14 de junho de 2015

Parklets: Projeto deve ir para bairros populares


Parklets são áreas contíguas às calçadas, onde são construídas estruturas a fim de criar espaços de lazer e convívio onde anteriormente havia vagas de estacionamento de carros.

A arquiteta Carol Farias explica que os três parklets já instalados em Goiânia estão no Setor Marista, um bairro nobre, por decisão das empresas patrocinadoras, mas que há o interesse de levar o equipamento a locais onde há maior presença de pedestres. Ela cita bairros como o Centro e Campinas.

Há uma iniciativa de realizar um financiamento coletivo para a instalação de vários parklets na região central da cidade. Ainda não há definição de como seriam os projetos e nem suas localizações, mas a ideia é que sejam parklets menores, do tamanho de uma vaga para estacionamento.

Essa ocupação, no entanto, tem sido a principal crítica aos parklets, pois motoristas reclamam da dificuldade em encontrar vagas na capital. Nesse caso, a instalação da Avenida 136 já foi alvo de reclamações. Enquanto OPOPULAR esteve no local, ontem, vários condutores reclamavam da localização pela falta de estacionamento. (VA)

Ideia nasceu nos Estados Unidos

O primeiro parklet de Goiânia foi instalado na pequena Rua Mario Bittar, no Setor Marista, em maio.

O ambiente junto à calçada, com bancos, vasos de plantas e iluminação tem ainda uma placa com o texto “Você é dono do carro, não da rua”. Em sua montagem foi usado material que pode ser reutilizado, como pallet e madeira de reflorestamento.

Origem

O nome parklet é um neologismo em inglês criado a partir de trocadilho envolvendo as palavras parking, que significa estacionar, e parks, o mesmo que parques.

A ideia, que nasceu em São Francisco, nos Estados Unidos, é justamente a de abrir espaços de convivência e interação entre as pessoas em locais utilizados como estacionamento de veículos.

De acordo com o decreto que regulamenta esses ambientes, eles devem ser construídos e geridos pela iniciativa privada, mas têm de ser abertos a toda população. É a Secretaria Municipal de Turismo, Esporte e Lazer (Setel) que aprova e autoriza sua instalação, que pode permanecer no local por três anos.

Fonte: Jornal O Popular