15 de julho de 2015

Goiânia sedia conferência mundial


Evento traz especialistas de 20 países para tratar de temas como o mercado brasileiro de açucar e grãos

Goiânia sedia, até amanhã (16), o Global Forum, evento do setor do agronegócio que aborda perspectivas de produtividade e produção mundial, além da rentabilidade e competitividade de mercados como soja, milho, trigo, arroz e cana-de-açucar. Promovido pela iniciativa de institutos alemães com parceiros em dezenas de países Agri Benchmark, o evento traz especialistas de cerca de 20 nações para apresentar e discutir informações primárias sobre a competitividade de países em importantes setores do agronegócio. O evento, que acontece pela primeira vez no Brasil, está sendo realizado desde o dia 13 de julho no Hotel Mercure, mas é aberto aos convidados e imprensa apenas amanhã.

O Brasil é o principal produtor e exportador de açúcar no mercado mundial, desta forma, o Global Forum apresenta como uma interação econômica entre grãos e o açucar pode ocorrer e qual a importância deste efeito para o mercado mundial. É sabido que no mercado mundial, grãos e açúcar apresentam uma certa independência entre si, no entanto, no Brasil e, principalmente no Cerrado, esta situação parece ser diferente, uma vez que estas culturas competem pelo mesmo recurso – a Terra. O objetivo do agri benchmark é gerar e difundir análises e dados confiáveis sobre a tendência da produção agrícola mundial.

Devido ao aumento na produção mundial de milho, este negócio deve se tornar ainda mais competitivo. Com este cenário em vista, é importante entender as perspectivas e tendências do mercado. O evento ainda discutirá como a escolha do produtor norte americano entre a rotação de culturas ou a monocultura tem efeito direto no mercado mundial. Na Ucrânia é tratada a competição entre o milho e outras culturas e, na França, é visto como restrições políticas marcam o desenvolvimento desta cultura. Entre os temas de destaque do Fórum estão a reação de produtores de todo o mundo à diminuição dos preços agrícolas e também questões tecnológicas, como os ajustes estratégicos do manejo das lavouras diante das plantas invasoras resistentes a herbicidas.

Conferência

Na conferência, o pesquisador Pipat Weerathaworn, da Tailândia, discutirá a expansão da indústria sucroalcooleira no seu país. Micheal Langemeier, dos Estados Unidos, enfocará as ações dos produtores de milho diante de preços em baixa. Ben Lang, do Reino Unido, comentará os novos desafios de pequenos produtores de grãos na União Europeia. Dmitri Rylko, da Rússia, compartilhará sua opinião sobre a produção agrícola russa. Wachira Kaguongo, da Quênia, discutirá o mercado de terra para pequenos produtores de seu país. Estão na programação também ccomparações da produção de cana-de-açúcar do Brasil, Tailândia, África do Sul e Vietnã do mercado de arroz do Sudoeste asiático e da África Subsaariana.

Por Goiás ser referência no agronegócio brasileiro, um grupo dos palestrantes visitarão, nos dias 17 e 18 de julho, unidades produtivas no Estado para verificarem a maneira como são trabalhadas as culturas. Na programação, os estrangeiros visitarão uma fazenda com sistema de Integração Lavoura-Pecuária e confinamento de bois no município de Santa Helena, uma usina processadora de cana em Jataí e três fazendas em Rio Verde, sendo uma produtora de soja, milho, algodão e pecuária de corte, outra especializada em soja e milho e a terceira, produtora de sementes.

Fonte: DM