29 de junho de 2015

Goiânia Também é Rock: Vem aí o Goiânia Ciclo Festival


A 4Click Serviços, juntamente com a Impacto, produtora do Brasília Motocapital, traz a primeira edição do Goiânia Ciclo Festival. Um evento de integração que visa, de todas as formas, compartilhar e congregar ideias através da soma de experiências vividas por cada visitantes e motociclista que compartilha do mesmo espírito de liberdade. Além disso, resgatar a cultura motociclística há muito vivenciada nas ruas da capital.

O Goiânia Ciclo Festival será realizado entre os dias 24, 25, 26 e 27 de Setembro de 2015, no Parque de Exposições em Goiânia-Goiás. A expectativa é de um público aproximado de 50 mil pessoas. Para receber os visitantes estamos preparando, dentro do parque, uma grandiosa cidade com praça de alimentação, bares, área de camping, espaço mulher, espaço infantil, boate, dentre outras novidades.

O Goiânia Ciclo Festival contará ainda com stands especializados sobre Motocicletas. Além do bom e velho Rock’n’Roll.

Fonte: Oquerola.com


Primeiro polo industrial privado de Aparecida está com 60% das obras concluídas


O prefeito Maguito Vilela participou na manhã desta quinta-feira (25) do café da manhã promovido pela Inovar Urbanismo e parceiros, responsáveis pela implantação do primeiro condomínio industrial privado em Aparecida, o All Park. O encontro também celebra a parceria entre poder público e a iniciativa privada, além de mostrar o andamento das obras, que já estão 60% concluídas.

“Na criação de um polo como este, é fundamental a disposição do poder público em dar condições e bases legais para a estruturação do setor industrial. É uma abertura política da atual gestão que vai gerar para o município emprego, renda e desenvolvimento dessa região”, destacou o presidente da Inovar Urbanismo, Romeu da Silva Neiva Junior.

Para o prefeito Maguito Vilela a parceria público privada possibilita a criação de grandes empreendimentos com mais celeridade. “Sabemos que o poder público enfrenta muitos problemas burocráticos, enquanto que na iniciativa privada os projetos acontecem com mais agilidade. Por isso, vamos continuar unidos e parceiros para o desenvolvimento de Aparecida”, comemorou Maguito.

O All Park foi lançado em maio de 2014. A partir de agosto deste ano, empresas que adquiriram terreno no local já podem começar executar seus projetos de construção. A previsão de entrega total do empreendimento é para agosto de 2016. Segundo a Inovar quase 50% dos terrenos já foram vendidos.

“A expectativa é grande no sentido de atrair mais empresas, que trazem para o município trabalhos diretos e indiretos, receita para a cidade e mais desenvolvimento econômico”, salientou o secretário de Indústria e Comércio, Ralph Vicente.

O condomínio industrial está situado estrategicamente no centro logístico do país. Com 375 hectares a 3,5 quilômetros do centro de Aparecida de Goiânia, o All Park está inserido em um mastercomplexo de infraestrutura e logística do município, onde está sendo construído um Campus da Universidade Federal de Goiás, o Aeroporto Executivo e o NS-01, um eixo estruturante que passará pelo anel viário e ligará a saída para outras cidades e estados.

Além do All Park, Aparecida conta atualmente com cinco polos industriais, além de outros dois que estão em implantação, o Complexo Metropolitano Industrial e o Parque Tecnológico.

Fonte: Prefeitura de Aparecida de Goiânia


Obras do Parque Municipal Buritis Sebastião Júlio Aguiar devem começar ainda neste período de seca


Em novo momento de urbanização, o Parque Oeste Industrial ganhará um parque com  102.914,13  metros quadrados. Nesta quinta-feira, 25 de junho, foi lançada a pedra fundamental da obra pelo presidente da Agência Municipal de Meio Ambiente, Nelcivone de Melo, juntamente com os representantes das incorporadoras CMO Construtora, Dinâmica Engenharia, Engel Engenharia e Tropical Urbanismo e Incorporação, Moacyr Moreira, Patrícia Garrote, Alair Lopes e Paulo Roberto da Costa, respectivamente. Líderes comunitários, vereadores e a comunidade prestigiou o momento.
Batizado como  Parque Municipal Buritis Sebastião Júlio Aguiar, a benefeitoria é fruto de uma parceria público-privada em que o grupo incorporador entrará com os insumos enquanto a prefeitura com a execução da obra. A expectativa é que ele  seja inaugurado em 2016, pois são necessários dois períodos de seca para que seja concluído.  “Vamos desatar todos os nós burocráticos para dar celeridade ao processo”, disse o presidente da Amma durante a solenidade.

A parceria com a iniciativa privada surgiu em razão do complexo residencial que o grupo empreendedor está desenvolvendo no bairro, o Eldorado Parque, com 25 residenciais. O parque foi uma solução para uma antiga ação civil pública do Ministério Público contra a Prefeitura para recompor e preservar a área de reserva, com cerca de 33 mil metros quadrados, que constava na no projeto de aprovação do loteamento, no ano de 1957.

“Ao começarmos a empreender nosso projeto na região, avaliamos juntamente com a Amma que a implantação do parque seria mais eficiente porque, além de resolver a questão da ação civil pública apenas com a recomposição florística, iríamos criar um espaço de interação com a comunidade. A população, ao contar com esta benfeitoria, será a verdadeira guardiã do lugar”, disse o empresário Paulo Roberto da Costa, representante do grupo empreendedor.

Para o desenvolvimento do parque, foram adicionados mais 70 mil metros quadrados de área ao projeto, totalizando quase 103 mil metros quadrados. O espaço oferecerá pista de caminhada, ciclovia, lago ornamental, estações de ginástica, parques infantis, estacionamento, iluminação em LED, acessibilidade e recomposição florística serão contemplados. Para prevenir assoreamento do lago, o parque terá  caixas de drenagem e de retenção de resíduos sólidos.

O presidente da Amma lembrou da relevância da infraestrutura verde para as cidades, constituída por parques e as árvores que, em sua visão, são tão importantes quanto a infraestrutura cinza, composta de edifícios, asfalto e outros equipamentos. “A natureza nos presta um serviço gratuito, melhorando nosso clima, nos fornecendo sombra e bem estar. E este parque, especificamente, tem uma vereda de buritis encantadora com água, outro item imprescindível para a vida”, comentou.

Ele ressaltou que Goiânia é e continuará sendo a capital verde do Brasil. Segundo o cadastro da Amma, são 33 parques já implantados. “Temos outros 225 áreas verdes e várias podem ser transformadas em parques”, disse.  Neste sentido, as parcerias público-privadas são fundamentais considerou o  vereador Denício Trindade, durante a solenidade. “Todos sabem da dificuldade de prover recursos por que passam os municípios e estados. Com as parcerias público-privadas, conseguimos promover a urbanização”, validou.

“É uma parceria onde todos ganham. A população passa a contar com o equipamento de lazer, o poder público recebe necessária e a região torna-se mais atrativa do ponto de vista de venda de imóveis”, complementou Paulo Roberto da Costa.   A proprietária da área, Anália Ferreira também participou do evento, na companhia de sua filha Neuza Severina Aguiar. O parque leva o nome de seu marido, falecido em 1981.

Além do Parque Municipal Buritis Sebastião Júlio Aguiar, a parceria com as incorporadoras contemplará também as necessidades estruturais do bairro, consideradas obsoletas do ponto de vista ambiental.  Com a implantação do parque, o grupo empreendedor irá implantar parte rede de água e esgoto do bairro.

Sobre o grupo empreendedor

CMO Construtora, Dinâmica Engenharia, Engel Engenharia, Tropical Urbanismo compõem o grupo empreendedor parceiro da Prefeitura de Goiânia e Ministério Público na implantação do Parque Sebastião Júlio Aguiar. Juntas, as quatro empresas têm 132 anos de história, e já contam com a expertise de terem implantado o primeiro bairro planejado de Goiânia, o Residencial Eldorado, que resultou em grande desenvolvimento para toda a vizinhança. Agora,  estão novamente juntas para implantar o complexo residencial Eldorado Parque,  no Parque Oeste Industrial.

Fonte: Segs

Aeroporto: Início da operação segue indefinido, mas obra avança




Novos trabalhadores foram contratados e testes de asfalto estão sendo feitos em pista

Apesar da indefinição sobre a data de início da operação no novo terminal do Aeroporto de Goiânia, as obras no local continuam no mesmo ritmo do mês de abril, quando foram retomadas. A reportagem do POPULAR sobrevoou o aeroporto e verificou que os serviços de terraplanagem e macrodrenagem estão avançados. A nova pista de taxiamento em “J” está sendo pavimentada. Esta será a ligação entre a pista principal, atualmente em uso, e o novo terminal de embarque.

No início do mês, o consórcio formado pelas empresas Odebrecht e Via Engenharia abriu novas vagas para operários na obra, o que seria uma demonstração de que a construção não sofreria com os ajustes econômicos do governo federal. A seleção dos funcionários se encerrou no último dia 22 com todas as vagas preenchidas e, atualmente, os novos contratados estão em período de ambientação para que estejam aptos a trabalhar na obra.

Hoje, o consórcio mantém 1,2 mil servidores entre contratos diretos e subcontratados. Em abril, segundo a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), o consórcio realizou a parte operacional da obra de infraestrutura, com o início das escavações e terraplanagem e instalação do canteiro de obras. Já no mês seguinte, ainda pela Infraero, o cronograma previa para junho serviços de terraplanagem, macrodrenagem, travessias da pista de taxiamento e pavimentação da pista em “J”.

Terraplanagem

Na última quarta-feira, 24, a reportagem apurou que o cronograma vem sendo cumprido. A Infraero informa que os trabalhos de terraplanagem estão em andamento e estão sendo feitos testes de asfalto na pista de taxiamento. “Não será construída uma nova pista de pouso e decolagem. A pista que está sendo construída, paralela à pista de pouso existente, é uma pista de taxiamento nova, que permitirá às aeronaves acessarem o novo pátio de aeronaves”, alega, em nota.

