senador Canedo, Misael Oliveira (PDT) na sede do Ministério Público de Goiás (MPGO). A pauta principal da reunião foi a apresentação do projeto de construção da Unidade Prisional de Senador Canedo.

A iniciativa faz parte de uma parceria público-privada (PPP) entre o Governo do Estado, por meio da SSPAP, Ministério Público, empresários do ramo de construção civil e prefeitura de Senador Canedo. De acordo com representantes do MPGO, a previsão é que a obra esteja concluída até o mês de fevereiro de 2017.

José Eliton ressaltou o pioneirismo do projeto e a parceria com os órgãos envolvidos. A prefeitura já providenciou a documentação necessária para que seja feita a cessão da área ao Estado – de aproximadamente 55 mil m² – e a terraplanagem para a construção do presídio.

Segundo o projeto, as empresas terão permissão de uso da área industrial do presídio para produção. Além disso, será utilizada mão de obra carcerária na construção do presídio e, posteriormente, na produção local. “Uma boa iniciativa para ressocialização dos presos e formação profissional”, destacou o vice-governador e secretário.

“A todos que se empenharam para que o projeto ganhasse vida, em especial o procurador-geral, Lauro Machado, e o prefeito de Senador Canedo, Misael Oliveira, agradeço pela iniciativa de, juntos, enfrentarmos mais esse desafio em nome da segurança pública”, declarou Eliton.

Unidade Prisional

De acordo com o projeto apresentado, inicialmente será construído um bloco com capacidade para cerca de 300 presos. A área tem tamanho suficiente para a construção posterior de outras três unidades. Assim, ao final o complexo poderá disponibilizar mais de mil vagas para os reeducandos.

Inicialmente oito empresas já se dispuseram a participar da PPP. A obra será erguida segundo o modelo de construção modular e também em formato de alvenaria. A utilização de blocos permite a conclusão rápida, com previsão de entrega de, no máximo, seis meses.

Ao classificar a parceria como ‘intervenção que gera efeitos positivos’, José Eliton garantiu que as adequações no projeto que demandam ações da Superintendência Executiva de Administração Penitenciária serão finalizadas até o final dessa semana. Os superintendentes executivos da Seap, Coronel Victor Dragalzew, e da SSPAP, Coronel Edson Araújo, acompanharam José Eliton durante a reunião.

Ao elogiar a iniciativa, o procurador-geral de Justiça, Lauro Machado, reconheceu o ineditismo da parceria. “Esse tipo de ação conjunta será determinante na resolução das demandas por vagas em presídios no estado”, disse.

O vice-governador e titular da SSPAP reforçou a necessidade de locais adequados para o cumprimento das penas. “Não adianta aumentar penas e promover um endurecimento das leis se não houver presídios, com vagas suficientes”, pontuou. (Com informações da Comunicação Setorial da Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária)


Tarifa de ônibus pode ficar mais cara em Goiânia a partir de fevereiro de 2017


Reajuste dos motoristas e outros custos podem aumentar tarifa para R$ 4

Após acordo entre os motoristas do transporte coletivo de Goiânia e as empresas do ramo, que afastou por definitivo a hipótese de greve na capital, surgiu a previsão que nada estimula os usuários do serviço. O consenso prevê um reajuste de 11,08% no salário base e de 20% no vale-alimentação, que foram aprovados durante audiência na terça-feira, 16, de conciliação no Tribunal Regional do Trabalho de Goiás (TRT-GO).

Somados aos custos de manutenção do serviço, reposições inflacionárias, a remuneração contratual aos rodoviários e a queda do quantitativo de passageiros transportados, o reajuste também prevê a elevação a tarifa da passagem que poderá chegar a R$ 4 a partir de fevereiro de 2017. Caso as projeções se confirmem, o aumento será de 10%.

De acordo com o Sindicato de Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de Goiânia (SET), somente no primeiro semestre deste ano, houve uma redução de 11% de passageiros transportados. O percentual em todo o período de 2015 foi de 9%.

Os índices são reflexos diretamente ligados ao custo da passagem. Com menos usuários do transporte coletivo e sem nenhum subsídio do Poder Público, a tarifa tem grande chance de ficar mais cara.

