26 de dezembro de 2014

Praia é o destino preferido dos goianos. Veja os mais procurados e dicas para curtir as férias sem preocupação


Passado o Natal, agora é hora de viajar. Especialistas apontam que os brasileiros aprenderam a planejar com antecedência e que a crise não afetou o mercado do turismo

O mês de dezembro sempre traz preocupações: compras de fim de ano, contas para pagar e também onde comemorar o Natal e o Réveillon. O brasileiro adquiriu o gosto pela viagem e costuma fazer esforços para sair de casa sempre que possível. A maioria das pessoas que vai viajar já fechou pacotes com agências de turismo e já está com as férias definidas.

A operadora de viagens da Azul Viagens Cris Pacheco disse que as vendas de fim de ano andam muito aquecidas e afirmou ainda que “dos pacotes disponibilizados incialmente, ainda sobraram 15, no máximo 20 por cento”. Desse modo, sobram poucas opções de destino para quem decidiu viajar de última hora. Ela também garantiu que o recuo na economia não afetou muito a venda de passagens.

O diretor da Decolar.com Alípio Camanzano afirmou que o mercado segue aquecido. De acordo com o levantamento da empresa, o aumento das vendas nos meses de outubro e novembro para as férias de fim de ano de 14 foi de 22% no internacional e 39% no nacional. Na opinião dele, a crise da economia não teve tanto impacto no setor porque “o brasileiro adapta o orçamento, compra a viagem em parcelas e, no final das contas, faz a viagem dos sonhos”.

Já a proprietária da Vernazza Viagens Luciana Gomides, perguntada sobre a alta no dólar e como ela pode ter influenciado a compra de pacotes de viagens, disse que o que muitas pessoas estão fazendo é trocar os destinos no exterior pelos nacionais. “Os fornecedores estão, para evitar a queda, fazendo o congelamento do câmbio ou, ainda, promoções muito vantajosas, que acabam compensando para o cliente”, ressaltou.

Destinos

De acordo com dados da Decolar.com, os destinos nacionais mais procurados pelo brasileiro são Rio de Janeiro e São Paulo, seguidos pro Salvador, Fortaleza e Recife. Já os internacionais são Buenos Aires, Santiago do Chile e, nos Estados Unidos, Nova York, Orlando e Miami.

Uma pesquisa divulgada pelo Ministério do Turismo em dezembro vai de encontro a essa informação.

A pesquisa Sondagem do Consumidor – Intenção de Viagem, realizada pelo ministério em sete capitais brasileiras, aponta que os destinos de sol e praia, no Nordeste do país são a preferência nacional para viagens de férias e fim de ano.

Oito em cada dez entrevistados pretendem viajar dentro do Brasil nos próximos seis meses e quase metade deles (46%) apontam a região como destino favorito.

Essa tendência é seguida pelos goianienses. Tanto Luciana quanto Cris destacaram Fortaleza, Recife, Porto de Galinhas, Natal e Maceió como os lugares que há mais busca. Quem quer sair do Brasil continua querendo ir para os Estados Unidos, França e Caribe.

Também há quem ficar no estado. Esses costumam aproveitar as águas quentes de Caldas Novas e as cachoeiras de Pirenópolis.

Planejamento

Alípio Camanzano, diretor da Decolar.com, sempre orienta os clientes a comprarem passagens com no mínimo três meses de antecedência para viagens nacionais e seis meses para as internacionais para que sejam garantidos os melhores preços. E, cada vez mais, o brasileiro raciocina assim e se planeja com antecedência.

Exemplo disso é que muitas pessoas já começaram a pensar nas férias de janeiro e também onde passar o carnaval. A proprietária da Open Tour Luciana Ottoni afirmou que as passagens que estão sendo procuradas no momento já são as para o ano que vem e que, até o carnaval, quase tudo está vendido.

Luciana Gomides, da Vernazza Viagens, destacou que como os meses de janeiro e fevereiro são altíssima temporada e os preços sobem bastante, as viagens para esses meses costumam ser fechadas até novembro. Ela também disse que “o brasileiro aprendeu a se planejar. Então, compra com mais antecedência” e que as datas mais procuradas hoje já são a partir do mês de março.

Camanzano acredita que essa prática é a certa, já que a economia na hora da compra, principalmente de passagens aéreas, aumenta de acordo com a antecedência. “Quanto mais perto da data da viagem, além de correr o risco de não ter mais lugar no avião, por exemplo, ainda se paga mais devido à procura. Por isso, vale sempre a nossa orientação, compre com a maior antecedência possível” finalizou.

Atenção

O Procon Goiás deu algumas dicas para quem compra pacotes turísticos:

É importante analisar se a prestadora de serviços em que a compra de pacote turístico será feita está regularmente registrada no Cadastro Oficial dos Prestadores de Serviços Turísticos do Brasil (Cadastur) .Esse registro é a garantia da regularidade da empresa junto ao Ministério do Turismo.
Consultar parentes, amigos ou mesmo as redes sociais para saber se a agência tem bom respaldo e indicação

Após a escolha do roteiro, seja nacional ou internacional, é importante avaliar o tipo de pacote: individual ou excursão. Este exige horários e roteiros fixos, enquanto aquele é mais indicado quando se prefere mais liberdade.

Faça uma pesquisa de preços e compare os valores dos pacotes à vista e parcelados.

Observe com atenção todos os documentos que descrevem o que está incluso nos pacotes. Também confira se, no contrato de prestação de serviços, consta tudo o que foi acertado verbalmente
Em caso de desistência de pacote adquirido por meio da internet, o consumidor tem o prazo de 7 dias para cancelar a compra.
Caso o cancelamento da viagem parta da agência, é ela a responsável por restituir todos os valores pagos, bem como possíveis prejuízos financeiros e danos morais (judicialmente).

Se for o consumidor o desistente, o comunicado deve ser feito por escrito, com a maior antecedência possível. Lembrando que a agência contratada pode reter até 20% do valor do pacote.

O Procon Goiás se coloca à disposição para sanar qualquer dúvida. O consumidor pode comparecer na sede do órgão ou em qualquer um dos postos de atendimento, que ficam nas agências Vapt Vupt. Além disso, pode entrar em contato por meio do disque denúncias 151, ou acessar o Procon Virtual.

Fonte: Jornal Opção