22 de dezembro de 2015

Maguito critica rompimento com PT, impeachment e anuncia fim da carreira


O prefeito Maguito Vilela diz que Aparecida de Goiânia teve um ano tranquilo, porque ele manteve as rédeas nas mãos e os pés no chão. Ele também falou sobre a sucessão eleitoral no município, o desejo do PMDB de romper com o PT, e também, combateu o desejo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. O política também anunciou o fim da carreira. As declarações foram dadas em entrevista à Rádio 730, na manhã desta terça-feira (22).
"O ano de 2015 foi difícil para todo mundo, mas aqueles que tiveram as rédeas nas mãos e os pés no chão, estão conseguindo passar pelo ano com certa tranquilidade. Desculpe a modéstia, mas nós estamos fechando o ano com tudo acertado," se vangloria Maguito.

Em relação a intenção do PMDB de Goiânia de romper com o PT, Maguito é contra. Segundo ele, o partido tem perdido eleições estaduais justamente pela conduta. Maguito explica, que a legenda precisa agregar parceiros e não afastar os que estão caminhando juntos. "São 16 anos apanhando, porque não faz alianças corretas, não soma tempo de televisão, tempo de rádio, não tem militância na rua. O PMDB está com uma política completamente errada, na contra-mão da história," analisa.

O Maguito cita o próprio episódio vivido por ele em 2006, quando foi candidato ao governo do Estado. Segundo o prefeito, a cúpula do PMDB não permitiu a aliança com o PT, e que isto, teria acarretado na derrota para Alcides Rodrigues. "Nós poderíamos ter vencido aquela eleição no primeiro turno," lembra.

Sucessão eleitoral

O prefeito de Aparecida de Goiânia diz que vai tratar do tema mais diretamente apenas no próximo ano. Por enquanto, ele diz que é o momento de pensar no projeto. Em 2016, aí sim, é a hora de escolher um nome para representar a base.

A secretária Valéria Pettersen e o vereador Gustavo Mendanha surgem como principais pré-candidatos da base aliada, mas Maguito ressalta que pelo menos outros quatro estão na disputa.

Impeachment

Para Maguito Vilela o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff não tem base jurídica. "O país tem que escolher entre a democracia e o golpe. Eu vou defender a democracia. A partir do momento que você começa a rasgar a constituição. Quem pode tirar uma presidente sem causa nenhuma, pode fazer qualquer outra coisa, porque não tem mais lei," compara o prefeito.

Por fim, Maguito voltou a afirmar que vai encerrar a carreira política assim que terminar o atual mandato de prefeito de Aparecida de Goiânia. Segundo ele, chegou o momento de abrir espaço para outros.

Fonte: Porta 730