31 de dezembro de 2014

Retrospectiva 2014: Aconteceu em Goiânia


Confira a retrospectiva com os fatos mais importantes que marcaram o ano que está acabando

Mais um ano está acabando e muitos acontecimentos marcaram os goianienses. O ano de 2014 foi repleto de greves, manifestações, denúncias, conquistas, entre outras coisas. Relembre os principais fatos que aconteceram em Goiânia e Região Metropolitana em uma retrospectiva.

janeiro

 No dia 28 do primeiro mês do ano servidores administrativos da Secretaria Municipal de Educação de Aparecida de Goiânia paralisaram os trabalhos. A greve foi feita por merendeiras, auxiliares de limpeza e assistentes das secretarias das escolas que reivindicavam melhorias nos salários e na criação de um plano de carreira.

 No dia 7 de fevereiro o Tribunal de Justiça de Goiás expediu liminar que exigia a suspensão da greve. A paralisação deixou cerca de 35 mil alunos da rede pública de ensino estudando em condições incertas. No dia 14 de fevereiro os grevistas decidiram suspender a greve.

fevereiro

 Após várias manifestações estudantis exigindo a implantação do Passe Livre Estudantil, o governo de Goiás anunciou no dia 19 a liberação do benefício para mais 17 cidades da Região Metropolitana de Goiânia. O projeto saiu do papel após um longo impasse entre prefeitura e governo. Mesmo com os cadastros feitos, o governador Marconi Perillo sancionou a lei do Passe Livre no mês de maio, quando os estudantes começaram a usufruir do mesmo.

março

 O mês trouxe uma grande surpresa e preocupação aos goianienses. Em um ranking feito pela ONG mexicana Conselho Cidadão para Segurança Pública e Justiça Penal, Goiânia apareceu como a 28ª cidade mais violenta do mundo. Os índices que saíram desde o primeiro mês do ano não desmentiam a situação, os números de assassinatos surpreendiam a cada mês de 2014.

 Uma lista divulgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) mostrou que a Companhia Energética de Goiás Distribuição (Celg-D) apresentou o pior serviço de distribuição de energia no ano anterior. A empresa enfrentou várias críticas e problemas durante ano de 2014.

 Desde o começo do ano moradores de algumas regiões de Goiânia reclamaram da falta de recolhimento de lixo. No mês de março a situação piorou e grande parte da Capital sofreu com a situação. A Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg) afirmou que o problema foi gerado por conta do fim do contrato com a empresa responsável pelo fornecimento de veículos que faziam o recolhimento do lixo. Em abril, um novo convênio foi feito com o intuito de melhorar o serviço.

abril

 Uma nova norma da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) fez com que o fornecimento de petróleo na Capital fosse prejudicado. Os caminhoneiros começaram a reclamar na demora do abastecimento e o problema gerou desconforto e prejuízos para profissionais e condutores de Goiânia.

maio

 Depois de várias manifestações que estouraram na Capital por conta do aumento na passagem de ônibus que seriam implantado em 2013, no dia 3 de maio a passagem sofreu um aumento de R$ 0,10. O aumento para R$ 2,80 deixou usuários do transporte coletivo insatisfeitos. Por conta da nova tarifa, algumas manifestações começaram a estourar contra o aumento e as más condições do transporte. No dia 8, manifestantes atearam fogo em um ônibus do Eixo Anhanguera nas proximidades do Terminal Praça da Bíblia. Policiais militares, a Tropa de Choque e a Cavalaria foram acionadas para conter a confusão.

 Uma paralisação dos motoristas do transporte coletivo pegaram muitos usuários de surpresa e gerou um grande caos na cidade. A categoria optou pela greve como forma de reivindicar por um aumento salarial. Muitas pessoas inconformadas com a situação deram início a várias manifestações em terminais da Grande Goiânia.

 No dia 29, os professores da rede pública fizeram uma grande manifestação. A greve teve fim apenas no mês de julho e a categoria chegou a acampar por várias semanas na Câmara dos Vereadores. Os grevistas deixaram o local no dia 4 de julho após 24 dias de ocupação.

 Foi neste mês também que a Universidade Federal de Goiás (UFG) aprovou o Sistema de Seleção Unificada (Sisu) como processo seletivo para o ingresso em um curso superior da instituição. A decisão começou a valer ainda neste ano para os alunos que tentaram uma vaga na universidade para o primeiro semestre de 2015.

junho

 Após passarem um mês de greve, os Guarda Civis Metropolitanos de Goiânia aceitaram um acordo com a prefeitura no dia 6. Durante o período a categoria realizou diversas manifestações exigindo o reajuste salarial e melhores condições de trabalho.

 No dia 12 os servidores municipais da saúde decretaram greve por tempo indeterminado. A categoria reivindicava melhorias nas condições de trabalho e reajuste salarial. Durante todo período de paralisação, os profissionais fizeram várias manifestações no Paço Municipal e em frente a postos de saúde. A paralisação teve fim no dia 9 de julho.

julho

 A Prefeitura de Goiânia determinou no dia 14 a criação da Feira da Madrugada para os ambulantes que ficavam na Rua 44, no Setor Ferroviário. Mesmo com a decisão, a feira começou a funcionar apenas em outubro e algumas manifestações aconteceram na Capital por conta desta nova implantação.