Apesar de promessa, Infraero revê plano e mantém data limite

Ainda de acordo com a Infraero, a nova estrutura do Aeroporto de Goiânia deverá concentrar a maior parte das movimentações de passageiros. Até o final de maio, o novo terminal estava 94% finalizado.

Segundo o órgão, faltavam: a finalização das fundações e a instalação das pontes de embarque; a conclusão da obra do tanque de termoacumulação do sistema de ar condicionado, água potável e reuso; e a instalação e testes dos sistemas eletrônicos, elétricos, mecânicos e de equipamentos. No entanto, a maior parte destas etapas só será realizada com o andamento das obras de infraestrutura.

Assim mesmo, a Infraero informa que realiza a revisão de seu planejamento junto ao consórcio responsável pela obra. A questão é que, em visita a Goiânia em março, a presidente Dilma Rousseff (PT) havia estabelecido novembro como data limite para o início da operação, mesmo que o contrato tivesse validade até abril de 2016, de acordo com o Tribunal de Contas da União (TCU).

AJUSTES

A estatal segue divulgando que abril é a data limite e que a revisão do planejamento se dá por ajustes no orçamento do governo federal, apesar de que os recursos para tocar a obra este ano e em 2016 já estão previstos. O cronograma está mantido mesmo com a Odebrecht sendo investigada na Operação Lava Jato, da Polícia Federal, conforme publicou O POPULAR no último dia 23.

Fonte: Jornal O Popular

28 de junho de 2015

Goiás: Buzinaço marca estreia do pedágio


O cenário na manhã de estreia da cobrança da tarifa na praça de pedágio de Goianápolis, na BR-060, entre Anápolis e Goiânia, ontem, era de longas filas. A inoperância de quatro cabines, duas em cada sentido, por problemas no sistema eletrônico, sobrecarregou as demais cancelas, gerando espera e irritação.

Segundo o diretor presidente da Triunfo Concebra, Ademir Sanches, as quatro cabines trabalharam normalmente até a troca do primeiro turno, às 6 horas. “Embora tenhamos realizados testes ao longo dos últimos dias é um problema mecânico e infelizmente aconteceu”, diz.

Ele explica que o mesmo não ocorreu nas demais praças – Professor Jamil e Itumbiara, na BR-153, e Alexânia, também na 060). Funcionários da empresa da área de tecnologia passaram toda a manhã tentando resolver o problema. No total, são vinte cabines manuais e seis automáticas nos dois sentidos.

Segundo Ademir, em casos semelhantes, se a fila atingir 400 metros de extensão, obriga a concessionária a liberar as cancelas e a cobrança. A reportagem apurou que as filhas atingiam cerca de 150 metros, gerando uma demora média de seis a oito minutos.

Buzinaço

Uma forma encontrada pelos motoristas de demonstrar a insatisfação foi um buzinaço, puxado, sobretudo, por caminhoneiros. “Isso é um absurdo. Eles precisam colocar pessoas mais preparadas e em maior número para trabalhar. Pagar pedágio dessa forma, não dá”, disse o vendedor Cleber Oliveira.

Segundo Ademir Sanches, é natural que no primeiro dia os funcionários se sintam inseguros para retornar o troco aos motoristas, aumentando o tempo de atendimento. Ele orienta aos condutores buscarem as empresas parceiras com a concessionária para contratarem os serviços de cobrança automática. Sem Parar, Connect Car e a AutoExpress estão operando nas rodovias.

Fonte: Jornal O Popular


Brasil ficará fora da Copa das Confederações pela primeira vez na história


A queda para o Paraguai outra vez nas quartas de final da Copa América e na disputa por pênaltis dá ao Brasil uma estatística negativa inédita: pela primeira vez em sua história ficará fora da Copa das Confederações da Fifa.

O Brasil não participou das duas Copa Rei Fahd, torneio que deu origem à Copa das Confederações, em 1992 e 1995 na Arábia Saudita.

Até hoje aconteceram sete edições da competição com chancela Fifa (1997, 1999, 2001, 2003, 2005, 2009 e 2013) que reúne os campeões continentais, o atual detentor do título mundial e o país-sede da próxima Copa do Mundo.

E a seleção ganhou quatro vezes a competição, sendo a atual tricampeã (1997, 2005, 2009 e 2013). A pior participação aconteceu em 2003, quando não passou da fase de grupos. Além disso, foi vice-campeã e quarta colocada uma vez cada.

O técnico Dunga, por sinal, ganhou a edição de seis anos atrás na África do Sul ao derrotar os Estados Unidos de virada na grande decisão por 3 a 2.

A próxima edição acontecerá em 2017 na Rússia. Além dos anfitriões, já estão garantidos Austrália (campeão asiático) e Alemanha (da Copa do Mundo).

Fonte: MSN Esporte

'Música boa é a que dá vontade de ouvir de novo, de novo e de novo'


A morte de Cristiano Araújo só mostrou o que muita gente estava insistindo em não ver: que o sertanejo é a música popular do Brasil A morte trágica do cantor sertanejo Cristiano Araújo, de 29 anos, na madrugada da última quarta-feira trouxe à tona a velha discussão sobre o que é música boa ou ruim, o que é música popular e o quanto o artista era conhecido pela população brasileira para que o acidente ocorrido na BR-153, em Goiás, tivesse ganhado tanto espaço nos noticiários e redes sociais.

Talvez você, leitor, nunca tenha ouvido falar do rapaz goiano que aos 10 anos de idade já cantava profissionalmente, nem saiba que ele arrastava multidões em seus shows por todos (sim, todos) os estados do Brasil. Talvez você nunca tenha ouvido 'Bara-Berê' ou ainda 'Maus Bocados' e sequer poderia imaginar que 'Hoje eu Tô Terrível', última música de trabalho do cantor, esteja entre as mais tocadas nas rádios. E isso não é um problema, tampouco sinônimo de preconceito ou descaso. Somos habitantes de um País com mais de 200 milhões de pessoas e uma diversidade musical absurda que vai muito além da MPB ou do samba.

Em uma época em que aplicativos e programas nos permitem escolher qual música ouvir ou comprar, em que as rádios estão cada vez mais segmentadas e há bares e casas noturnas para todos os gostos musicais, é natural não nos aventurarmos por outros gêneros e nos aprofundarmos no que de fato gostamos. E não há nada de mal nisso. Mas quando você liga a televisão, abre um portal de notícias na internet ou para no semáforo com a janela do seu carro aberta, é o sertanejo - universitário ou não - que você ouve. Gostando ou não. Reconhecendo a voz do intérprete ou não.

A força da música sertaneja ficou, mais uma vez, evidenciada nas imagens do velório e enterro do cantor sertanejo, que foi homenageado por cerca de 60 mil pessoas. "E olha só, que despautério, ele não era um ídolo da MPB ou um astro do rock e ainda por cima nasceu em Goiás", esbravejam alguns. Não acho estranho que os astros da música brasileira de hoje sejam a evolução das duplas caipiras, ou sertanejos universitários, se até os anos 1950 mais de 60% da população vivia no campo.

Assim como boa parte da população, a música sertaneja saiu do interior, trocou as botas e os chapéus de palha pelos tênis e ocupou as cidades aos poucos. Para se ter uma ideia, trinta anos atrás o maior espaço que estes artistas tinham era na programação da madrugada das rádios AM. Os shows eram em circos e o público, modesto. Nomes como Tonico & Tinoco e Chitãozinho e Xororó (para citar só dois de gerações diferentes) ajudaram na popularização do estilo com vozes afinadas e letras simples que retratavam o amor e o dia a dia.

Hoje, os artistas sertanejos são os que mais vendem shows e discos no país. Só para este ano, por exemplo, Cristiano Araújo já tinha vendido 280 apresentações - média de 23 por mês. Em casas de espetáculos como o Citibank Hall, são nomes como Zezé di Camargo & Luciano, Luan Santana, Marcos & Belutti e Leonardo que esgotam ingressos. Aliás, é comum os cantores ou duplas sertanejas fazerem shows para 10, 20, 30, 40 mil ou mais pessoas. As casas noturnas que mais atraem público são (adivinha) as dedicadas à música sertaneja. Dou quatro exemplos só na capital paulista: Villa Country, Wood's, Villa Mix e Brook's. A primeira da lista tem capacidade para 8 mil pessoas e facilmente chega nesse número.

Ser popular não é demérito, tampouco sinônimo de pouca ou nenhuma qualidade. Música boa é que nos faz ter vontade de ouvir de novo e de novo e de novo. Pode ser sertanejo, axé, MPB, Funk, samba, jazz, rock, pop ou qualquer outra. A morte de Cristiano Araújo só mostrou o que muita gente estava insistindo em não ver: que o sertanejo é a música popular do Brasil. Nenhum jornal, rádio, TV ou internet daria tanto destaque a um assunto se não fosse interesse público. E se você não sabia quem era Cristiano Araújo, agora já sabe.

Cristiane Bomfim é jornalista e responsável pelo blog Música Popular Sertaneja. Trabalha como assessora de imprensa de Rappin Hood, Djavu, Mika e Renata Fausti. Já trabalhou também com nomes como Rio negro & Solimões e Cezar & Paulinho.

Fonte: Estadão


26 de junho de 2015

Tradicional Festa do Divino Pai Eterno começa nesta sexta


Com expectativa de receber 2,5 milhões de pessoas nos dez dias de festividade, o maior evento religioso do Centro-Oeste, a Romaria do Divino Pai Eterno, em Trindade, começa nesta sexta-feira, dia 26. A Organização das Voluntárias de Goiás (OVG) já está com tudo pronto para dar suporte, através do Centro de Apoio ao Romeiro (CAR), aos milhares de peregrinos que vão à festa religiosa.

A estrutura do CAR funcionará no mesmo local dos anos anteriores, no Km 9,5 da GO-060, a Rodovia dos Romeiros, com inauguração às 7h30 desta sexta-feira, 26. O Centro funciona 24 horas com o apoio de cerca de 150 pessoas, entre cozinheiras, atendentes de balcão, funcionários da Organização, bolsistas e voluntários.

