22 de janeiro de 2016

Goiás: Hidrovia Paranaíba-Paraná-Tietê será reaberta


A navegabilidade da hidrovia Paranaíba-Paraná-Tietê será retomada neste sábado, dia 23, a partir da meia-noite. A garantia foi dada ao secretário de Meio Ambiente goiano, Vilmar Rocha, pelo secretário de Energia e Mineração de São Paulo, João Carlos Meirelles, durante reunião realizada dia 21, quinta-feira, em São Paulo (SP). Administrada pelo governo de São Paulo, a hidrovia está fechada desde maio de 2014, causando grandes prejuízos no escoamento de grãos, principalmente de Goiás e Mato Grosso.

“É uma excelente notícia para Goiás e para a região Centro-Oeste. Uma grande vitória depois de uma luta para que a hidrovia fosse reaberta”, comemora o secretário. Com um porto em São Simão, no Sudoeste de Goiás, a hidrovia Tietê-Paraná é muito importante para o escoamento de grãos, principalmente milho, soja e subprodutos, e chega a transportar até 8 milhões de toneladas por ano. “Esse transporte é mais econômico, o que deixa nossa produção com preços mais competitivos, favorecendo a economia do Estado”, explica Vilmar. “Ela também evita o transporte por rodovias, uma vez que a capacidade de cada barca que navega por ela equivale à carga de cerca de 180 caminhões”, completa.

A navegabilidade da Paranaíba-Paraná-Tietê foi interrompida em 2014 devido à forte seca na região Sudeste do País e à necessidade de maior vazão para as usinas hidrelétricas. Com 2.400 quilômetros de extensão, a hidrovia é uma das mais importantes do País e, segundo o Sindicato dos Armadores da Navegação Fluvial de São Paulo, o fechamento pode ter sido responsável por um prejuízo de pelo menos R$ 685 milhões e pela demissão de 1.400 trabalhadores.

Alcoolduto

Durante a audiência, em São Paulo (SP), o secretário Vilmar Rocha conversou também com o secretário João Carlos Meirelles sobre a instalação de um alcoolduto entre Uberaba e Itumbiara. A dutovia deve ser a terceira etapa do Sistema de Escoamento Dutoviário de Álcool e Derivados (Seda) que já tem seu primeiro trecho em operação entre Paulínia (SP) a Ribeirão Preto (SP), com 208 quilômetros de extensão e capacidade para transportar 12 milhões de m³ por ano de etanol. A segunda etapa, que possui 143 quilômetros de extensão, liga Ribeirão Preto (SP) a Uberaba (SP).

Fonte: Goiás Agora