 No dia 15 a Prefeitura de Goiânia decretou a volta da bandeira 2 na Capital. A taxa tem sido cobrada desde agosto e funciona todos os dias da semana durante o período noturno e aos fins de semana integralmente. A forma de cobrança aumenta em 25% a taxa que é cobrada por quilômetro rodado.

agosto

 A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) confirmou no início do mês o primeiro caso de febre chikungunya no Estado. A paciente contraiu o vírus após viajar para a República Dominicana e procurou atendimento assim que viu as notícias sobre um possível caso da doença em Goiânia. Os sintomas da chikungunya são semelhantes à dengue e são transmitidas da mesma forma. Até novembro 16 casos já tinham sido notificados no Estado, dos quais dois estavam confirmados.

 Aproximadamente 500 pessoas se reuniram na Praça Cívica, em Goiânia, no dia 30 para cobrar das autoridades uma resposta pela série de morte de mulheres na Capital. Entre os manifestantes estavam amigos e familiares de mulheres assassinadas e que esperavam uma resposta da polícia pelos crimes.

 O Ministério Público de Goiás (MP-GO) lançou no fim do mês uma plataforma on-line para a população denunciar casos de corrupção e acompanhar os processos em andamento no Estado. No portal, o cidadão pode fazer denúncias e anexar documentos que comprovem o crime de forma completamente anônima.

Setembro

 No dia 30 os bancários deram início a uma greve nacional por tempo indeterminado. Os cidadãos que precisaram receber qualquer atendimento até o dia 6 de outubro se depararam com as portas de agências fechadas. No dia 7 de outubro os bancários do Banco do Brasil e outros bancos privados aceitaram a proposta de reajuste salarial e as pessoas tiveram que enfrentar enormes filas para receber atendimento nas agências.

 Os números do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) divulgados no início do mês mostraram que o Estado de Goiás obteve a maior nota do País no ensino médio da rede estadual. O Estado obteve nota de 3,8 ficando assim acima da média nacional que era de 3,4.

Outubro

 Após um grande acúmulo de lixo eleitoral no primeiro turno das eleições, os candidatos ao governo no 2º turno Iris Rezende (PMDB) e Marconi Perillo (PSDB) assinaram um acordo para manter a cidade limpa. Após a votação que deu a vitória ao candidato tucano, muitas pessoas elogiaram a iniciativa que realmente funcionou e quase não foi visto lixo espalhado pelas ruas no dia da eleição.

 O dia 10 ficou marcado para os goianienses como o dia mais quente da Capital nos últimos sete anos. De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) a cidade registrou uma temperatura de 39,4ºC. A média de temperatura no Estado para o mesmo dia ficou em 42ºC.

 Além de ter sido um dos meses mais quentes, outubro também foi um mês que gerou preocupação para a população. A Secretária Municipal de Saúde (SMS) confirmou alguns casos de malária na Capital e iniciou uma apuração no Parque Flamboyant, no Setor Jardim Goiás, para tentar descobrir se no local havia algum foco de mosquitos transmissores da doença. Mesmo com todos os casos confirmados, o Ministério da Saúde descartou uma possível epidemia da doença.

novembro

 A Prefeitura de Goiânia deu início no dia 20 a implantação dos corredores exclusivos para ônibus na Avenida 85. A medida tem o intuito de descongestionar o trânsito e reduzir o tempo de viagem do usuário de transporte público da Capital. O funcionamento do corredor deve começar a valer a partir do primeiro mês de 2015.

A medida gerou certa polêmica entre motoristas e passageiros do transporte coletivo. Os condutores alegam que a medida não vai melhorar a situação do trânsito na região e os comerciantes temem que as vendas caiam, já os usuários do transporte coletivo comemoraram a decisão.

dezembro

 No último dia 3 deste mês Goiânia recebeu o 1º lugar na categoria Metrópole no prêmio Cidades Sustentáveis, que foi realizado pela primeira vez. A Capital ficou à frente de Belém (PA), Campinas (SP), Curitiba (PR), Fortaleza (CE), Guarulhos (SP), Porto Alegre (PR), Salvador (BA) e São Paulo (SP).

 No dia 10 uma jovem deu à luz gêmeas siamesas no Hospital Materno Infantil, em Goiânia. O caso das meninas ainda é considerado grave. No início, a equipe médica acreditava que além de estarem unidas pelo tórax e abdômen, elas compartilhavam o fígado e o coração, porém, exames realizados posteriormente mostraram que elas haviam dois corações. As meninas seguem internadas no Materno Infantil onde recebem tratamento.

 Uma medida anunciada pelo prefeito de Goiânia, Paulo Garcia, determinou que, a partir do dia 11, taxistas podem trafegar pelos corredores exclusivos para ônibus. A liberação das pistas já valem para as avenidas T-63 e Universitária. A decisão também se aplicará aos corredores que estão sendo implantados nas avenidas 85 e T-7.

 O ranking divulgado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas (Inep) no último dia 22 mostrou que o Instituto Federal de Goiás (IFG), campus Goiânia, foi a escola pública a obter maior nota no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2013. A instituição de ensino ficou em 31º lugar dentro do Estado.

Fonte: DM