Eles vão se revezar na produção e distribuição de lanches aos peregrinos que participarem da romaria, que termina no dia 5 de julho. Serão servidos leite com canela, café, chá, suco, pão (com mortadela ou manteiga) e água. O projeto tem o apoio de vários órgãos do Governo do Estado e de empresas parceiras que ajudam a realizar o trabalho. A OVG espera atender mais de 300 mil romeiros.

Estrutura do CAR

O Centro de Apoio ao Romeiro (CAR) terá quase dois mil metros quadrados de área física, com cozinha, onde são preparados os lanches para os romeiros e mais de 20 banheiros químicos, sempre abastecidos com papel toalha e papel higiênico. A diretora geral da OVG, Eliana França, informa que no espaço também haverá apoio médico com ambulância, enfermeiras aferindo a pressão, além de massagem. “Tem também um espaço de reflexão, que chamamos de capela, em que ele [romeiro] pode rezar, meditar, ou apenas descansar um pouco da caminhada”.

Eliana explica que em 1999, no governo Marconi, foi criado este CAR. “Antes já existia algo muito pequeno, que era uma Kombi distribuindo basicamente café”.  Números registram que de 2011 a 2014, o CAR de Trindade atendeu mais de 1,2 milhão de pessoas na festa religiosa.

A estrutura contará ainda com um posto de comando da Polícia Militar, uma ambulância e uma viatura de resgate do Corpo de Bombeiros.

Bombeiros

Durante os dez dias da Romaria do Divino Pai Eterno, 600 homens do Corpo de Bombeiros estarão de prontidão para garantir a segurança e o atendimento à comunidade local e a todos os romeiros que visitarem Trindade. O subcomandante da 1ª Companhia Independente de Trindade, capitão Josef Patrick Nowak, informa que haverá uma viatura na saída dos romeiros, duas na entrada da cidade e mais uma em frente a tenda da OVG.

Em dias mais cheios, haverá duplas de socorristas nas igrejas, equipadas com materiais de primeiros socorros. Ainda haverá viaturas de salvamento, de incêndio e um helicóptero, caso aconteça algum fato de maior gravidade.

O capitão Patrick conta que os principais casos atendidos pelos bombeiros são maus súbitos como queda de pressão ou dificuldade respiratória. Ainda, é comum princípios de incêndios, quando utilizam botijão de gás em locais impróprios ou de maneira errada.

Ele alerta que é importante estar bem hidratado e ter uma alimentação adequada antes, durante e após a caminhada. Além disso, é bom evitar o sol intenso entre as 10 e 16 horas. “A prevenção é a melhor coisa. Temos panfletos informativos para os romeiros”.

Para quem vai se hospedar pelas pousadas e hotéis de Trindade, o capitão Patrick orienta para não acender velas no interior dos cômodos e verificar os certificados dos bombeiros nos locais.

Desde abril, o Corpo de Bombeiros realizou a Operação Terra Santa Segura, onde foram inspecionados mais de 150 estabelecimentos e 20% deles apresentaram alguma irregularidade. A principal delas se relaciona a modificações de área construída e na altura da edificação. “Fiscalizamos todas as hospedagens de Trindade, falamos o que arrumar e depois a gente retornou para que na festa tudo esteja regularizado”. E o capitão lembrou que para qualquer emergência, o telefone dos Bombeiros é 193.

Orientações:

Caminhada

-Evite caminhar nos horários de maior temperatura, entre 10 e 16 horas;
-Hidrate-se e alimente-se durante o trajeto;
-Use roupas e calçados confortáveis;
-Ande sempre em grupos e não caminhe pela rodovia;
-Em caso de emergência, chame ou peça para entrar em contato com o Corpo de Bombeiros.

Hospedagem

-Escolha estabelecimentos que tenham certificação do Corpo de Bombeiros;
-Idosos e crianças: tenham sempre em mãos um cartão de identificação contendo o nome e telefones da pousada/hotel em que estejam hospedados;
-Não deixe velas acesas dentro dos quartos e não deixe fósforos ou isqueiros ao alcance de crianças;
-É proibida a utilização de botijões pequenos (3kg) em barracas, tendas ou outras ocupações similares.

Missas e Procissões

-Cuidado para não se queimar com velas e, nas procissões, cuidado com o cabelo da pessoa que está à sua frente;
-Procure sempre se alimentar bem antes das cerimônias religiosas, evitando desmaios por fraqueza;
Em caso de algum mal-estar, procure deitar-se, de preferência em lugar arejado.

Confira aqui a ação da PM durante a Festa de Trindade.
Hutrin pronto para atender romeiros do Divino Pai Eterno .
A programação completa da festa religiosa está aqui.

Mais informações: (62) 3201-9415 (OVG), 3201-2030 (Bombeiros) e 3201-1453 (PM)

* Com informações da OVG , Afipe e Bombeiros

Fonte: Goiás Agora

Paulo Garcia e Maguito fecham parceria do BRT


Prefeitos de Goiânia e Aparecida acertam detalhes para transferência de área. Local será usado para construção de terminal de embarque e desembarque de passageiros. BRT Norte-Sul beneficiará moradores dos dois municípios

Os prefeitos Maguito Vilela (Aparecida) e Paulo Garcia (Goiânia) se reuniram na tarde de ontem na sede da Prefeitura de Aparecida para acertar detalhes da transferência da permuta de uma área de 14 mil metros quadrados dos Correios, que fica na congruência das avenidas Rio Verde, Paraguassu e Tapajós, na Vila Brasília, para a construção de um terminal de embarque e desembarque de passageiros do Bus Rapid Transit (BRT) Norte-Sul, que interligará Aparecida à região norte da capital.

“O BRT Norte-Sul beneficiará a população das duas cidades. Por isso, estamos viabilizando a parceria para a permuta de áreas para que seja implantado no local  um terminal de ônibus moderno e confortável”, destacou o prefeito de Aparecida.  A Prefeitura de Aparecida realizará a permuta de outra área com mesmo valor venal com os Correios para ceder o terreno na Avenida Rio Verde para a implantação do BRT. “Não haverá nenhuma dificuldade porque a obra é de interesse público e, lógicamente, de interesse de todos os envolvidos. Agora, precisamos observar a legislação, mas fazer tudo com a celeridade necessária”, argumentou Maguito.

Durante a visita a sede da Prefeitura de Aparecida, o prefeito de Goiânia explicou a urgência de se resolver a situação dos Correios. “A frente norte do BRT está com obras avançadas e precisamos dar início nas obras da frente sul e a transferência desta área dos Correios para a prefeitura de Aparecida, que é nossa parceira, é imprescindível para o andamento dos trabalhos de implantação desse importante corredor do do transporte coletivo”, sublinhou Paulo Garcia.

Foram apresentadas três áreas que poderão ser permutadas com o Correios no município de Aparecida, sendo que uma delas foi proposta pelo presidente da Câmara Municipal, Gustavo Mendanha (PMDB), que é a área onde seria construída a nova sede do Legislativo às margens da BR-153 na região Central. “Como a Câmara já tem uma nova área no Setor Village Garavelo para construir a nova sede, podemos colocar a disposição a nossa outra área”, detalhou.

Existe ainda um terreno na região leste que pertence à prefeitura de Goiânia e que fica próxima à extensão do Anel Viário e do desvio da BR-153 e também uma área na região mais industrializada da cidade. Essas áreas deverão ser analisadas pelo Correios, que deseja implantar mais um Centro de Distribuição de Cartas e Encomendas.

“Nossa previsão para essa nova área é construir mais um Centro de Distribuição, por isso precisamos avaliar a logística da nova área e também não pode ter valor venal menor que o valor da atual área do Correios que será permutada. Nós já conversamos com o diretor nacional e não há nenhum impedimento para o processo de permuta, mas precisamos de uma área que tenha uma boa localização para dar viabilidade aos projetos da empresa e não precisa ser apenas uma área, dependendo, podem ser duas ou três que atinjam o valor venal da nossa área atual”, salientou o diretor regional do Correios em Goiás, Sérgio Repolho.

No final da reunião foi formada uma comissão com representantes técnicos das duas prefeituras e do Correios para analisarem as três áreas propostas e assim darem o parecer final na próxima reunião, que ficou pré-agendada para terça-feira da próxima semana. Chefiará a comissão pela prefeitura de Aparecida o secretário de Planejamento Afonso Boaventura. O representante de Goiânia será o coordenador da implantação do BRT, Ubirajara Abud e pelo Correios o representante será o diretor adjunto, Valdeir Pimenta. Também estiveram presentes na reunião os secretários Euler Morais (Governo), Carlos Eduardo de Paula (Fazenda), Júlio Lemos (Habitação), Ozéias Laurentino Júnior (Comunicação), Valdemir Souto (SMTA) e Mário Vilela (Infraestrutura).

TERMINAL

O prefeito Maguito Vilela e o vereador Edilson Ferreira (PMDB), solicitaram também, durante a reunião, que a Companhia Metropolitana do Transporte Coletivo (CMTC) realize estudo de viabilidade da extensão do BRT Norte Sul do Terminal Cruzeiro até o Terminal Garavelo, beneficiando também aquela região do município. “Já há a viabilidade de extensão do BRT até o Terminal Veiga Jardim e agora buscamos o parecer viável para extendê-lo até o Garavelo.

Caso o parecer seja favorável vamos elaborar o projeto e buscar recursos para a execução da obra”, ressaltou o prefeito ao lado do vereador que representa a região. BRT – Considerado um dos principais projetos de mobilidade do país, o BRT é um corredor exclusivo para ônibus que interligará a região noroeste da Capital ao município de Aparecida.

Dos 21,8 quilômetros de extensão do corredor, oito quilômetros serão em Aparecida. O BRT sairá do Terminal Cruzeiro do Sul, que fica na Avenida Rio Verde, no Jardim Nova Era, com destino ao Terminal do Setor Recanto do Bosque, em Goiânia. Para garantir o início das obras, a Prefeitura de Aparecida está conduzindo desapropriações na região, a maioria concentrada na Avenida Rio Verde. O sistema BRT será implantado com o objetivo de criar eixos de transportes integrados à rede existente.

