5 de julho de 2015

Goiânia entre as 10 melhores metrópoles do Brasil


Índice de Desenvolvimento Humano Metropolitano coloca Capital em lugar de destaque no Brasil. Educação, expectativa de vida e renda fazem de Goiânia uma das melhores cidades para se viver

O Índice de Desenvolvimento Humano Metropolitano (IDHM), divulgado ontem pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), mostrou Goiânia entre as 10 melhores colocadas das Regiões Metropolitanas do Brasil. O novo mostruário atualiza dos dados já divulgados no ano passado e inclui outras RMs na pesquisa.

s O índice atribuído pelos organismos internacionais para Goiânia é de um IDHM 0,769, logo atrás do Rio de Janeiro com 0,771 e à frente de potências metropolitanas centenárias e industrializadas como Porto Alegre, Salvador e Recife. A pesquisa tem participação de renome nacionais como o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e a Fundação João Pinheiro, do governo de Minas Gerais.

Para aplicação dos indicadores, os técnicos avaliam quesitos fundamentais para aferir a qualidade de vida da população nessas regiões. São dados colhidos em estratos sociais bem definidos e capazes de mostrar os serviços básicos que a população tem acesso. São mais de 200 indicadores socioeconômicos levantados e que atestam o avanço significativo que houve no Brasil nos últimos 20 anos.

Em Goiânia, existem fatores que diferenciam a qualidade dos serviços que a população tem acesso. Por exemplo, tem vagas nas escolas para atender à demanda, como em outros lugares, mas há um diferencial: as escolas estão mais próximas das famílias e os estudantes têm mais facilidade para acessar essas unidades.

Quando analisada separadamente das Regiões Metropolitanas, o IDH de Goiânia é até mais alto, apresentando um índice de 0,799, superior que a Região Metropolitana de São Paulo, que é de 0,794. O índice de Goiânia consta do Atlas do Desenvolvimento Humano do Brasil (www.atlasbrasil.org.br) na categoria de “alto” e tem subido a cada década.

Ensino

A população de Goiânia busca a educação e tem resposta na rede de ensino, avaliam os técnicos. Uma comprovação disso é dada pelo índice de 71,44% dos jovens de 18 anos ou mais com ensino fundamental completo. O percentual de crianças de 5 e 6 anos frequentando a escola é de 83,22%, um número nada modesto para os padrões médios brasileiros. Quando se avaliam os adolescentes de 11 a 13 anos frequentando os anos finais do ensino fundamental o índice é até maior: 88,42%.

A expectativa de vida do morador de Goiânia é igualmente alto: a esperança de vida ao nascer é de 75,28 anos, bem superior aos 68,06 anos que eram contados em 1991.

A renda per capta também subiu de forma exponencial nessa década e meia, pulando de acanhados R$ 693,72 em 1991 para R$ 1.348,55 na última amostragem e com expectativa de aumento quando atualizada. De forma global, esses indicadores tiveram uma taxa de crescimento de 19,17% nos últimos anos, comprovando a visão geral de que Goiânia desponta entre as Regiões Metropolitanas como de melhor qualidade de vida.

Posição Região Metropolitana IDHM (2010)

1 º São Paulo 0,794

2 º Distrito Federal e Entorno 0,792

2 º Campinas 0,792

4 º Curitiba 0,783

5 º Vale do Paraíba e Litoral Norte 0,781

6 º Baixada Santista 0,777

7 º Belo Horizonte 0,774

8 º Grande Vitória 0,772

9 º Rio de Janeiro 0,771

10 º Goiânia 0,769

11 º Vale do Rio Cuiabá 0,767

12 º Porto Alegre 0,762

13 º Grande São Luís 0,755

14 º Salvador 0,743

15 º Recife 0,734

16 º Natal 0,733

17 º Fortaleza 0,732

18 º Belém 0,729

19 º Manaus 0,720

20 º Maceió 0,702

Fonte: DM