25 de janeiro de 2015

Projeto quer transformar cemitério em atração turística de Goiânia


Para consultor, local traz a história da cidade e de GO: 'Museu a céu aberto'. Estão enterrados no local personalidades, famosos e pioneiros da capital.

A Associação das Funerárias de Goiás (Aefego) quer transformar o Cemitério de Nossa Senhora de Santana, no Setor Campinas, em atração turística de Goiânia.  O órgão defende que a história do local, que completa 75 anos de fundação em novembro, integra a da capital e a do estado. “É um museu a céu aberto”, defende o consultor do projeto, Leandro Pires.

Com estilo Art Decó, o cemitério tem jazigos ricos em detalhes, imponentes e com esculturas em bronze. Estão enterradas ali pessoas que nasceram ainda no século XIX, pioneiros da capital e personalidades. “O intuito do projeto é valorizar aquelas pessoas que estão aqui sepultadas, as famílias dessas pessoas, e, por meio dessa valorização, contar a história da cidade, do estado”, diz o consultor.

Entre os corpos sepultados no local está o do fundador de Goiânia, Pedro Ludovico Teixeira. Também há o jazigo do Coronel Popota, que fez sucesso na década de 60 na TV Anhanguera, afiliada da Rede Globo.

O primeiro túmulo do Padre Pelágio Sauter, reconhecido como venerável pelo Papa Francisco, também foi instalado no cemitério. Atualmente, a ossada está na igreja construída em homenagem a ele, em Trindade, na Região Metropolitana.

Para o secretário geral da associação, Omar Layunta, mudar a forma como o cemitério é visto pode ajudar os goianos a aceitarem melhor a morte. “É desmistificar o funeral como sendo o fim, trazer a sociedade para mais perto de um acontecimento que é natural, que é a morte, no sentido de promover a cultura, a arte, a história, principalmente a história, que é o que está mais ligado a nós”, afirma Layunta.

O auxiliar de limpeza Silvano Almeida aprovou o projeto. Ele se diz um admirador do cemitério. “Vale a pena ser um espaço para visitação, acho que a pessoa tem que acabar com o medo de vir ao cemitério, olha que lugar bonito, aqui eu sinto paz”, diz.

O cemitério deve passar por reforma para receber visitantes. As obras precisam ser aprovadas pelo patrimônio histórico do município e serão realizadas com parcerias. A previsão é de que a restauração inicie até novembro, mês em que o local completa 75 anos de fundação.

Fonte: G1 Goiás