Fonte: DM


Governo cria mais 24 colégios militares


Governo Estadual justifica ampliação com destaque dos alunos destas unidades nas provas do Ideb e no Enem; índices de avaliação do ensino

Menos de uma semana depois de o governador Marconi Perillo (PSDB) chamar alguns professores grevistas de “baderneiros” e dizer: “tenho um remédio para vocês”, a governadoria enviou projeto à Assembleia Legislativa para criar novos oito colégios militares. A aprovação deve ser confirma antes do recesso parlamentar de julho.

O projeto de lei do governador que transforma oito unidades de ensino público do Estado em colégios militares em Goiânia, Aparecida de Goiânia e Senador Canedo. A meta do governo é chegar até o fim do ano com 24 novas unidades instaladas em várias regiões, que se juntarão às 19 existentes.

O projeto que tramita na Assembleia acrescenta 24 funções gratificadas comissionadas de administração militar, por cada unidade de ensino transformada em colégio militar, totalizando 192 cargos. Cada unidade terá um diretor, um vice, seis chefes administrativos operacionais e 16 auxiliares administrativos operacionais.

Segundo semestre

A determinação do governo, conforme justificativa do projeto, é de que a Secretaria de Educação e o comando-geral da Polícia Militar adotem medidas para que as unidades passem a funcionar em sua plenitude em 30 dias, a partir da aprovação da proposta na Assembleia. Após esse prazo, a secretaria deverá propor ao governo a extinção de cargos em comissão ou funções comissionadas, nas unidades transformadas, como forma de compensar o custo financeiro decorrente do acréscimo das funções comissionadas de administração educacional militar.

Pelo projeto, não haverá transferência de professores e nem de pessoal administrativo dos oito novos colégios militares, no decorrer do ano letivo. De acordo com a justificativa do governador, a alteração nas unidades de ensino se dá “em razão dos bons resultados apresentados pelos colégios militares, que proporcionam rigoroso padrão de qualidade, primeiro lugar no índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) de Goiás e destaque no Enem”.

Mas ressalva que não deixa de reconhecer “o trabalho incansável dos educadores da Secretaria da Educação, que também têm evidenciado o Estado na conquista de bons resultados no cenário educacional”. Os colégios militares têm sua eficácia e credibilidade atestadas pela comunidade, que ressalta, inclusive, os ensinamentos de cidadania que são ministrados, com destaque para o respeito ao cidadão.

Terceirização

Ao mesmo tempo em que opera alteração em unidades de ensino, o governo também trabalha com o processo de tercerização de escolas. As unidades de Águas Lindas deverão servir de projeto piloto.

Tudo indica que a gestão dessas escolas será feita por Organizações Sociais, mas há também a possibilidade de participação de organizações da sociedade civil de interesse público ou mesmo por meio de parceria público-privada. O Sindicato dos Trabalhadores em Educação em Goiás (Sintego) se coloca contra a terceirização.

O deputado Francisco Júnior (PSD) diz ver contradição  porque muitas pessoas buscam muito tanto colocar seus filhos em colégios militares para que sejam educados por policiais militares, mas, ao mesmo tempo, grande parte também fala mal da instituição.

Já Ernesto Roller (PMDB) observa que a grande discussão desse tema diz respeito exatamente às prerrogativas do professor no que diz respeito à disciplina. “A disciplina do colégio militar é a que todos os pais procuram. Devemos fortalecer a educação (ensino) regular com a mesma autonomia que tem um policial militar num colégio militar”, enfatizou.

Oposição: não se pode criar “ilhas educacionais” 

Ilhas educacionais.” É como o deputado estadual Luis Cesar Bueno (PT) vê o anúncio do governo de transformar 24 escolas públicas em colégios militares. “O ensino tem que ser universal, com acesso para todos. A elitização do ensino é contra o acesso universal”, declarou o petista. Para Luis Cesar, o Estado não pode “criar ilhas” como educação de qualidade e esquecer-se do problema maior que é o trabalho para garantir formação educacional de excelência em todas as escolas estaduais.

Já o deputado José Nelto, líder do PMDB na Assembleia Legislativa, disse acreditar que a medida pode fazer com que o Estado volte ao tempo do militarismo, em referência à ditadura. “Daqui a pouco nós vamos militarizar as escolas.” O peemedebista reclamou da taxa mensal que é cobrada dos alunos nos colégios militares. “Na verdade é uma escola pública privada”, enfatizou.

Os dois parlamentares vêem qualidades no ensino oferecido pelos colégios militares, mas fazem ressalvas. Enquanto Luis Cesar afirmou que casos específicos como cursos tecnológicos podem adotar o modelo militar, José Nelto reconhece o “bom conceito” na avaliação dessas escolas. Mesmo assim, os deputados são contra a transformação de escolas públicas em colégios militares pela necessidade de se melhorar a qualidade do ensino em todas as escolas, não militarizá-las.

OS na educação

A instalação de Organizações Sociais (OSs) na gestão de 26 escolas estaduais em Águas Lindas de Goiás, no Entorno do Distrito Federal (DF), em 2016 como quer o governador Marconi Perillo (PSDB) foi amplamente criticada pelos parlamentares. Os dois disseram ver a medida como uma privatização do ensino no Estado. “A privatização do ensino é a criação de um balcão de negócios”, declarou Luis Cesar.

Para José Nelto, o governador tem usado as OSs como “celeiro de corrupção”, com liberação de aditivos e criação de “salários altos” fora da realidade dos profissionais concursados. “Ele (Marconi) está transformando a educação em negociata”, acusou o peemedebista.

Luis Cesar sugeriu que o tucano discuta com os educadores e acadêmicos da área para convencê-los de que o modelo de gestão do ensino com Organizações Sociais pode ser benéfico. “É uma afronta ao Estatuto do Magistério e à carreira da educação. Os estados que adotaram esse modelo vivenciaram experiências que não deram certo.” (Augusto Diniz)

Fonte: Jornal O Hoje


Começa cobrança de pedágio nas BRs 153 e 060


A partir deste sábado (27), os motoristas que trafegam pelas BRs 153 e 060, terão que pagar pedágio nos municípios de Alexânia, Goianápolis, Professor Jamil e Itumbiara. As tarifas variam entre R$ 1,60 e R$ 11,20, de acordo com o tamanho do veículo. O pagamento da tarifa poderá ser feito em dinheiro, chip ou TAG de passagem automática e Vale Pedágio.

Nas cabines manuais, o condutor deve seguir até o guichê de atendimento, onde fará o pagamento, e aguardar a liberação da cancela. Também há a opção de utilizar as cabines automáticas.

De acordo com o diretor presidente da Triunfo Concebra, Odenir Sanches, não haverá isenção para condutores que moram e trabalham em cidades que ficam entre as praças de pedágio. Isenções são autorizadas apenas para veículos cadastrados que prestam serviços públicos, como ambulâncias e segurança pública.

Os postos de atendimento possuem sanitários, área de descanso, informações, água e estão equipados com ambulâncias, guinchos leves e pesados, caminhões para recolhimento de animais e caminhão de combate a incêndio.

Fonte: Jornal O Popular


23 de junho de 2015

BRT Norte-Sul: ônibus vão circular em pavimento mais seguro e resistente


Obras do corredor exclusivo estão em andamento com troca de pavimentação ao longo de canaleta central na Avenida Goiás Norte

As obras do BRT Norte-Sul avançam ao longo da Avenida Goiás Norte, onde está sendo construída a via central para circulação do transporte coletivo. Na região entre a Praça do Violeiro e o Terminal Rodoviário de Goiânia, as estruturas asfálticas antigas estão sendo removidas para a implantação de uma nova estrutura.

Este trecho de 4,5 quilômetros receberá pavimento rígido composto por placas de concreto armadas, apoiadas sobre uma sub-base. Segundo o engenheiro da Unidade de Coordenação do BRT Norte-Sul, Benjamin Kennedy Machado da Costa, esta pavimentação possui alta resistência a deformações e vida útil superior ao asfalto (CBUQ).

Ele explica que o pavimento rígido demanda manutenção a cada 20 anos e o pavimento asfáltico precisa ser recapeado em períodos de cinco a dez anos. Outras vantagens são maior resistência à abrasão, alta aderência do pneu e menor risco de aquaplanagem, aumentando a segurança do tráfego. “A maior vantagem se deve à qualidade do material e também à espessura do pavimento, a canaleta central do BRT vai receber 23 centímetros de concreto, sendo que a capa asfáltica anterior tinha dez centímetros de espessura”.

Benjamin Kennedy comenta que as equipes responsáveis pela execução da obra já retiraram parte o asfalto anterior e estão montando a base e sub-base. Elas darão suporte à nova pavimentação, que será aplicada nos próximos dias.

O planejamento das obras também prevê a recuperação das vias laterais ao eixo do BRT Norte-Sul, a construção dos novos pontos de embarque e desembarque, trechos cicloviários e calçadas acessíveis ao longo de todo o trecho.

O itinerário total do BRT passa pela avenidas Rio Verde, 4ª Radial, 1ª Radial, Rua 90, Praça do Cruzeiro, rua 84, rua 82 (Praça Cívica), Avenida Goiás, Praça dos Trabalhadores, Avenida Goiás Norte, Avenida Horácio Costa e Silva, Rua Tapuios, Avenida Genésio de Lima Brito, Avenida dos Ipês, Avenida Lúcio Rebelo, Rua Oriente e Avenida Mangalô.

A previsão é de que o projeto seja concluído em 18 meses. A construção do BRT Norte-Sul está sendo executada pelo consórcio das empresas Isolux, EPC e WVG, desde o dia 20 de maio. A próxima etapa da obra é a construção da trincheira entre as avenidas Rio Verde e Tapajós, que deve começar em até 30 dias. Ao longo da obra, serão ainda construídas mais duas trincheiras - na Rua 90 com Avenida 136 e na Avenida Goiás Norte com Perimetral Norte, que vão garantir aos ônibus articulados uma viagem mais rápida e segura.