Fonte: DM

Prefeitura de Goiânia conclui ciclovia da T-63 e Cicloponte



A Prefeitura de Goiânia concluiu a ciclovia da T-63, entre os setores Pedro Ludovico e Parque Anhanguera. O trecho recebeu novo calçamento, pintura, ajardinamento, sinalização, iluminação e uma cicloponte no Córrego Cascavel, entre o Jardim América e o Parque Anhanguera. A via possui 5,7 quilômetros e recebeu ciclovias nos dois sentidos.

Em todo o trajeto, um dos maiores desafios da obra era a construção da cicloponte. Uma estrutura metálica com chapas expansivas de aço e sustentadas por 16 treliças foi implantada nos 50 metros da ponte. A estrutura garantiu mais segurança ao tráfego dos ciclistas, bem como o alinhamento da via.

De acordo com o presidente da Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg), Edilberto Dias, a previsão da Prefeitura é inaugurar a cicloponte e os demais trechos da ciclovia nos próximos dias. Com esta etapa, o prefeito Paulo Garcia conclui todo trecho cicloviário da Avenida T-63, que integra o corredor preferencial de ônibus.

Segundo Dias, a Prefeitura já implantou 45 quilômetros de trechos cicloviários e mantêm 51 em construção. O objetivo é chegar a mais de 100 quilômetros de vias para ciclistas até o final do ano.

O município ainda trabalha para concluir o trecho na Alameda Couto Magalhães que vai ligar a ciclovia da T-63 ao Parque Areião. E iniciou o trecho cicloviário da Segunda Radial. “Com a entrega destes trechos e da ciclovia da T-7 o prefeito Paulo Garcia resgata o compromisso de governo de construir 100 quilômetros de vias clicáveis em Goiânia”, enfatizou.

A obra foi executada pela Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg) em parceria com a Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC) e as secretarias municipais de Trânsito, Transportes e Mobilidade (SMT) e de Infraestrutura (Seinfra). (Da Prefeitura de Goiânia)



,

11 de agosto de 2016

Goiás desembarca na Olimpíada Rio 2016


O objetivo é despertar em turistas, jornalistas e formadores de opinião internacionais o interesse em conhecer a região, as paisagens pantaneiras, a cultura e a gastronomia goiana

O Governo de Goiás pega carona nos Jogos Olímpicos Rio 2016 para divulgar internacionalmente os destinos turísticos do Estado, de 16 a 21 de agosto, no espaço da Goiás Turismo, no Rio Media Center. Estarão presentes o presidente da Goiás Turismo, Leandro Garcia; o diretor de Eventos e Pesquisas Turísticas, Luciano Dantas; e a assessora especial do órgão, Brenda Carvalho.

O objetivo é despertar em turistas, jornalistas e formadores de opinião internacionais o interesse em conhecer a região central do Brasil, as paisagens pantaneiras, a cultura e a gastronomia que fazem de Goiás um destino a ser descoberto por viajantes de outros países. O Estado preserva tradições, um vasto patrimônio natural e a biodiversidade do Cerrado, o segundo maior bioma do Brasil. A riqueza cultural e do meio ambiente é representada em aromas, sabores e ingredientes de sua rica culinária.

Uma das ações previstas é a realização de duas press trips, com dez jornalistas da Europa, da Ásia e da América Latina, de 22 a 27 de agosto. A programação abrange destinos goianos conhecidos por suas belezas naturais e biodiversidade, como Caldas Novas, Pirenópolis, Alto Paraíso e Cavalcante, além da Capital. O dia 19 será dedicado à gastronomia goiana, com degustação de pratos da culinária local, assinados pelos chefs Emiliana Azambuja e Rafael Oliveira,  preparados com ingredientes da região do Cerrado, com um toque de contemporaneidade. À noite, dois shows movimentam o palco. O primeiro, do cantor de música popular goiana Fernando Perillo, seguido por apresentação do cantor, compositor e instrumentista Almir Pessoa.

