10 de fevereiro de 2015

Candidato denuncia irregularidades em concurso público em Goiás


O servidor público Flávio Coutinho denuncia irregularidades durante a realização do concurso público para preenchimento de vagas na Polícia Técnico-Científica de Goiás. As provas foram aplicadas no domingo (8). Segundo o candidato, os problemas já tiveram início antes mesmo do começo da avaliação.

“Procurei meu nome na lista de candidatos e não estava. Perguntei para o fiscal e ele não sabia informar”, conta. Além disso, ele relata que a embalagem contendo as provas estava aberta ao chegar à sala. “Quando chegou o caderno de provas, ele estava com a parte inferior dele aberta. O fiscal, quando foi fazer a conferência e abrir, nos alertou”, afirma.

O candidato alega que ele e outros concorrentes pediram a presença de autoridade policial para fazer uma perícia para constatar ou descartar alguma irregularidade, mas o pedido foi negado. Ele também questiona a falta de identificação no caderno de provas. Segundo Flávio, a falta de nome, número de inscrição e da sala de aula no documento dificulta a fiscalização.

O servidor público também relata que a avaliação teve início com quase uma hora de atraso. Ele afirma que a coordenação do certame permitiu a saída dos candidatos para procurar a polícia e registrar boletim de ocorrência, mas quem optasse por isso também perderia o direito a realizar a prova. “A gente sentiu como se estivesse sido coagido a não se manifestar”, afirma Flávio.

Segundo a Secretaria de Gestão e Planejamento (Segplan), o concurso público somou 56.307 inscritos que concorriam a 460 vagas para perito criminal, auxiliar de autópsia e médico legista.

A Segplan afirma que foram cumpridos todos os critérios necessários para realização de concurso público e até então não recebeu nenhuma denúncia sobre irregularidades, mas vai tomar as medidas necessárias para apurar os fatos.

Fonte: G1 Goiás