Os terminais de integração serão totalmente reformados com as obras do BRT Norte-Sul. A conexão dos ônibus acontecerá em seis terminais, sendo que três novos serão construídos na região dos Correios, na Vila Brasília, Rodoviária e Avenida Perimetral. Os terminais Isidória, Recanto do Bosque e Cruzeiro passarão por ampla reforma e 39 estações de embarque e desembarque também serão construídas.

Investimento histórico

Orçado em R$ 242,4 milhões, o BRT Norte-Sul é realizado com recursos do Governo Federal, pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) - Mobilidade Grandes Cidades. Considerado o maior projeto de mobilidade urbana da história do Estado, ele vai atender diretamente 148 bairros de Goiânia e também de Aparecida beneficiando cerca de 120 mil usuários por dia.

O prefeito Paulo Garcia diz que o BRT terá 21,8 quilômetros de extensão, ligando as regiões Norte e Sul, sendo que a concepção geométrica da via exclusiva garantirá mais agilidade para os veículos. A operação do BRT será com ônibus articulados e vai permitir um avanço na velocidade de circulação do transporte coletivo, que atualmente é 14 km/h e passará para mais de 25 km/h. Os passageiros também terão mais conforto com ar condicionado, novos terminais e plataformas de embarque e desembarque.

Por Lourdes Souza, da editoria de Transportes - Secretaria Municipal de Comunicação (Secom)

Fonte: Prefeitura de Goiânia

Aparecida de Goiânia é a melhor cidade goiana em gestão fiscal


Município fica em 21° no ranking nacional

O Índice de Gestão Fiscal da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (IFGF) aponta Aparecida de Goiânia (GO) como o município mais bem administrado no Estado de Goiás e o 21° em todo o país. Com dados oficiais de 2013 – últimos disponíveis – a terceira edição do IFGF avaliou a situação fiscal de 5,2 mil municípios brasileiros onde vivem 96,5% da população. Apenas as cidades que não apresentaram as informações ou estavam com dados inconsistentes não foram avaliadas.

“Em todas edições divulgadas pela Firjan, Aparecida despontou. Esta é a melhor posição alcançada pelo município desde que o estudo começou a ser realizado em 2006. Com o apoio e a confiança do prefeito Maguito Vilela na equipe responsável pela gestão fiscal parabenizamos cada cidadão aparecidense e ao mesmo tempo cada membro da administração municipal”, ressaltou o secretário municipal da Fazenda, Carlos Eduardo de Paula Rodrigues.

O objetivo do índice é avaliar a qualidade da gestão fiscal dos municípios brasileiros e fornecer informações que auxiliem os gestores públicos na decisão de alocação dos recursos. O índice varia de 0 a 1, sendo que, quanto maior a pontuação, melhor a situação fiscal do município. Cada um deles é classificado com conceitos que vão de A (Gestão de Excelência, com resultados superiores a 0,8 ponto) a D (Gestão Crítica, inferiores a 0,4 ponto).

O estudo é composto por cinco indicadores: Receita Própria, que mede a dependência dos municípios em relação às transferências dos estados e da União; Gastos com Pessoal, que mostra quanto os municípios gastam com pagamento de pessoal, em relação ao total da receita corrente líquida; Investimentos, que acompanha o total de investimentos em relação à receita corrente líquida; Liquidez, que verifica se as prefeituras estão deixando em caixa recursos suficientes para honrar suas obrigações de curto prazo e Custo da Dívida, correspondente às despesas de juros e amortizações em relação ao total das receitas líquidas reais.

Aparecida ficou acima da média dos municípios goianos em todos os quesitos alcançando um índice de 0,7934. “O município conseguiu a nota máxima nos quesitos ‘investimentos’ e ‘liquidez’, isso demonstra que a atual gestão tem condições de honrar seus compromissos e assumir novos financiamentos, se achar necessário”, afirmou o secretário. Além dos ótimos índices alcançados, Aparecida figura à frente de todas as capitais brasileiras, com exceção da cidade do Rio de Janeiro (RJ).

Fonte: Jornal  A Redação

Motoristas infratores são multados por videomonitoramento


Ação é autorizada pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran).

Fiscais de trânsito de Jataí, estão usando mais um recurso para multar os condutores infratores, são as câmeras de videomonitoramento. São 13 pontos de monitoramento espalhados pela cidade, com câmeras que captam o avanço de sinal, estacionamento em local proibido, motoristas sem cinto de segurança, usando celular e parando sobre a faixa de pedestre

De acordo com o superintendente de Trânsito do município, Lucimar Cardoso, os agentes podem multar mesmo que o fiscal não esteja no local onde a infração foi cometida. "O agente que perceber qualquer ação de irregularidade poderá fazer o auto de infração naquele momento, sem a necessidade da presença física do condutor no local", afirmou.

Os fiscais ainda podem observar, através das câmeras, os detalhes e o número da placa do veículo.

Os motoristas autuados que tiverem dúvidas sobre multas aplicadas podem recorrer na Junta Administrativa de Recursos de Infrações (Jari). A resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), permite que o município utilize os equipamentos para punir os infratores. A alteração foi no artigo 1° da resolução 471 do . A regra vale para todo país.

Fonte: Jornal O popular


Prefeito determina revisão da lei para limitar publicidade


Paulo Garcia se reuniu com secretário responsável pela área e com o presidente da Câmara. Ele também conversou com o ministro Gilberto Kassab, que realizou projeto parecido em São Paulo

A prefeito de Goiânia, Paulo Garcia (PT), determinou a revisão da legislação municipal para combater a poluição visual no Centro. A medida ocorreu em reunião no Paço Municipal na manhã de ontem, um dia após reportagem do POPULAR mostrar que as construções históricas da Capital estão escondidas sob painéis de publicidade.

Paulo Garcia não descarta a adoção de regras mais rígidas como a Lei Cidade Limpa, implantada em São Paulo. “Já estive com o ministro (das Cidades) Gilberto Kassab (PSD, prefeito da cidade na época) para discutir esse assunto. A ideia é justamente fazer uma lei para acabar com a poluição visual do Centro. Intervenções retomando o projeto original da Praça Cívica fazem parte dessa discussão”, disse Paulo Garcia.

Participaram da reunião com o prefeito o secretário municipal de Planejamento Urbano e Habitação, Paulo César Pereira, e o presidente da Câmara de Goiânia, vereador Anselmo Pereira (PSDB). “O prefeito determinou revisão da legislação, com um levantamento sobre as leis atuais e o que é preciso para qualificar melhor o Centro da cidade. Tomaremos medidas rápidas”, garantiu o secretário.

Segundo Paulo César, uma revisão do código de posturas, discutida há mais de um ano, está em fase final e deve ser enviada à Câmara no prazo de 15 dias. “O documento está pronto. Passou pelo Conselho de Política Urbana, por audiência pública com o setor comercial e já está na Casa Civil para ser encaminhado aos vereadores.”

Mas o secretário admite que a nova regulação das posturas trata a publicidade externa de “forma genérica”. Por esse motivo, o prefeito determinou uma lei complementar. “O Código vai ser uma referência, mas pretendemos mandar um projeto de lei específico de requalificação do Centro”, afirmou. O secretário admite que a nova lei deverá “mexer com o setor comercial”, mas diz que manterá o diálogo com as entidades representantes. “É importante para o próprio comércio que a cidade seja bonita.”

Procurado pela reportagem, o presidente da Câmara, Anselmo Pereira, não retornou as ligações.

Fonte: Jornal O Popular

20 de junho de 2015

Em meio à crise, Goiás é o Estado que menos reduziu investimentos


Reportagem da “Folha de S. Paulo” mostra que Goiás praticamente manteve o valor dos aportes financeiros, com redução de apenas 0,1%

Levantamento divulgado pelo jornal “Folha de S. Paulo”, nesta segunda-feira (15/6), mostra que Goiás é o Estado que menos reduziu o volume de investimentos nos primeiros quatro meses de 2015. Conforme apurado pela publicação, em meio à crise econômica, o Estado praticamente manteve o valor dos aportes financeiros, com redução de apenas 0,1%.

De acordo com os dados, os investimentos do Estado saíram de R$ 342,3 milhões em 2014 para R$ 342 milhões neste ano. Realidade muito diferente da verificada em Estados como Minas Gerais e Mato Grosso, que apresentaram reduções em 97,3% e 96,3%, respectivamente.

Apenas outros três Estados conseguiram ampliar o volume de investimentos, são eles: Bahia, com acréscimo de 45,3%, Pará (8,2%) e Rio Grande do Norte (8,1%).

A reportagem destaca que a crise financeira fez com que os Estados reduzissem seus investimentos em 46%. Obras paradas, adiamento de novos projetos e atrasos em pagamentos de serviços sãos os motivos apontados pela publicação para justificar a queda.

O jornal ressalta, ainda, a fala da secretária estadual da Fazenda, Ana Carla Abrão, que lembrou que a realidade atual é muito diferente da vivenciada no último ano. “Existe uma inércia em relação ao que o Estado já vinha fazendo”, admitiu.

A manutenção dos investimentos por Goiás pode ser vista como reflexo da reforma administrativa empenhada pela gestão do governador Marconi Perillo (PSDB) no início de seu quarto mandato. O tucano exonerou mais de 5 mil comissionados e mantém hoje a estrutura mais enxuta entre os Estados, com apenas 10 secretarias.

Fonte: Jornal Opção


Governo federal ajudará no custeio do Hugol


Marconi realizou visita técnica ao Hospital de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol) e afirmou que a presidente Dilma Rousseff garantiu recursos da União para manutenção mensal por dois meses neste ano, e a partir do próximo ano, mensalmente; em 2015, o governo federal arcará com duas mensalidades de R$ 15 milhões; unidade será inaugurada em 6 de julho e terá 510 leitos divididos em seis andares, sendo que 86 são de UTI

Durante a visita que realizou, nesta quarta-feira, acompanhado pelo segmento evangélico, ao Hospital de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol), que será inaugurado no dia 6 de julho, já em pleno funcionamento, o governador Marconi Perillo afirmou que o governo federal auxiliará o governo de Goiás no custeio do hospital.