O Estado de Goiás também está representado na Rio 2016 por seis atletas que disputam medalhas: Rafael Andrade (ginástica de trampolim), Clemilda Fernandes e Janildes Fernandes (ciclismo), Laís Nunes (luta olímpica), Renato Portela (tiro esportivo) e Raiza Goulão (mountain bike).


Por falta de acordo, motoristas podem entrar em greve na segunda-feira



Motoristas do transporte coletivo da grande Goiânia decidiram em assembleia no último domingo (7) por realizar uma greve geral da categoria no início da próxima semana.

Em audiência realizada na manhã desta quinta-feira entre o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Estado de Goiás (Sindittransportes) e as empresas do transporte coletivo, ambas as partes não chegaram a um entendimento sobre a legalização greve, como relata o presidente do Sindittransportes, Alberto Magno Borges.

“O procurador fez uma proposta para que rode 70% da frota no horário de pico e 50% no entre-pico. As empresas concordam mas nós não concordamos, porque 70% da frota rodando não é greve, faz pouca diferença”, ressalta.

Ainda de acordo com o presidente do Sindittransportes, os trabalhadores aceitaram a proposta salarial feita pelo procurador do Ministério Público do Trabalho durante a audiência, mas as empresas ofertaram um valor abaixo do esperado pelos motoristas.

“Os empregados baixaram a proposta, aceitaram a proposta do mediador, José Marcos Cunha Abreu, de 11,08% linear, mas retroativo a 1º de março. As empresas estão fazendo uma proposta de 5,5%. É praticamente metade”, discorda.

A reportagem da 730 entrou em contato com a Rede Metropolitana de Transportes Coletivos de Goiânia (RMTC), que informou por meio da assessoria de imprensa, que as empresas estão fazendo todos os esforços para selar um acordo com a categoria para que não ocorram paralisações no serviços.

Os motoristas deverão analisar as propostas durante nova assembleia marcada para este domingo (14) na sede da Metrobus. Caso a oferta não seja aceita, a greve deverá ter início às 00h de segunda-feira (15).

Fonte: Portal 730

Após 78 dias, e recorde de calor, pode voltar a chover em Goiânia


Nesta terça-feira, a temperatura chegou aos 35,3°C na capital

Pode chover na próxima semana, em Goiânia. De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet),durante a manhã, o tempo ficará nublado e à tarde e à noite há previsão de chuva em áreas isoladas na capital.

A temperatura mínima pode chegar aos 15ºC e a máxima aos 32°C. E para quem estava sofrendo com o tempo seco, pode comemorar, a previsão é que umidade relativa do ar fique em 90%.

Fonte: Jornal Opção (Adaptado para próxima semana)

8 de agosto de 2016

Goiânia cresceu para todo lado nos últimos dez anos


Em dez anos, foram 14 milhões de metros quadrados de aumento na área construída. Mobilidade é um dos principais problemas que afetam moradores de novos bairros

Em dez anos, Goiânia se esparramou e subiu. Cresceu mais de 14 milhões de metros quadrados em área construída. Em 2006, um goianiense tinha uma média de 20 metros quadrados de área construída para usufruir, hoje tem 28 metros quadrados. Na prática, porém, isso não fez com que morássemos em locais mais amplos ou tivéssemos áreas de lazer maiores. Pelo contrário: enquanto a cidade alargou as periferias, o crescimento na Região Centro-Sul foi para cima.

O POPULAR verificou imagens aéreas de vários pontos de Goiânia em 2006 e em 2016 para analisar o que mudou na capital neste período considerado curto para o desenvolvimento de uma metrópole. As diferenças, no entanto, são significativas. Parques que não existiam, como o Flamboyant, se tornaram conglomerados urbanos, e regiões que não tinham qualquer relação com a cidade são bairros prontos, como o Jardins do Cerrado.

Para o arquiteto e urbanista Paulo Renato Alves, dez anos é um tempo razoável levando em conta que o período entre 2006 e 2016 foi de crescimento econômico e expansão natural das cidades. Assim mesmo, as mudanças são impressionantes para ele.

