28 de dezembro de 2014

Economia goiana avança acima da média nacional


Nos últimos quatro anos, o Estado de Goiás tem se mantido na dianteira da evolução econômica nacional, mesmo diante de um cenário macroeconômico com fortes indícios de retração. Dados consolidados do Produto Interno Bruto (PIB) referentes a 2011 comprovam seu crescimento acima da média nacional. Enquanto o Brasil totalizava a produção de riquezas no patamar de R$ 4,143 trilhões, correspondendo a um crescimento de 2,7%, Goiás encerrava 2011 atingindo a soma de R$ 111,269 bilhões, o que representou um avanço de 6,7% na somatória de riquezas produzidas, um crescimento 4% superior ao nacional.

Segundo estimativas do Instituto Mauro Borges de Pesquisa e Estatística (IMB/Segplan), o PIB goiano em 2012 deve ser consolidado em um patamar de aumento de 3,7%, enquanto o nacional tende a ficar por volta de 1%. Em 2013, calcula-se que o crescimento goiano fique em torno dos 3,9%, enquanto o País tenha alcançado 2,5%; e a previsão para 2014 é que Goiás encerre o ano com crescimento de 2%, enquanto o Brasil deve amargar 0,5% de avanço na geração de riquezas.

Mas o que fez Goiás continuar avançando a níveis superiores ao do restante do País? A resposta a essa pergunta está contida em um plano de governo adotado por Marconi Perillo em seu terceiro mandato. Ao se deparar com um quadro de escassez de recursos e áreas carentes de investimentos, Marconi comandou a elaboração do Plano de Ação Integrada de Desenvolvimento (PAI), onde foram definidas as áreas estratégicas de investimento e quais fontes de recursos que seriam aplicadas em cada uma delas. Em seu escopo foi previsto o montante de R$ 46 bilhões em investimentos até 2014, em projetos que levassem o selo de prioridade do programa nas seguintes áreas: social, econômica, infraestrutural, desenvolvimento regional, gestão e comunicação/institucional.

Além disso, foi determinado que os projetos que levassem tal selo de prioridade ganhariam maior celeridade na sua execução. Para isso, foram reduzidos os procedimentos burocráticos, por meio da reformulação de normas, decretos e legislações voltadas a propiciar agilidade aos processos de alto interesse da administração pública estadual. Segundo cálculos do IMB/Segplan, as ações contempladas no programa estratégico devem ser responsáveis por um incremento de 3,5% no PIB goiano ao ano, permitindo a criação de 230 mil postos de trabalho e ampliando a média anual de investimentos privados para cerca de R$ 10 bilhões. Este desempenho permitiu a Goiás se manter na nona posição do ranking das maiores economias brasileiras.

Ao se analisar a evolução do PIB goiano nos últimos anos é possível notar que a consolidação da economia goiana está amparada na diversificação da agroindústria, da indústria de transformação, e no bom desempenho do comércio e do setor de serviços. A atração de indústrias para abastecer as cadeias produtivas de automóveis e da indústria química de medicamentos também foi preponderante para garantir o pleno desenvolvimento do cenário goiano.

Situado em uma região de forte apelo ao agronegócio e à pecuária, Goiás tem buscado fortalecer o segmento agrícola, sem se esquecer de estimular a modernização e diversificação de seu parque industrial, ao focar na atração de novas empresas para incrementar o setor industrial e de serviços, que são os grandes geradores de postos de trabalho. E tais cadeias produtivas só foram mantidas, principalmente, pelos incentivos fiscais oferecidos pelo governo.

Polo de convergência de novos negócios
Com o traçado das suas prioridades em mãos, o Governo foi em busca de investidores privados interessados em estabelecer parcerias que pudessem contribuir com o seu projeto de desenvolvimento pleno e sustentável. Uma das formas de se estimular a captação de investimentos para o Estado é o oferecimento de recursos a título de financiamento disponibilizados pelo Fundo Constitucional do Centro-Oeste (FCO), administrado pelo Ministério da Integração Nacional, Conselho Deliberativo do Desenvolvimento do Centro-Oeste e Banco do Brasil. Com juros atrativos e um longo período de carência, os recursos do FCO representam um forte atrativo para geração de novos negócios. Atualmente, a taxa cobrada é de até 6,75% ao ano, o que o torna um dos recursos mais atrativos disponíveis no mercado. Nos últimos três anos, 2011 a 2013, foram revertidos R$ 5.982 bilhões nas áreas rural e industrial. Ao todo, foram realizadas 81.936 operações de crédito capitalizadas pelo Fundo.

Outro forte argumento capaz de redirecionar os investimentos de uma empresa para o Estado de Goiás é a política de incentivos fiscais contida no programa Produzir/Fomentar, conduzido pela Secretaria de Indústria e Comércio. Além de representar uma segurança jurídica ao empresário que escolhe o Centro-Oeste para potencializar seus negócios, o programa ainda o torna mais vantajoso ao financiar grande parte dos impostos referentes ao ICMS recolhido aos cofres estaduais.

Para garantir que os benefícios concedidos pelo Produzir não sejam alterados foi aprovada a lei 18.360, de 30 de dezembro de 2013, que estende de 2020 para 2040 o prazo de vigência do programa. E ainda foi promulgada a lei 18.307, de 30 de dezembro de 2013, que contempla as regiões Nordeste e Oeste do Estado com isenção de 98% do ICMS para empresas contempladas. Nas demais regiões, esse percentual é de 73%. Conforme explica o analista do Produzir Reinaldo Jubé, a medida visa tornar as duas regiões mais carentes de investimentos, em polos atrativos de geração de riquezas, emprego e renda. “A readequação do programa com a aprovação da recente lei já tem permitido colher importantes resultados, como a ida de uma indústria de pivôs agrícolas para a região Nordeste do Estado e uma de produtos alimentícios congelados para a região Oeste. Ambos protocolos de intenções assinados no último mês de setembro”, declara.