Ele disse aos pastores presidentes de convenções e dirigentes de campos evangélicos que o acompanharam na vistoria que a presidente Dilma Rousseff garantiu recursos da União para a manutenção mensal do Hugol por dois meses deste ano, e a partir do próximo ano, mensalmente.

O valor para custeio mensal do hospital é R$ 15 milhões. Neste ano, o governo federal arcará com duas mensalidades de R$ 15 milhões cada e, a partir de 2016, fixará um valor que será repassado mensalmente ao Governo do Estado para manutenção do Hugol. Marconi apresentou às lideranças evangélicas um vídeo com informações sobre o hospital que é o mais moderno e sustentável do Brasil central e, em seguida, percorreu a unidade apresentando cada ala.

O investimento na obra foi de aproximadamente R$ 168 milhões, e mais R$ 90 milhões em equipamentos. Além de o hospital ter sido edificado em tempo recorde ao de qualquer outra obra pública ou privada de mesma dimensão, a Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop) conseguiu economizar no valor do metro quadrado, que saiu quase pela metade do que é cobrado pelo mercado: R$ 2,3 mil. O hospital possui 510 leitos divididos em seis andares, sendo que 86 são de UTI.

Humanização

O governador ressaltou que a maior missão do Hugol será oferecer à população goiana saúde humanizada. “É um compromisso que estabeleci com toda a equipe envolvida. Com todo o respeito aos hospitais privados de Goiás, que são muito bons, mas nenhum hospital privado oferecerá melhor atendimento do que o nosso Hugol”, disse.

“Goiás inicia um ciclo de desenvolvimento na Saúde que passa por uma grande revolução. E é nossa tarefa alcançarmos, assim como na educação, o primeiro lugar na Saúde”, completou.

Ele recomendou à equipe, que já está em treinamento no hospital, acompanhamento dos pacientes após deixarem a unidade, e que as famílias sejam atualizadas via internet sobre o quadro de saúde do familiar internado. “É uma conquista que vamos alcançar com o tempo; mas já adianto que todos os laudos médicos serão atualizados imediatamente em rede assim que inaugurarmos o Hugol. Desta forma, seremos mais ágeis e economizaremos papel”, informou.

A Fundação Instituto de Pesquisa e Estudos de Diagnóstico por imagem (FIDI) prestará atendimento 24 horas ao Hugol, atuando na manutenção de aparelhos e apresentação de diagnósticos. Presidente da Assembleia de Deus – ministério Campinas, pastor Oídes José do Carmo convocou os demais pastores para uma benção ao hospital, e avaliou, ao final da visita, que a unidade superou as melhores expectativas que havia nutrido. “Está perfeito. É gratificante ver um gestor público conseguir atender além do que a população espera”, afirmou.

Fonte: Goiás 247


Goiânia tem mais de R$ 1 bilhão em obras


São mais de R$ 1 bilhão investidos pelo Executivo municipal. Há implantação de asfalto, construção de unidades de Saúde e de Educação, entre outros benefícios

Nos últimos dias, o prefeito Paulo Garcia percorreu vários pontos de Goiânia para vistoriar o andamento das obras que são realizadas pela administração municipal. No total, há 56 grandes intervenções que são promovidas pela prefeitura, entre pavimentação asfáltica, construção de unidades de Saúde e de ensino.

“Não há outra cidade que esteja fazendo mais de R$ 1 bilhão em obras”, disse o prefeito, ressaltando o quanto o Executivo municipal tem investido na cidade. E tais recursos são aplicados no asfalto, que chega aos moradores de seis conjuntos habitacionais da prefeitura: os residenciais Jardins do Cerrado I, II, III e IV, além do Antônio Carlos Pires e Orlando de Morais. São mais de R$ 38 milhões destinados à pavimentação de 52,87 quilômetros de vias.

Esta é uma das áreas na qual a prefeitura atua. Há ainda obras que resultam em mais saúde para a população. Como a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Noroeste, no Jardim Curitiba, que recebe investimento de R$ 3,6 milhões em obras e mais R$ 1,2 milhões em equipamentos. Local poderá atender, diariamente, cerca de 450 pacientes e deve ficar pronta para funcionar em outubro.

Além da UPA Noroeste, a administração prevê construir também mais quatro UPA's nas regiões Sudoeste, Norte, Oeste e Leste. E as construções serão complementadas com as de ampliação e  adaptação para transformar em UPA os Cais Guanabara, Novo Mundo, Chácara do Governador, Jardim América e Novo Horizonte.

Para a Educação, a prefeitura executa as obras de nove Centro Municipais de Educação Infantil (Cmeis) que, juntos, ofertarão 1.500 novas vagas a crianças de zero a 5 anos e 11 meses. Goiânia já possui 295 unidade escolares e 116 delas foram reestruturadas na gestão de Paulo Garcia: “Foram mais de R$ 16 milhões investidos na melhoria física de 63 escolas e 53 Cmeis”, destacou.

E prova da atenção e compromisso do prefeito Paulo Garcia com a área educacional no município é o investimento de 29% dos recursos da cidade em Educação, sendo que a Constituição Federal exige que seja 25%. “Essas ações e esses números comprovam como a Educação tem prioridade em nosso governo”, afirmou o prefeito, lembrando do recente Plano Municipal de Educação, apresentado no início do mês: “O plano de educação é um projeto muito importante, que visa beneficiar o futuro da sociedade de forma ampla. Investimos em Educação para que as crianças de hoje tenham a oportunidade de um futuro melhor do que tiveram seus pais e seus avós”.

Monique Pacheco, da Diretoria de Jornalismo - Secretaria Municipal de Comunicação (Secom)

Fonte: Prefeitura de Goiânia


Fds chegou! 10 restaurantes de Goiânia que você precisa conhecer o mais rápido possível

Jornal Opção Online lista os lugares mais badalados da capital goiana para se comer, beber e apreciar o que há de melhor na cidade

A gastronomia em Goiânia evoluiu (e muito) nos últimos anos. Como a 12º cidade mais populosa do Brasil, a Capital do Cerrado oferece, hoje, inúmeras opções de restaurantes — que variam dos “granfinos” franceses ao tradicional pit dog de rua –, sem se esquecer de suas origens, prestigiadas em pratos típicos, como a pamonha, ou mesmo na própria cozinha goiana.

Com tamanha variedade, o Jornal Opção Online consultou especialistas na área e “comilões” para fazer uma (pequena) lista de restaurantes que estão bombando no momento. Nosso ranking não tem o objetivo de classificar/eleger os “melhores” da cidade e, sim, sugerir locais para que se possa saborear boa comida.

Bom apetite!

Íz Restaurante, por Ian Baiocchi


Comandado por um chef dispensa apresentações, o Íz abriu suas portas na semana passada, mas já causa um reboliço na cidade. Localizado no Setor Marista, o espaço foi idealizado para ocupar um espaço vago em Goiânia atualmente: o do restaurante completo, onde se come bem e com variedade.

Ian Baiocchi — que deixou a cozinha do Palácio das Esmeraldas para se dedicar ao restaurante — desenvolveu um menu enxuto: apenas 25 pratos, já contando com as sobremesas. No entanto, bem variado: galinha d’Angola, pato, cordeiro, entrecôte, pirarucu e lagostim compõem as criações do chef.

Endereço: Rua 1129, nº 146, Setor Marista.
Funcionamento: Almoço (ter-sex 11h30-15 horas; sábado e domingo 12 horas-16h30) e jantar (ter-qui 19h30-23h30, sexta e sábado 20 horas-00h30).
Telefone: (62) 3092-5177
$$$

Winiká


Charmoso, intimista e gostoso. Não tem como definir o Winiká de outra maneira. Um ano de casa e o restaurante parece continuar se reinventando. A cozinha, contemporânea, claro, surpreende com pratos que privilegiam ingredientes e temperos brasileiros (o próprio nome do espaço é indígena).

O Winiká avisa que o cardápio é sazonal, sofrendo alterações constantes, justamente porque faz questão de utilizar o que há de mais fresco da estação. Na parte fixa do menu, pratos com cortes de carne, galinha caipira e pato, peixes de rio, como o pirarucu ou o surubim, e massas artesanais. Peça o “peixe do dia”. Quem gosta de beber uns “gorós” deve experimentar as caipirinhas da casa.

Outro ponto que merece atenção é a tecnologia da cozinha do Winiká — que poucos restaurantes têm. Lá, trabalha-se com cozimento a baixa temperatura e uma técnica que é a nova tendência mundial: a sous vide — que é cozinhar “sob vácuo”, em sacolas plásticas seladas a vácuo em baixas temperaturas por um tempo maior que o tradicional. O objetivo da técnica é manter a integridade do alimento, evitando a perda de umidade e sabor.

Endereço: Av. T-13, n. 711, Lj 1, Ed. Santorini, Setor Bueno
Funcionamento: Almoço (ter-sex 12 horas-15h30); sábado e domingo (12 horas-17 horas) e jantar (ter-qui 19h30-meia noite, sexta e sábado 19h30-1 hora).
Telefone: (62) 4018-4680
$$$

Panela Mágica


O Panela Mágica é outro restaurante que dispensa apresentações: são quase 40 anos servindo um dos almoços mais cobiçados de Goiânia. Comandado pelos restauranteurs Caio e Alexandre Jardim, pai e filho mantêm a qualidade e reinventam o espaço — que recém abriu uma unidade nas proximidades do Jornal Opção, no Setor Marista. Figura na lista por se manter badalado mesmo após tantos anos de história, sem perder a juventude.

Ambas unidades, da Av. 137 e da Rua 13, têm ambiente aconchegante, simples e modesto — nada suntuoso, apenas tranquilidade. Os legumes são todos orgânicos e a cozinha privilegia a culinária saudável. O bufê é livre e conta com diferentes carnes todos os dias. O preço não é nada amigável, mas vale (muito) a pena.

Endereço: Rua 137, nº 120 e Rua 13, nº 773, ambos no Setor Marista
Funcionamento: Segunda a sexta, das 12 às 15 horas; sábados e domingo, 12 às 16 horas
Telefone: (62) 3945-4138 e (62) 3223-6604
$$$

Moony


Metade Montreal, medade Nova York. É assim que o Moony surgiu, como uma mistura entre as duas cidades cosmopolitas do hemisfério norte. E assim é o ambiente do restaurante: cosmopolita, moderno e descolado — impossível não pensar nos famosos galpões estadunidenses.