Alves defende que a cidade adensada representa um ganho na eficiência ao apresentar uma mesma estrutura para mais pessoas. “O problema é o carro. Se houvesse transporte coletivo eficiente, seria ótimo, assim como as demais estruturas.” O exemplo é o Residencial Eldorado, que nestes dez anos atingiu estrutura residencial muito grande. Só se chega lá pela Avenida Milão, e os moradores têm de realizar grandes deslocamentos diários.

A vice-presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Goiás (CAU-GO), Maria Ester de Souza, acredita que o adensamento funciona quando se tem planejamento. O problema passa a ser a qualidade de vida das pessoas, que podem querer, por exemplo, morar em um lugar mais calmo, mais frio e mais verde. Mas a realidade de Goiânia, para ela, é de descompasso na permissão do uso do solo: a verticalização não leva em conta a formação da ilha de calor, mas apenas o valor econômico.

Paulo Renato Alves concorda que o adensamento deve ter um limite e, neste sentido, a Secretaria Municipal de Planejamento e Habitação (Seplanh) deve acompanhar a questão por meio de estudos de impacto de vizinhança.

O secretário Sebastião Ferreira Leite, o Juruna, afirma, no entanto, que isso é feito, mas admite que há um descompasso entre as velocidades do Poder Público e da iniciativa privada, que sempre chega primeiro aos locais, antes mesmo que a estrutura fique pronta ou ao menos projetada. Para ele, o crescimento da cidade nos últimos anos corresponde ao que está no Plano Diretor da capital do Estado.

Fonte: Jornal O Popular

Goiânia: Estádio Olímpico Pedro Ludovico Teixeira é inaugurado (Fotos)


O governador Marconi Perillo, junto a várias autoridades, promoveu a entrega do Estádio Olímpico Pedro Ludovico Teixeira e do Laboratório de Capacitação e Pesquisa Draulas Vaz, pertencentes ao completo esportivo do Centro de Excelência do Esporte Eurico Calixto de Godoi, em Goiânia. Durante a solenidade de inauguração, nesta segunda-feira, dia 8, o governador comentou sobre o sentimento de dever cumprido com a entrega de uma obra tão aguardada pela população goiana.

“Toda a nossa equipe de governo está muito orgulhosa pela oportunidade de entregar um trabalho tão emblemático para os goianos”, declarou Marconi. Ele frisou sobre a modernidade das edificações do Estádio Olímpico e do Laboratório de Capacitação e Pesquisa. “Estamos diante de uma obra moderna, que valoriza a capital dos goianos. Um Estádio Olímpico totalmente reconstruído, e que teve sua funcionalidade ampliada ao receber uma pista de atletismo. Gastamos dez vezes menos do que foi gasto em outros estádio similares e hoje temos um estádio à altura dos melhores do mundo”, exaltou o governador.

Para o vice-governador e secretário de Segurança Pública, José Eliton, a inauguração do Estádio Olímpico marca o ingresso de Goiás na formação de atletas de alta performance. “Agora temos plenas condições de sediar grandes espetáculos esportivos com essa arena moderna de esportes, que oferece condições confortáveis para receber bem o público. Um grande avanço para a formação de atletas”, pontuou.

O presidente da Agetop, Jayme Rincon, comentou que agora Goiás se insere definitivamente no cenário Olímpico nacional e internacional. “Goiás vai se transformar em um celeiro de formação de atletas, aptos a batalharem por medalhas nas próximas Olimpíadas. O grande problema do esporte no Brasil atualmente é a falta de incentivo e locais apropriados para o aprimoramento dos atletas. Hoje Goiás passa a oferecer o espaço adequado para o desenvolvido dessa categoria”, finalizou.

As obras
Dois módulos do Centro de Excelência do Esporte Arquiteto Eurico Godoi foram entregues pelo governador Marconi Perillo: o Estádio Olímpico Pedro Ludovico Teixeira e o Laboratório de Capacitação e Pesquisa Radialista Draulas Vaz. O espaço, com 33.682,02 m², foi construído para ser referência em qualidade esportiva na América Latina e para comportar e inserir com excelência o público goianiense no contexto esportivo. O Centro surge para fomentar uma geração de atletas olímpicos. Foram investidos na obra R$ 155 milhões, recursos do Tesouro Estadual.

