16 de julho de 2015

Centro Cultural Oscar Niemeyer: atividades e opções de lazer para todos


Ponto de encontro já está pequeno

A tarde de domingo pode até parecer depressiva para alguns, mas ao invés de sofrer por antecipação dentro de casa pensando na segunda-feira que se aproxima, muitos aproveitam o momento para relaxar, socializar e se divertir. Na geração virtual, todas essas interações são possíveis sem ao menos precisar levantar do sofá, mas não vamos falar do que a adorada internet e os smartphones são capazes. Falaremos de pessoas que deixaram a preguiça de lado e foram se aventurar no Centro Cultural Oscar Niemeyer, seja para prática de esportes ao ar livre ou para, talvez, ler um livro.

No ano passado, a Esplanada Cultural Juscelino Kubitschek, do majestoso monumento do arquiteto brasileiro Oscar Niemeyer, perdeu as grades que a cercava e permitiu que a área se tornasse um ponto de encontro de várias culturas, estilos, esportes, feiras gastronômicas e eventos, tanto gratuitos quanto pagos. Para alguns, o espaço já está pequeno para tantos atletas de finais de semana e profissionais. "Nossa diversão é muito limitada a parques e shopping. Por isso, quando temos acesso a um local como esse, lota", disse o esportista Max Rodoválio.

Talvez o local esteja cada vez mais disputado por conta do chão plano, liso, a área extensa e a vista privilegiada. Isso tudo atrai atividades bem peculiares. No CCON, encontramos os esportes não convencionais como os patins, bicicletas, skates e patinetes, além dos amantes por pipas, aeromodelismo e hóquei. É isso mesmo: hóquei!


Peter Oliveira é praticante da modalidade sobre patins “in line” – no português ‘em linha’ – que é jogado em quadras de cimento ou madeira. Ele costuma frequentar a esplanada JK para treinar e isso é um desafio para ele e para os frequentadores do espaço. “Temos que fazer zig-zag no meio das pessoas e tomar cuidado com os cães e crianças que às vezes passam de repente na frente. Nunca aconteceu nenhum acidente. Tomo muito cuidado”, garantiu.

Peter, que é jogador há 6 anos, já faturou o 3º lugar no campeonato brasileiro de hóquei in line em 2013. Mas muito antes disso, a paixão pelos patins já havia sido certeira. “É uma sensação de liberdade. Eu amo o que eu faço. Acho que essa paixão está sendo despertada em muitas crianças que frequentam o CCON e isso é muito importante”, disse.

Do chão vamos para o céu. Uma aeronave de pequeno porte operada por um controle remoto também é atração no CCON. O bombeiro Júlios Cezar Oliveira acumula cinco aviões utilizados na prática do aeromodelismo. Neste domingo (12/7), ele chamou atenção com um modelo criado por ele mesmo. “É um asinha, feito de isopor, muito leve e fácil de manusear. Gastei pouco mais de mil reais nele", disse, enquanto pousava a aeronave com muita habilidade.

O passeio na esplanada JK também é um programa bom pra cachorro. “Eu trago meus três animais aqui todos os finais de semana, já que moramos em apartamento e lá não tem muito espaço. Eles ficam loucos com esse tanto de gente passando de bicicleta, patins e skate. Só não posso soltá-los da coleira, mas acredito que é quase uma terapia fazê-los interagir com as pessoas”, diz Tuane Medeiros.


O pôr do sol no CCON é um convite para moradores de outras cidades. Gabriella Bueno e a filha, de dois anos, que insistia em subir uma pipa, são de Bela Vista, cidade a 51 quilômetros de Goiânia. “Eu venho aqui desde que o espaço foi inaugurado, em 2011. Melhorou muito depois dessa transformação em local de lazer. Faço questão de vir quase toda semana”, disse. A pequena Jasmine até tentou, mas o vento não ajudou. "Não quer voar, ó", lamentou a criança jogando o brinquedo para cima que, com o peso do bambu e da rabiola, voltava para o chão com facilidade.


Enquanto isso, em um espaço atrás da biblioteca, dava para ouvir uma música do gênero rock. Vinha de um estande de uma empresa destinada a eventos esportivos, que aproveitou o embalo dos praticantes de skate e montou rampas e corrimões móveis na esplanada. “É a primeira vez que estamos vindo aqui para divulgar nossa marca. Conseguimos autorização para montar os equipamentos que são usados de graça por qualquer pessoa. Queremos incentivar o esporte”, disse um dos idealizadores da empresa, Thiago Daher.


Brake
Saco vazio não para em pé. Verdade pura! Quem esquece o lanchinho em casa pode desfrutar de delícias oferecidas pelos food trucks. Carrinhos gourmet, traillers, tendas, quiosques e caminhões de comidinhas estão espalhados pelo CCON. Pizza, crepe, tapioca, bolos, cremes, açaí, doces, churros, pipoca, entre outras comidas, podem ser encontrados lá. Mas é bom levar uma quantia boa em dinheiro, já que alguns locais não aceitam pagamento com cartões.

“Aqui tem de tudo um pouco. Goiânia estava precisando de uma área de lazer assim. Pela quantidade de adeptos fiéis ao espaço, nota-se que ele é necessário. Quem sabe, o poder público olhe com carinho para a questão do lazer e construa mais espaços como este nos próximos anos. Isso é qualidade de vida”, finalizou Max Rodoválio que, junto com a esposa, acompanhou as filhas de 6 e 9 anos em um passeio de patins.



Fonte: A Redação