1 de setembro de 2015

MP pede paralisação de obras do BRT


Promotor Marcelo Fernandes de Melo considerou “contraditórias” as informações apresentadas pela coordenação do projeto

O promotor de Justiça, Marcelo Fernandes de Melo, propôs ação civil pública contra o Estado de Goiás, a prefeitura de Goiânia e a Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC). Na ação, o Ministério Público Estadual de Goiás (MP-GO) pede que as obras sejam interrompidas e nenhuma árvore remanescente seja derrubada.
Para o promotor é necessária a apresentação de estudo de impacto de vizinhança, estudo de impacto de trânsito, plano de manejo de arborização e projeto executivo. O processo também tem o objetivo de anular a licença ambiental de instalação, concedida à CMTC pela Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Infraestrutura, Cidades e Assuntos Metropolitanos (Secima), considerada “precária”.

O MP-GO considerou “contraditórias” as informações apresentadas pela coordenação do projeto. A polêmica começou quando os Flamboyants que ficavam na Avenida Goiás Norte começaram a ser derrubados e o MP-GO pediu informações sobre a licença da obra.

Resposta

O coordenador do projeto, Ubirajara Abud, disse a O HOJE nesta segunda-feira (31) que o ritmo dos trabalhos já havia sido reduzido no trecho entre a Avenida Perimetral Norte e o Terminal Rodoviário de Goiânia. “Os estudos que o Ministério Público pediu devem ficar prontos até o próximo dia 17”, afirmou.

Até o momento, foram derrubadas 169 árvores, mas está prevista a retirada de mais de 2 mil ao longo dos 22 km do corredor. A Prefeitura de Goiânia afirma que haverá uma compensação com o plantio de um número bem maior de árvores na região do BRT. (Leia mais a respeito na edição impressa do O HOJE)

Fonte: Jornal O Hoje