17 de março de 2015

Aeroporto está pronto, mas não pode funcionar


O novo terminal de passageiros do Aeroporto Santa Genoveva está praticamente pronto, faltando 11,6% para termina-lo. Apesar de estar dentro do praz previsto - março de 2015-, a obra não poderá ser concluída e muito menos entregue por causa da demora do governo federal em liberar os recursos para as obras de infraestrutura do entorno do novo terminal, estimados em R$ 200 milhões. Mesmo com a liberação da verba, ainda precisaria esperar pelo menos mais um ano para esse novo serviço e então concluir o novo terminal - ainda faltam intervenções de acabamento nas pistas e pontes de embarque. Até lá, o prédio fica sem utilização.

A Infraero informou por e-mail que, além da alocação dos recursos, precisa da assinatura do termo aditivo para que possam ser realizadas intervenções na pista de taxiamento, pátio de aeronaves, estacionamento de veículos e sistema viário de acesso. O objetivo inicial da Infraero era entregar as duas obras - novo terminal de passageiros e infraestrutura - até esse mês. Com essa demora, um novo cronograma dos trabalhos será definido oportunamente, segundo a Infraero.

O Tribunal de Contas da União (TCU) realizou, em 26 de novembro do ano passado, acórdão que permitia a Infraero dar continuidade às obras de infraestrutura de suporte para o novo terminal.

Após a liberação dos recursos, ainda precisa ser marcada uma data para a ordem de serviço. Então seriam necessários, pelo cronograma anterior, mais 12 meses para a conclusão das obras na pista de taxiamento e nos outros setores. De acordo com a Infraero, esse trabalho é necessário para que haja suporte para atender a demanda no novo terminal, que tem capacidade prevista para receber até 9,8 milhões de passageiros por ano.

Faz uma década desde que as obras do novo terminal foram iniciadas. Elas foram interrompidas em 2007 por determinação do TCU, que apontava superfaturamento no serviço, e só retomadas em 2013.

Prejuízos

O novo atraso pode representar prejuízo para o passageiro. O número de pessoas que usam o transporte aéreo em Goiás, assim como no país, vem crescendo. A Infraero aponta que o número de passageiros que pousou ou decolou da Capital apenas em janeiro desse ano representa quase 10% do total do ano passado.

Caso a tendência seja a mesma nos meses seguintes, o ano pode fechar com números recordes. Apenas em janeiro de 2015, quase 300 mil passageiros passaram pelo terminal em 4.9 mil voos. Em todo o ano de 2014, 65,6 mil pousos e decolagens foram registrados. Nesses voos, 3,3 milhões passageiros foram ou chegaram de viagem pelo terminal de Goiânia.

A Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) informou que as empresas que operam no terminal só elaboram novas planilhas de voos após a autorização da Infraero que, por sua vez, só repassará a permissão após a conclusão de todas as etapas da obra.

Procuradas, as duas maiores operadoras de voos na Capital, TAM e a GOL informaram que a construção do novo aeroporto não interfere nas operações já realizadas, mas que certamente deverão ampliar as ações envolvendo Goiânia assim que possível.
Wildes Barbosa


Novo terminal de passageiros está praticamente pronto, mas depende de obras no entorno para ser liberado: demanda cresce sem que prédio possa ser utilizado por mais de um ano

Liberação de verba depende do Congresso




As obras de infraestrutura do Aeroporto Santa Genoveva ainda não tem prazo para serem entregues à população. O Ministério do Planejamento informou que os ajustes financeiros para reduzir a inflação anunciados pela presidente Dilma Rousseff não vão interferir nos investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

A construção do novo aeroporto de Goiânia faz parte desse programa. O valor de repasse para as obras, que ainda deverão custar R$ 200 milhões aos cofres da União, ainda precisam ser votadas e aprovadas no Congresso Nacional, o que também segue sem previsão.

Fonte: Jornal O Popular