O complexo esportivo recebeu o nome do engenheiro arquiteto Eurico Calixto Godoi em razão da sua contribuição significativa na construção da arquitetura e urbanismo de Goiânia nas décadas de 1950 e 1960. Seus projetos eram norteados pela arquitetura moderna, que considerava esse aspecto como estilo e causa. Foi um profissional que se preocupou em realizar seus empreendimentos para arquitetutra de cunho público, urbano e de habitação social. O Centro de Excelência segue a mesma linha de Eurico: arquitetura inovadora e referência na área da construção civil. Entre seus legados estão o primeiro hospital da cidade, o Hospital Rassi, atualmente Hospital Geral de Goiânia; o Hospital São Salvador, a sede do Dergo, a primeira Estação Rodoviária de Goiânia, etc.

Estádio Olímpico
O responsável direto pela mudança da capital da antiga Vila Boa para Goiânia, Pedro Ludovico Teixeira, dá nome ao Estádio Olímpico, em 1941, quando foi inaugurado. Após ser demolido, e recentemente construído pela Agetop, a homenagem prossegue. O estádio tem capacidade para receber um público de 13.400 pessoas, tem 378 vagas de estacionamento no subsolo, sanitários, quatro salas de aquecimento, quatro vestiários, dois depósitos de materiais esportivos, sala para exame antidoping, sala para exame médico, enfermaria, área de segurança, vestiário para gandulas, vestiário para administração, cobertura em telha zipada (8.030m²), escada e rampa de acesso na entrada principal.

E ainda, campo de futebol com gramado tipo Bermuda Celebration e tamanho padrão Fifa/CBF, abrigo removível para banco de reservas, pisto de atletismo com oito raias e com 400 metros, 12 cabines de transmissão para a imprensa, drenagem/irrigação, iluminação, quatro torres, sendo que cada estrutura possui 32 mil quilos de aço e aproximadamente 40 metros de altura. Duas dessas torres com 77 refletores (sentido das torres: Rua 74) e as outras duas torres com 74 refletores (sentido das torres: sobre a cobertura metálica), placar eletrônico de Led, 40 caixas de som, grupos geradores, circuito fechado de TV, controle de acesso. A cobertura do estádio foi feita com isolamento de poliuretano (termoacústico).

O laboratório
Outro módulo inaugurado hoje pelo governador foi o Laboratório de Capacitação e Pesquisa, que recebeu o nome de Draulas Vaz. Goiano de Ipameri, dedicou sua vida ao esporte, sendo comentarista de futebol pelas rádios Difusora, Clube, Brasil Central e Anhanguera. Seguiu até o último dia de sua vida como cronista esportivo, transmitindo jogos de futebol pelas principais emissoras de rádio de Goiânia e pela Televisão Anhanguera. Criou e apresentou o programa Bola e Viola, foi conselheiro do Goiânia Esporte Clube e diretor social do Goiânia Tênis Clube e Jóquei Clube de Goiás. Faleceu em 25 de dezembro de 1992.

O laboratório foi estruturado em quatro pavimentos, numa área de 10.458m² de área construída e será um local para promoção do conhecimento e aperfeiçoamento de atletas através de atividades relacionadas à pesquisa e ação esportiva. Conta com alojamentos, sete laboratórios com especialidades no esporte, academia, quadras oficiais das principais modalidades do esporte olímpico e administração geral.

No quarto pavimento foram construídas três quadras oficiais para treinamento, capacitação e formação de atletas de futsal, handebol, baquete e vôlei. No terceiro estão os vestiários masculino, feminino e para portadores de necessidades especiais e 14 salas de aula para alunos e treinadores. No segundo: laboratório, biblioteca e sala de estudo; no primeiro ficaram as academias com sanitários, alojamento masculino e feminino (com 48 vagas cada) e administração. No térreo: entrada principal do laboratório, auditório com capacidade para 200 pessoas, salas de aulas, secretaria, restaurante, lanchonete, cinco salas comerciais, área de convivência, sanitários, secretaria e sala de Centro de Processamento de Dados.

