9 de março de 2016

Novo Estádio: Goiás sonha alto com a Serrinha


Proposta para construção de novo estádio e de outras estruturas, em área nobre do clube, será estudada e entusiasma presidente alviverde

O sonho de dar um novo passo, na vida do Goiás, está mais perto de se tornar realidade. É o que garante o presidente executivo do alviverde, Sergio Rassi. O Goiás estuda duas ideias para ampliar o Estádio da Serrinha. Segundo estimativa do clube, a receita anual poderá ser incrementada em até R$ 36 milhões.

A primeira ideia seria uma ampliação mais simples do que já existe no Estádio Hailé Pinheiro, com maior capacidade de público e estrutura mais moderna. “São duas ideias, em que uma delas você aproveitaria um pouco a estrutura do clube e adaptaria, o que já temos, em algo um pouco melhor", explicou Sergio Rassi.

No início, o presidente estava mais propenso a seguir por essa via, já que o clube poderia custear a ampliação praticamente sozinho, sem parcerias para viabilizar a obra.

No entanto, após uma nova análise e até pensando na criação de novas receitas para o clube, o que classificou como independência financeira esmeraldina, Sergio Rassi está mais motivado a batalhar por uma proposta mais radical de transformação de toda área do clube, no Setor Bela Vista.

“A outra é mais radical. Derrubaríamos tudo e só aproveitaria o gramado e, possivelmente, os vestiários. Essa área seria algo em torno de 60% do terreno. Seria um estádio multiuso”, descreveu. O estádio teria capacidade para 25 mil torcedores.

Nos outros 40% da área, seriam construídos um shopping center – o presidente esmeraldino revelou que já recebeu alguns contatos – duas torres de prédios comerciais com 10 ou 12 andares e uma área de alimentação, além de estacionamento subterrâneo, com aproximadamente 3 mil vagas.

Sergio Rassi explicou que, após a transformação, a área da Serrinha, uma das mais valorizadas de Goiânia, poderia render ao clube uma receita de R$ 3 milhões por mês. Contudo, o Goiás precisaria de parceiros para tocar o projeto.

O clube deverá apreciar o assunto nas próximas semanas. Após este passo, uma empresa será contratada para confecção dos projetos, para dar início à captação de parceiros.

Esta não é a primeira vez que propostas do tipo foram cogitadas pelo clube. Em pelo menos outras três outras oportunidades, projetos semelhantes foram propostos, mas nunca foram levados à diante.