Segundo levantamentos da Secretaria de Indústria e Comércio, nos últimos quatro anos o Produzir foi responsável por contemplar 343 projetos de expansão ou de inauguração de novas plantas industriais. Tais empresas reverteram ao Estado investimentos na casa dos R$ 4,8 bilhões, contribuindo para a criação de 28.010 novos postos de trabalho. “O benefício oferecido é determinante para a vinda de empresas para o Estado. No entanto, a posição geográfica privilegiada que coloca Goiás no centro do País, próximo aos principais centros de consumo das demais regiões, também é preponderante na hora de se optar pelo aporte em terras goianas”, esclarece o analista.

Crescimento com solidez
Contando com ambiente propício para geração de novos negócios e estrategicamente posicionado para a sua distribuição em escala nacional, Goiás tem conseguido manter o seu índice de crescimento industrial ascendente, contrastando com o cenário nacional de pleno desaquecimento e descrédito. Em 2010, a produção industrial goiana cresceu 17,1%, enquanto no total nacional avançou-se 10,5%. No ano seguinte, a margem de crescimento goiano ficou em 6,02% enquanto o restante do País evoluiu 0,3%. Já em 2012, enquanto o índice nacional decretava um déficit de 2,7%, a produção industrial goiana avançava 3,8%. E em 2013 – último índice divulgado – Goiás atingiu a margem de 5% enquanto o Brasil ficou em 1,2%.

Para garantir o escoamento da produção de forma ágil e mais eficaz, o atual governo também investiu maciçamente na construção, reconstrução e duplicação da sua malha viária, criando um Fundo de Investimentos próprio para financiar tais obras. Segundo cálculos da Agência Goiana de Transportes e Obras Públicas (Agetop), responsável pela sua execução, R$ 1,8 bilhão foram revertidos para a reconstrução de cinco mil quilômetros de estradas; R$ 4,5 bilhões para a construção de 2,5 mil quilômetros de novas vias e R$ 587 milhões para a manutenção de 20 mil quilômetros de rodovias.

Devido à sua posição estratégica, a cidade de Anápolis foi eleita como principal polo logístico do Estado e recebeu nos últimos anos R$ 800 milhões em investimentos voltados para ampliar a sua capacidade aeroportuária, com a construção do Aeroporto de Cargas, que será diretamente beneficiado com os trâmites aduaneiros realizados pelo Porto Seco local. O início das operações da Ferrovia Norte Sul, que corta Anápolis também proporciona um novo modal de transporte para escoamento da produção. O entroncamento da BR 153 que liga o Estado ao Sudeste e Norte do País e a construção do maior e mais moderno Centro de Convenções da Região Centro-Oeste tem permitido à cidade consolidar as operações promissoras do seu Distrito Agroindustrial (Daia).

De Goiás para o mundo
A relação comercial de Goiás com o restante do mundo foi ampliada devido a diversificação de sua pauta de produtos e das missões internacionais realizadas para apresentar as potencialidades do Estado. Goiás encerrou o terceiro trimestre de 2014 com o maior saldo acumulado de sua balança comercial de uma série histórica medida desde 2001. O saldo acumulado atingiu os US$ 2,1 bilhões desde o início do ano até setembro de 2014.

Ao registrar um crescimento de 5,5% no volume de importações, nota-se que são voltadas a insumos e maquinários necessários para abastecer a agroindústria e a indústria metalmecânica e farmacêutica, comprovando a evolução dos segmentos empresariais instalados no Estado. No mesmo período o Brasil apresentou queda nas exportações. No acumulado do ano, as exportações brasileiras apresentam déficit de 2,18%, enquanto as vendas goianas mantiveram desempenho semelhante ao do ano anterior.

Capital humano
O Governo de Goiás entende que todo ambiente de desenvolvimento só é plenamente consolidado quando se há pessoas capacitadas para ocuparem as novas oportunidades de trabalho existentes no mercado, em uma relação sinérgica de geração de vagas e capacitação para as mesmas. Portanto, tem investido maciçamente na qualificação da mão de obra goiana, permitindo que os cidadãos possam alçar posições estratégicas e mais rentáveis no mercado de trabalho.

Ao lançar o programa de qualificação Bolsa Futuro, capitaneado pela Secretaria de Ciência e Tecnologia, o Governo de Goiás permitiu a qualificação até o presente momento de 500 mil goianos para atuar em todos os setores da economia. Ao ter como preocupação adicional a reinserção da população de baixa renda no mercado de trabalho, foram reservadas 200 mil vagas para beneficiários de programas de transferência de renda como o Bolsa Família.

Outra frente de atuação foi nos anos iniciais do ensino Fundamental e Médio. Ao lançar o Pacto pela Educação, um programa que contempla qualificação profissional aos professores, investimentos na infraestrutura das escolas e bonificação por produtividade aos professores e de desempenho aos alunos, Goiás conseguiu dar saltos significativos nos índices educacionais. No último Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), medido pelo Ministério da Educação, Goiás subiu quatro posições em relação a 2011, atingindo a maior nota para o Ensino Médio, com 2,8 pontos e ultrapassando a meta nacional projetada para 3,4.

Fonte: Goiás Agora