Galeria de Fotos











Fonte: Goiás Agora

Umidade em Goiás segue em situação de perigo em agosto; veja como prevenir os efeitos



Os goianos têm sofrido com o tempo seco não que não tem dado trégua

Nesta quarta-feira (3), o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu um alerta de perigo potencial  em relação à baixa umidade relativa do ar, que está variando entre 30% e 20%.  De acordo com o Sistema de Meteorologia e Hidrologia de Goiás (Simehgo), na tarde de hoje, a umidade relativa do ar está em 30% e a temperatura é 30°C.

"A situação deve permanecer nesse patamar com as madrugadas mais frias, com mínima de 19ºC e máxima de 35%, durante os dias até o dia 11 de agosto", disse a superintendente do Sistema de Meteorologia e Hidrologia do Estado, Rosedalva Lopes. A superintendente disse ainda que não há previsão de chuva. "Vai ter local em Goiás que a umidade do ar pode chegar a 15%", informou.

Veja alguns cuidados com a saúde durante esse período:

O tempo seco aumenta as crises de asma e e infecções virais e bacterianas, além de favorecer a doenças oculares e alergias. Para se proteger é importante tomar algumas precauções:

- Beba bastante água, mesmo sem sentir sede, e fique atento à hidratação, principalmente de idosos, crianças e animais.

- Evite exercícios físicos em horários mais quentes, entre 10 h e 16 h.

- Use produtos para hidratar a pele.

- Use chapéu ou óculos escuros.

- Evite fazer faxina utilizando vassouras, por conta da poeira no ar.

- Use vaporizadores ou toalhas molhadas nos ambientes.

- Mais atenção para não provocar queimadas.


Fonte: www.drauziovarella.com.br (Jornal O Popular)

7 de agosto de 2016

Juiz acata pedido do MP-GO e suspende inauguração do Estádio Olímpico; Agetop nega ter sido notificada


Magistrado aceitou ação da promotora Fabiana Zamalloa. Decisão proíbe abertura até troca de assentos; Agetop diz não ter sido notificada.

A novela Estádio Olímpico teve mais um capítulo na manhã desta sexta-feira, 5. Por meio de seu twitter oficial, o Ministério Público de Goiás  (MP-GO), informou que o juiz Ricardo Prata, da 2ª Vara da Fazenda Pública Estadual, acatou o pedido do órgão e suspendeu a inauguração da praça esportiva.
A suspensão terá efeito até que o Governo do Estado substitua as cadeiras amarelas e alaranjadas por outros assentos de cor azul ou branca. A Justiça determinou multa de R$ 70 mil em caso de descumprimento da decisão do magistrado.

Na peça, o juiz justificou o acatamento ponderando que “fica claramente demonstrada  que as cores utilizadas rememoram as cores do PSDB”. O magistrado também argumentou que “A aparente mensagem subliminar que as cores utilizadas transmitem associam a imagem da administração estadual à do partido do governador (PSDB) e, consequentemente, ao próprio governador”.

Longa história

As obras do Centro de Excelência começaram há 10 anos. Inicialmente, o governo marcou a abertura do Estádio Olimpíco para o dia 25 de julho. No entanto, o evento de inauguração foi adiado.

No dia 18 de julho, a promotora Fabiana Zamalloa acionou a Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop) e o Estado por conta das cores das cadeiras do estádio e pediu a suspensão da cerimônia inaugural.

Na última semana, o governo de Goiás anunciou a abertura do Olímpico para a próxima segunda-feira, dia 8. Contudo, a decisão judicial protelou mais uma vez o retorno do Estádio Olímpico.

Resposta da Agetop

A Agência Goiana de Transportes e Obras divulgou nota, onde afirma que não foi notificada pelo MP-GO e, por isso, a inauguração do estádio Olímpico segue marcada e acontecerá na segunda-feira, dia 8 de agosto.

Confira a nota divulgada pela Agetop:

"A Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop) não foi notificada da decisão do juiz Ricardo Prata, da 2ª Vara da Fazenda Pública Estadual. Portanto, desconhecemos o seu teor. Assim que o órgão for notificado, a Agetop tomará todas as providências jurídicas possíveis e necessárias.

