21 de setembro de 2015

Morro da Serrinha: uma joia sem proteção


Um jardim natural do Cerrado. Apesar de maltratado, segue generosamente florido. Assim é o Morro da Serrinha, em Goiânia, uma joia abandonada à própria sorte e sujeita a todo tipo de degradação. Basta passar ao redor para ver casas construídas de forma irregular. Invasões, desmatamento, queimadas, erosões, lixo e até criação de galinha há no terreno onde a sociedade e o Ministério Público pedem a construção de um parque. Mas até agora, prefeitura e Estado nada fizeram para reverter essa situação. Uma dó!

Mesmo degradado, o Morro da Serrinha vale uma visita. Do alto é possível ter uma vista privilegiada tanto de Goiânia quanto de Aparecida de Goiânia. É ponto de encontro de diferentes tipos de visitantes. Desde a comunidade evangélica, em busca de um lugar mais alto para as orações, passando por ciclistas e motociclistas que fazem trilha no local.

Mas é preciso cuidado! A parte com mata é frequentada por usuários de drogas e servem até como motel improvisado (o prédio do jornal O POPULAR fica em frente a Serrinha e a lista de situações bizarras que a gente vê ali é grande). A dica é ir durante as horas movimentadas do dia e acompanhado.

Do ponto de vista biológico, a área é uma joia verde dentro da cidade. De acordo com um estudo da Universidade Federal de Goiás (UFG), sua vegetação é de "cerrado típico”, com dois estratos, um rasteiro e outro arbustivo-arbóreo, com árvores de pequeno porte. Não há esse tipo de Cerrado em outras unidades de conservação dentro da capital.

Para uma pessoa apaixonada por flores rústicas, como eu, visitar o morro é uma alegria. De longe, a vegetação retorcida pode até parecer sem graça. Mas basta subir a ladeira para encontrar ipê-amarelo nativo (aquele pequenininho com buquês que parecem feitos de papel crepom), murici florido, pau-terra, algodãozinho-do-campo, entre outras.

Ficou interessado? Dê um pulinho lá para conferir!







Fonte: Jornal O Popular
Fotos: Gabriela Lima,