28 de maio de 2015

Paulo Garcia garante recursos de R$ 44,6 milhões para investimentos em saúde


Hospital e Maternidade Oeste será construído no setor Vera Cruz I

O prefeito de Goiânia, Paulo Garcia, garantiu, em reunião com a secretária executiva do Ministério da Saúde (MS), Ana Paula Menezes, na manhã desta terça-feira, 26, em Brasília (DF), o repasse de R$ 44,6 milhões para investimentos em saúde na capital goiana. Desse valor, R$ 39,9 milhões são para construção da unidade, que será a maior unidade referência em atendimento humanizado do Centro-Oeste, o Hospital e Maternidade Oeste, além da liberação do valor de R$ 4,7 milhões para ações de combate à dengue na cidade.

À secretária executiva do MS, o prefeito Paulo Garcia explicou sobre a necessidade de ampliar o numero de leitos na Capital. "Hoje, mais de 35% de atendimento em Goiânia são de usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) de outras cidades do Estado de Goiás, a maioria da Região Metropolitana de Goiânia (RMG)". Ele lembrou ainda que tem investido até 26% dos recursos do município em saúde, enquanto a Constituição Federal determina 15%. "Não temos poupado esforços para garantir um bom atendimento às pessoas que procuram as unidades de saúde de nossa responsabilidade", disse.

Especificamente sobre o Hospital e Maternidade Oeste, Paulo Garcia lembrou que a unidade será construída aos moldes do Hospital e Maternidade Dona Iris (HMDI) que, com quase três anos de reaberto, realiza - em média - 450 partos por mês, totalizando mais nove mil partos desde a inauguração. "Uma nova maternidade vai auxiliar de fato no atendimento das goianienses, bem como das mulheres da Região Metropolitana de Goiânia e vai, inclusive, desafogar o atendimento do Hospital Materno Infantil", enfatizou. Para o HMDI, a secretária Ana Paula Menezes solicitou que fosse encaminhado ofício pedindo, por parte do MS, o custeio parcial para manutenção do atendimento da instituição.

Para a construção da nova unidade, que contará com 47 leitos obstétricos de risco habitual, 15 leitos de gestão de alto risco, 23 leitos de ginecologia, 31 leitos pediátricos, cinco leitos de berçário de sadios, 15 leitos de parto normal, 17 leitos de emergência, dez leitos de UTI neonatal e 15 leitos de Unidades de Cuidados Intermediários Neonatais (UCI), o valor estimado será de aproximadamente R$ 48 milhões e o município arcará com o valor de R$, 8,1 milhões. Segundo a secretária Ana Paula Menezes, o repasse será feito conforme os empenhos realizados pela administração municipal. "O repasse está garantindo e Goiânia terá mais um reforço no atendimento à saúde", frisou a secretária.

Conforme a ordem de serviço, que poderá ser assinada em breve, para o atendimento na unidade que será construída no Conjunto Vera Cruz I, localizado na Região Oeste de Goiânia, o hospital contará com serviços próprios de radiodiagnóstico 24 horas, ultrassonografia com ecografia e doppler, laboratório de análises clínicas e eletrocardiograma. Os serviços de apoio logístico também serão integrados à unidade, bem como serviço de higienização e limpeza, de nutrição e alimentação e Central de Processamento de Roupas, dentre outros. "Com a inauguração do Hospital e Maternidade Oeste, 100% dos partos realizados pelo SUS em Goiânia serão feitos em unidades públicas". Paulo Garcia concluiu que não haverá mais a necessidade de partos serem realizados em unidades particulares conveniadas.

Dengue
A epidemia de dengue, vivenciada pela capital goiana nos últimos meses, também foi tema de pauta da reunião no Ministério da Saúde. Paulo Garcia disse que as ações rotineiras têm sido realizadas e que muito tem sido feito na tentativa de minimizar o impacto existente atualmente na cidade. "Além das ações de conscientização, promovemos semanalmente frentes de serviços nos locais onde estão sendo confirmados a maior quantidade de casos de dengue". O prefeito disse que o apoio do Ministério da Saúde é primordial nesse momento de epidemia que Goiânia vive.

Diante das informações, por intermédio da Secretaria Executiva, o MS - preocupado com a atual situação endêmica - liberou à Secretaria Municipal de Saúde (SMS), em caráter de emergência, o valor de R$ 4,7 milhões para ações de combate à doença na cidade, que já registrou pouco mais de 50 mil casos.

Para a reunião com a secretária executiva do MS, o prefeito Paulo Garcia foi acompanhado pela primeira-dama do município, Tereza Beiler; do secretário municipal de Saúde, Fernando Machado; e do coordenador geral das Unidades Executoras de Projetos, Nelcivone Soares de Melo.

Fonte: Secretária Municipal de Goiânia