15 de março de 2015

Protesto leva 60 mil às ruas de Goiânia, diz PM






Uma multidão tomou as ruas centrais de Goiânia, na tarde deste domingo (15), para protestar contra a presidente Dilma Rousseff. De acordo com estimativa da Polícia Militar feita no fim desta tarde, 60 mil pessoas participaram do ato organizado pelo Movimento Brasil Livre-GO, liderado por empresários e profissionais liberais. O protesto foi agendado na rede social Facebook em todo o País.  Os atos contra o governo da presidente Dilma Rousseff ocorreram em 22 Estados e no Distrito Federal. Segundo a PM de São Paulo, cerca de 1 milhão de pessoas participaram do protesto na Avenida Paulista. No Rio, a policia falou em 25 mil pessoas.

A Praça Tamandaré foi ponto de encontro dos manifestantes para o protesto. Por volta das 10h30 da manhã, o local já registrava uma grande movimentação de manifestantes munidos de cartazes com frases de protestos e vestidos a caráter, com bandeiras e camisetas. "Vamos passar o Brasil a limpo", dizia uma das faixas.

Muitos levaram toda a família. Motoristas simpáticos à manifestação demonstram apoio com buzinaço. Um carro de som acompanhou toda a manifestação, exclamando palavras de ordem ao presentes. "Quem não pula é petista", dizia a mensagem, repetida pelos participantes.

Por volta das 14 horas, início previsto para a mobilização, a Polícia Militar já apontava a presença de aproximadamente duas mil pessoas.  Às 15 horas, os manifestantes começaram uma caminhada partindo da Praça Tamandaré, passando pela Avenida 85 até a sede da Polícia Federal. Lá, houve a "prisão simbólica" da presidente Dilma Rousseff.

Também foi grande a adesão de empresários. Representantes do Fórum Empresarial se concentraram na Rua 29, de ondem partiram para se juntar aos manifestantes. "O governo não fez o dever de casa. Não investiu na produção industrial nos últimos anos", declarou o empresário Alexandre Costa. A presidente da Acieg, Helenir Queiroz, esteve presente no carro de som.

Segundo um dos organizadores do protesto em Goiânia, Sílvio Antônio Fernandes, a manifestação é um primeiro passo para mobilização. "Precisamos mostrar para a classe política o nosso descontentamento para que eles também possam se sensibilizar", declarou.

No local, o movimento instalou um guichê improvisado para coleta de assinaturas. "Encaminharemos as assinaturas para Brasília. Vamos continuar agindo para mudar a forma de pensar também do cidadão. É preciso participar, independentemente da idade ou classe social", completou Sílvio.

Conforme a expectativa, a manifestação foi pacífica, sem maiores incidentes. A empresa de segurança privada Escudo Vigilância foi contratada pela organização para proteger os manifestantes.

Comissão organizadora

A organização da manifestação deste domingo em Goiânia tem a participação de vários integrantes. São eles:

1) Pedro Marçal , médico
2) Murilo Rezende, economista e professor universitário
3) Paulo Adelar, dentista e empresário
4) Ana Carla Maia, advogada
5) Ana Gabriela Maia, estudante de medicina
6) Viviane Oliveira, universitária
7) Arthur Otto, engenheiro nuclear
8) Ronaldo Zardini, funcionário público aposentado (Vice-presidente nacional do Movimento Caras Pintadas)
9) Jussana Vidica, odontóloga
10) Ana Lúcia Araújo, artista plástica
11) Amanda Feitosa, professora
12) Márcio Novaes, engenheiro de telecomunicações
13) Tiago Rassi, médico
14) Bruno Diniz, médico
15) Alexandre Seltz, professor de história
16) Wanderson Brasil, sommelier
17) Alexandre Seltz, professor

Fonte: Jornal O Popular