No quesito menu, as opções não são tantas, mas a comida é justa. De fato, a gastronomia não é nada de excepcional — principalmente se levado em conta os valores dos pratos –, mas os drinks… Ah! Os drinks são divinos. Quem gosta de um Clericot tradicional ou um famoso Aperol Spritz deve ir ao Moony. Dá para pedir a jarra e aproveitar com os amigos. Ou sozinho mesmo.

Endereço: Alameda Ricardo Paranhos, n. 928, Setor Marista
Funcionamento: Segunda, das 11h30 às 15 horas; terça a sexta, das 11h30 a 1 hora; sábado, das 12 às 2 horas; e domingo do meio-dia à 1 hora
Telefone: (62) 3624-9329
$$$

Los Compadres

Jantar no Los Compadres é muito mais que apenas um jantar. A Kombi no telhado avisa que as coisas ali dentro não são nada discretas. O ambiente, cheio de flores, cores fortes e decorativos típicos do México, é um show à parte. No entanto, o show mesmo acontece no palco do Los Compadres. À noite, o restaurante se transforma numa espécie de pub, e sedia apresentações de dança divertidas — que contam, inclusive com participação do público.

A música alta e a animação dos dançarinos não atrapalham em nada a saborear as delícias da casa. Com um cardápio extenso — destaque para os drinks –, é possível comer (bem) desde saladas até uma paella caprichada. O preço não é o mais camarada, mas vale cada “dilmeta” investida.

Endereço: Rua 139, n. 54, Setor Marista
Funcionamento: Almoço (aos sábados: 11h30-15 horas) e jantar (terça a domingo: 20 às 2 horas)
Telefone: (62) 9328-8800
$$$

Bartolomeu

O Bartolomeu poderia figurar nesta lista por um único motivo: o leitão à pururuca. Assado em fogo a lenha, a iguaria é considerada por muitos o melhor do Brasil. Sem exageros. Mas, não é só isso: a tradicional casa é famosa por outros pratos, como o risoto de cordeiro, as pizzas e o bacalhau. Tudo muito bem preparado, com ingredientes de alta qualidade — o que, inevitavelmente, reflete no valor.

O ambiente é intimista e conta com uma das maiores — senão a maior — adega de vinhos da capital.

Endereço: Rua 22, n. 69, Galeria Pátio 22, Setor Oeste
Funcionamento: Almoço (sábado e domingo: 11 às 16 horas) e jantar (terça, das 18 às 22 horas; quarta, das 19 horas às 22 horas; quinta, das 18 às 23 horas; sexta, das 18 à meia-noite; sábado, das 19 às 23 horas; e domingo, 18 às 21 horas)
Telefone: (62) 3215-4500
$$$

Las Nenas


Você precisa tomar o suco de coco do Las Nenas. Não que deva ir lá apenas para tomar o suco — mesmo porque o cardápio de almoço, além de preço justo, é extremamente gostoso –, mas também porque é um lugar como nenhum outro. Delicado e fofo, o restaurante é também um café e, durante o dia, serve lanches rápidos. À noite, a casa abre para o jantar com massas e risotos.

Como a própria chef, Carolina Borges, diz: “A intenção é cozinhar receitas, urbanas e saudáveis, que se tornaram difíceis de se encontrar”. No entanto, não vá pensando que a simplicidade tem a ver com comida de boteco.

A cozinha se intitula multicultural, com influências brasileira, italiana, espanhola, francesa e portenha. Mas, esqueça rótulos, conheça o lugar e saboreie as massas!

Endereço: Av. 136, n. 20, Setor Marista
Funcionamento: De segunda a quarta-feira: 8 às 18 horas; quinta e sexta: 8 às 23 horas; sábado (somente jantar): 19 às 23 horas
Telefone: (62) 3088-6070
$$

Restaurante Popular


Afetados, requintados e gourmetizados podem parar de ler por aqui. O Restaurante Popular — que não é o Restaurante Cidadão, do Governo de Goiás — não tem absolutamente nada de sofisticação. O espaço é extremamente informal, tanto que você se serve direto das panelas, enquanto a comida está sendo preparada. A chef não tem formação nenhuma: a paixão de Dona Lourdes Salomão Barreto é a cozinha, que comanda há nada mais nada menos que 37 anos.

Localizado no Centro de Goiânia, o restaurante oferece a verdadeira culinária goiana, com muitas opções para o almoço, a preço mais que justo: com vintão você come a vontade e tem direito a melhor sobremesa da cidade: ambrosia caseira. Só quem prova entende.

Não é raro ter que dividir os mesões com gente desconhecida. Mas tudo faz parte da experiência que é comer no Restaurante Popular.

Endereço: Rua 72, Centro
Funcionamento: De segunda a sábado, das 11 às 14 horas
Telefone: (62) 3224-6150
$

Abruzzo


Seguindo a linha de restaurantes simplões — mas não simplórios –, vale destacar o Abruzzo. Escolha quase unânime, o italiano chama atenção pela qualidade das massas — que são caseiras — e pelo preço justo. Destaque para o molho de tomate — que é feito com tomates frescos mesmo, nada industrializado.

Como é um local pequeno e já não é tão desconhecido assim, pode demorar um pouco mais que o usual, mas a cordialidade dos atendentes e a qualidade dos pratos compensam. Vá para comer massas. E vá com fome porque os pratos são muito bem servidos.

Endereço: 5ª Avenida, n. 397, Vila Nova
Funcionamento: Almoço (segunda a sexta: 11-14 horas) e jantar (terça a sábado: 18h30-23 horas)
Telefone: (62) 3565-1744
$

Tio Bákinas


Claro que, em se tratando de Goiânia, não poderíamos deixar de elencar um tradicional pit-dog. O Tio Bákinas foi escolhido como o grande sanduba da cidade. O hambúrguer caseiro, os molhos especiais e o preço camarada fazem do local um “must” para quem quer saborear a capital do Cerrado. São várias unidades pela cidade e, como todo pit-dog, não têm nada de requintado. Apenas comida de qualidade — mas para quem não está de dieta.

Endereço: São 9 unidades em Goiânia e uma em Anápolis
Funcionamento: todos os dias, das 18 à meia-noite
$


Goiânia, a capital dos veículos


Município é primeiro entre capitais brasileiras em índice de habitantes por carros, com 1,23. Carros formam filas na Avenida 136, no Setor Marista: especialistas apontam falta de regulamentação no trânsito

O trânsito de Goiânia é como uma sala já superlotada que a cada dia, nestes últimos doze meses, recebeu mais 81 veículos, chegando a 1,14 milhão de automotores registrados. A relação é de que existe hoje 1,23 habitante por veículo, número que a torna a primeira entre as capitais brasileiras, passando à frente de Curitiba (PR), com 1,32, em maio deste ano.

Em relação apenas a automóveis, a capital é a quarta do Brasil, mesma colocação em relação às motos. Isso ocorre mesmo com a desaceleração do crescimento da frota. Em 2014, eram registrados 220 veículos por dia em Goiânia. A redução ocasionada pela crise econômica e pelo desincentivo fiscal, no entanto, não melhorou o tráfego.

O diretor de automóveis do Sindicato dos Concessionários e Distribuidores de Veículos de Goiás (Sincodive-GO), Orlando Júnior, explica que a desaceleração na venda de veículos novos em Goiânia de fato ocorreu pela junção do fim da redução do Imposto Sobre Produtos Industrializados (IPI) em dezembro de 2014 com a atual recessão econômica. No entanto, isso tem reflexo apenas no mercado de veículos e não chega às ruas porque as pessoas não deixaram de usar os automóveis.

Orlando Júnior acredita que se trata de uma mudança de comportamento na hora de trocar de veículos. Com a crise econômica, as pessoas deixam de comprar carros novos e ficam mais um período com o veículo antigo ou preferem adquirir outro, seminovo. O resultado é que a frota fica mais antiga. Segundo o Detran-GO, atualmente ela tem mais carros dos anos de 2011 e 2012.

Para a engenheira civil especialista em Trânsito, Erika Cristine Kneib, há uma diferença entre posse e uso de carros. “No Brasil existe esse reflexo entre número de carros e trânsito porque não há racionalização no uso”, diz. Segundo ela, locais com alto número de carros e excelente índice de mobilidade conseguem esse resultado ao organizar o tráfego e ao usar os veículos particulares como financiadores do transporte coletivo.

“Há iniciativas como a cobrança dos estacionamentos e os pedágios urbanos. É possível ter um trânsito sem congestionamentos mesmo com esse número de carros”, diz. A posição é a mesma do professor de Engenharia de Trânsito do Instituto Federal de Goiás (IFG), Marcos Rothen, que considera o trânsito de Goiânia caótico pela falta de regulamentação.

A explicação de Rothen é que há falhas na fiscalização, em que motoristas sabem que podem cometer irregularidades sem a devida punição. “São Paulo é congestionado pelo número de veículos, mas é organizado, todos em filas. Aqui é o caos”, argumenta.

Kneib diz que o problema de mobilidade seria solucionado se houvesse desincentivo ao uso do veículo ou mesmo proibição para usá-lo em algumas áreas ou horários e dias. Ao mesmo tempo, é necessário incentivar o transporte coletivo, melhorando sua qualidade e conforto para que as pessoas se tornem usuárias.

Fonte: Jornal O Popular

Ônibus vão circular diariamente por 24 horas para atender romaria do Divino Pai Eterno


Operação especial do transporte coletivo se inicia no dia 26 de junho e segue até 5 julho, data de encerramento do evento. O atendimento acontecerá entre os terminais Padre Pelágio e Trindade, via Eixo Anhanguera

O transporte coletivo vai circular 24 horas por dia entre Goiânia e Trindade durante a romaria do Divino Pai Eterno, que se inicia na próxima sexta-feira, 26. A operação especial acontecerá por dez dias para atender aos visitantes da tradicional festa de Louvor ao Divino Pai Eterno, considerada a maior da região Centro-Oeste.

