29 de maio de 2015

Paulo Garcia defende construção do EuroPark: “É um engano ser contra adensamentos verticais”


4 mil pessoas: Se construídas, torres do Europark podem superar população de 80 cidades goianas. Prefeito de Goiânia garante que abriu sindicância para avaliar denúncias contra o empreendimento, mas, até agora, “não há nada ilícito”

Em entrevista ao Jornal Opção, o prefeito Paulo Garcia (PT) saiu em defesa da construção do EuroPark — empreendimento da EuroAmérica a ser edificado no Park Lozandes. De acordo com o petista, um levantamento inicial feito pela Prefeitura mostra que não há ilícito no projeto. “Tudo está sendo avaliado a partir de uma sindicância aberta pela Controladoria Geral do Município, mas não detectamos nada que não seja idôneo até agora”, afiançou.

Após a polêmica envolvendo a construtora e a Câmara dos Vereadores de Goiânia, que denunciou supostas fraudes no Plano Diretor, aprovado em 2007, para beneficiar o empreendimento  — de nove torres e mais de mil apartamentos –, o prefeito determinou que fossem levantados dados sobre o caso.

“Todo esse processo antecede minha gestão, mas isso não significa que a tramitação processual possa ter ocorrido durante meu mandato. De qualquer forma, quando o Plano Diretor foi aprovado havia uma necessidade real de se criar um espaço de tempo para acomodação e de tramitação dos processos que já estavam em andamento antes da nova legislação”, explica Paulo Garcia.

Segundo o prefeito, o Plano Diretor de 2007 não foi criado para “penalizar o município”. “Me parece, inclusive, que todo esse processo foi motivo de avaliação da Câmara, votado e aprovado à época”.

Questionado sobre sua opinião pessoal sobre a viabilidade da construção e dos impactos à região, Paulo Garcia avalia o EuroPark como “viável”: “É um grande engano as pessoas se posicionarem contra o adensamento vertical”. Para ele, tais empreendimentos ao longo de vias expressas ou complexos viários — como a BR-153 —  formados por vias arteriais, são positivos.

Fonte: Jornal Opção