Informamos que a inauguração do Centro de Excelência do Esporte está mantida, para a mesma data e horário previamente agendados".

Fonte: Portal 730

Estacionamento público poderá financiar transporte coletivo na capital



A falta de dinheiro é uma das frequentes justificativas do Poder Público para a manutenção do quadro caótico do transporte coletivo nas grandes cidades brasileiras – Goiânia, por enquanto, não foge à regra.

Para reverter isso, uma lei sancionada pelo prefeito Paulo Garcia (PT) prevê a criação do Fundo Municipal do Transporte Coletivo, com recursos arrecadados em estacionamentos em áreas públicas para financiar o sistema de ônibus na capital.

De acordo com o vereador Elias Vaz (PSB), autor da iniciativa, a nova legislação aprimora a lei que previa a instalação de parquímetros na cidade, aprovada em 2003 na gestão de Pedro Wilson (PT, 2001-2004).

O parlamentar acredita que, além de democratizar o uso do estacionamento por meio do sistema rotativo de vagas, o montante arrecadado poderá aprimorar a qualidade do serviço de ônibus.

“Já ficou muito claro para todos que o trânsito só vai melhorar se o transporte público tiver um padrão aceitável. Nada mais justo que o transporte individual financie o coletivo”, pontua.

O fundo, segundo Vaz, deverá ser instituído pelo prefeito e será uma forma de evitar que a arrecadação seja destinada para arcar com outras despesas não relacionadas à mobilidade do ônibus. “É a garantia de que o dinheiro do cidadão terá destino certo", completa.

Consultado por O HOJE, o perito em mobilidade urbana Antenor Pinheiro acredita que a medida é positiva e mais do que necessária.

“Quando fui presidente da então Superintendência Municipal de Trânsito, deixamos uma legislação pronta para ser executada, que infelizmente não foi seguida. A lógica de financiar o transporte coletivo a partir da taxação do individual é algo que já acontece mundialmente e a prefeitura desperdiçou por muito tempo uma fonte de recursos que poderia ter sido utilizada na melhoria do sistema de ônibus”, assinala.

Apesar de limitada ao Centro e Campinas, a atual Área Azul, segundo a Secretaria Municipal de Trânsito de Goiânia (SMT), arrecadou R$ 1.103.179,50 de janeiro a julho. No ano passado, o estacionamento rotativo gerou R$ 1.737.986,50. A pasta também esclareceu que não há previsão para que a Prefeitura regulamente o fundo.

Parquímetro substituirá talão

Apesar dos estudos ainda estarem em estágio inicial na SMT, o parquímetro eletrônico, que funciona por meio de um aplicativo para smartphones, onde o motorista pode pagar o valor da taxa por crédito ou débito bancário. Para isso, ele deve informar o número da vaga e o tempo que o carro ficará estacionado lá. Com isso, o talonário de papel passará a ser peça de museu.

Pelo menos 30 cidades brasileiras já adotam a tecnologia, comum em cidades européias e americanas. A própria Prefeitura de Goiânia já tentou adotá-lo em outra oportunidade, em parceria com a Câmara de Dirigentes Lojistas da capital (CDL).

Seriam instalados 20 mil equipamentos pela cidade. No entanto, a iniciativa foi brecada pelo Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO), a pedido do Ministério Público de Goiás (MPGO).

À época, a promotora Villis Marra apontou ilegalidades no processo, como a ausência de licitação para a escolha da empresa a operar o serviço e ainda pelo fato da CDL ter subcontratado a empresa Enatech para a gestão dos parquímetros, o que poderia acarretar prejuízos ao usuário e ao município.

Prós e contras

Os defensores do parquímetro eletrônico argumentam que ele permite uma taxa mais justa, pela possibilidade de cobrança proporcional ao período de estacionamento.

Também pontuam a facilidade do procedimento online, mais ágil que procurar um local para comprar o talão de papel.

Por sua vez, os críticos questionam a operacionalidade dos equipamentos no Brasil. Em algumas cidades, as empresas concessionárias chegam a abocanhar até 95% da receita do sistema, não havendo a previsão de uso dela na melhoria do transporte coletivo.

Fonte: O Hoje