Até o dia 5 de julho, as viagens serão realizadas pelos ônibus articulados do Eixo Anhanguera, que vão sair do Terminal Padre Pelágio, em Goiânia, seguindo até o Terminal de Trindade, a 25 quilômetros da Capital. O presidente da Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC), Murilo Guimarães Ulhôa, diz que a frota operacional também foi ampliada para garantir mais conforto e comodidade às pessoas que optarem pelo transporte coletivo. No período do evento, 50 ônibus articulados vão atender prioritariamente a cidade de Trindade.

Segundo o presidente da CMTC, o intervalo das viagens, que em dias normais é de oito em oito minutos, também foi alterado para dar mais agilidade aos romeiros. Na operação especial, os ônibus do Eixo Anhanguera vão sair dos terminais – Padre Pelágio e Trindade – com intervalos flexíveis, que podem chegar a um minuto. “Dessa forma, a largada dos veículos acontecerá de acordo com a chegada dos passageiros nas plataformas de embarque dos dois terminais”, afirma Ulhôa.

O diretor técnico da CMTC, Sávio Afonso, explica que a operação especial foi elaborada, em parceria com a Metrobus e Consórcio RMTC, em função do elevado números de pessoas que são atraídas à Capital e Trindade devido à grandiosidade da romaria. No ano passado, o evento religioso recebeu cerca de 2,5 milhões de visitantes.

O prefeito de Goiânia, Paulo Garcia, que também é o atual presidente da Câmara Deliberativa de Transportes Coletivos (CDTC), afirma que quem optar pelo transporte coletivo terá um bom atendimento. Segundo ele, a orientação é dar total atenção aos visitantes de Trindade, que promove uma das maiores romarias do País e colabora para manter vivas as manifestações religiosas e culturais do povo goiano.

No último final de semana da romaria, dias 4 e 5 de julho, quando a concentração de pessoas tende a ser maior, a frota operacional do transporte coletivo terá o reforço de 30 ônibus convencionais, que serão cedidos pelo Consórcio RMTC para a operação no Eixo Anhanguera. Os veículos, que vão complementar os serviços prestados pela frota da Metrobus, serão utilizados de acordo com a demanda apresentada nestes dias tanto para a ida a Trindade quanto o retorno à Capital.

A venda dos bilhetes Sitpass e as recargas dos cartões Integração e Fácil também serão reforçadas nos terminais. O diretor técnico da CMTC, Sávio Afonso, orienta a população a adquirir o bilhete Sitpass ou realizar a recarga dos cartões Fácil e Integração com antecedência para facilitar a viagem.

Por Lourdes Souza, da editoria de Transporte - Secretaria Municipal de Comunicação (Secom)

Fonte: Prefeitura de Goiânia


Governo negocia com Goiânia e BH por Universíada


O governo federal tem até o próximo dia 29 para resolver um impasse de mais de R$ 1 bilhão: em que cidade brasileira vai acontecer a edição de 2019 da Universíada, que deve reunir mais de 12 mil atletas universitários de todo o mundo.

Goiânia e Belo Horizonte são as duas principais candidatas, mas os respectivos governos estaduais querem que o governo federal se responsabilize pela maior parte do custo do evento, menor apenas que a Copa do Mundo e a Olimpíada.

A Universíada de 2019 deveria ser realizada em Brasília, mas, antes mesmo de assumir como governador do Distrito Federal, no início do ano, Rodrigo Rollemberg (PSB) comunicou a desistência à Federação Internacional de Esporte Universitário (FISU). Alegou que o Distrito Federal não tinha como arcar com os custos de organização do evento, estimados em R$ 1,2 bilhão.

Empossado em janeiro como ministro do Esporte, George Hilton (PRB) quer a manutenção da Universíada no Brasil, mas sua pasta não tem recursos para pagar a conta.

Em viagens pelo País no primeiro semestre, pediu apoio de governos estaduais. Ouviu "não" de Geraldo Alckmin (PSDB), em São Paulo, e não recebeu o apoio esperado de Luiz Fernando Pezão (PMDB), no Rio de Janeiro, vendo-se obrigado a descartar os planos A e B.

A FISU chegou a reabrir o processo de escolha da sede, mas não teria recebido interessados - com apoio formal de Dilma, Brasília foi candidata única em 2013, depois que Baku (Azerbaijão) desistiu do pleito.

Assim, deu prazo até o fim do primeiro semestre para o Brasil apresentar um novo projeto. A Universíada de Gwangju (Coreia do Sul) começa no próximo dia 3 e, na véspera, o Comitê Executivo da FISU decide se aprova o plano que será apresentado pelo País.

Nos próximos dias, os governadores de Minas Gerais (Fernando Pimentel, do PT) e de Goiás (Marconi Perillo, do PSDB) podem se reunir com o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante (PT), para tratar do assunto. Ambos trabalham com previsão de que o "master plan" de Brasília, de R$ 1,2 bilhão, será reduzido. Os dois Estados, entretanto, querem que o governo federal se comprometa a pagar uma fatia maior do que os 60% propostos a Brasília.

Minas Gerais já antecipou que não pode ficar com 40% dos custos. Segundo o secretário de Esporte do Estado, Carlos Henrique (PRB), foi George Hilton, também do PRB mineiro, quem procurou o Estado, há três meses. Por isso, alega, o governo federal deve ficar com a maior fatia de responsabilidades.

"É interesse muito mais do ponto de vista federal, então cabe ao governo federal se posicionar. Ainda não falamos de porcentagem", garantiu. Ele espera o Ministério do Esporte tomar a iniciativa de convocar Minas para uma reunião com Mercadante.

Já Marconi Perillo iniciou as tratativas da Universíada quando George Hilton foi a Goiânia para inauguração de um Centro de Excelência, há menos de um mês. Desde então, a cidade já recebeu comitivas do Ministério do Esporte, da FISU e da Confederação Brasileira de Desportos Universitários (CBDU).

O governador de Goiás agendou reunião com Mercadante nos próximos dias, mas quer ser recebido também pela presidente Dilma para falar de valores.

"O governador já disse que da parte de Goiás ele topa, mas tem que ter uma conversa com a presidente Dilma", contou Junior Vieira (PSDB), superintendente de Esportes de Goiás.

Custos

Diferente do COI com a Olimpíada e da Fifa com a Copa do Mundo, a FISU não participa da organização da Universíada.

A entidade firma um contrato com o comitê organizador, que fica responsável por todos os custos - e também pelas receitas. Mesmo assim, a engenharia financeira é complexa.

Belo Horizonte e Goiânia alegam que não precisariam construir novas praças esportivas, apenas reformar e adaptar as já existentes.

A capital goiana vai inaugurar um novo aeroporto em novembro, enquanto que a capital mineira recebeu obras de infraestrutura para a Copa do Mundo.

Assim, o principal custo está relacionado à Vila Olímpica.

Na Universíada, assim como nos Jogos Pan-Americanos e na Olimpíada, atletas e técnicos ficam hospedados em uma Vila Olímpica. Brasília prometeu construir uma com 2.496 apartamentos, com capacidade de receber 12 mil atletas, e a cidade escolhida para substituí-la precisa honrar esse compromisso.

O projeto, tanto de Minas quanto de Goiás, é construir a Vila Olímpica por meio de uma Parceria Público Privada (PPP).

Os governos estaduais querem que a Caixa Econômica Federal se comprometa a financiar a obra.

No Rio, para os Jogos Olímpicos, o consórcio Rio Mais precisou tocar a obra da Vila com recursos próprios entre outubro de 2013 e maio passado. O financiamento de R$ 1,39 bilhão só saiu no último dia 2.

A reportagem procurou o Ministério do Esporte, que vai esperar a reunião entre Perillo e Mercadante para se posicionar sobre o futuro da Universíada.

A pasta não descarta, entretanto, que o Brasil precise abrir mão da organização do megaevento.

Fonte: Exame


14 de junho de 2015

Parklets: Projeto deve ir para bairros populares


Parklets são áreas contíguas às calçadas, onde são construídas estruturas a fim de criar espaços de lazer e convívio onde anteriormente havia vagas de estacionamento de carros.

A arquiteta Carol Farias explica que os três parklets já instalados em Goiânia estão no Setor Marista, um bairro nobre, por decisão das empresas patrocinadoras, mas que há o interesse de levar o equipamento a locais onde há maior presença de pedestres. Ela cita bairros como o Centro e Campinas.

Há uma iniciativa de realizar um financiamento coletivo para a instalação de vários parklets na região central da cidade. Ainda não há definição de como seriam os projetos e nem suas localizações, mas a ideia é que sejam parklets menores, do tamanho de uma vaga para estacionamento.

Essa ocupação, no entanto, tem sido a principal crítica aos parklets, pois motoristas reclamam da dificuldade em encontrar vagas na capital. Nesse caso, a instalação da Avenida 136 já foi alvo de reclamações. Enquanto OPOPULAR esteve no local, ontem, vários condutores reclamavam da localização pela falta de estacionamento. (VA)

Ideia nasceu nos Estados Unidos

O primeiro parklet de Goiânia foi instalado na pequena Rua Mario Bittar, no Setor Marista, em maio.

O ambiente junto à calçada, com bancos, vasos de plantas e iluminação tem ainda uma placa com o texto “Você é dono do carro, não da rua”. Em sua montagem foi usado material que pode ser reutilizado, como pallet e madeira de reflorestamento.

Origem

O nome parklet é um neologismo em inglês criado a partir de trocadilho envolvendo as palavras parking, que significa estacionar, e parks, o mesmo que parques.

A ideia, que nasceu em São Francisco, nos Estados Unidos, é justamente a de abrir espaços de convivência e interação entre as pessoas em locais utilizados como estacionamento de veículos.

De acordo com o decreto que regulamenta esses ambientes, eles devem ser construídos e geridos pela iniciativa privada, mas têm de ser abertos a toda população. É a Secretaria Municipal de Turismo, Esporte e Lazer (Setel) que aprova e autoriza sua instalação, que pode permanecer no local por três anos.

Fonte: Jornal O Popular