17 de dezembro de 2014

Deputados e senadores terão salário de R$ 34 mil a partir de 2015


A atual remuneração dos parlamentares é de R$ 26.723,13. O reajuste para o próximo ano é de cerca de 27%

Os deputados federais e senadores fecharam um acordo, na noite dessa terça-feira (17), para aumentar os próprios salários e dos cargos mais altos do poder executivo e judiciário. A partir do próximo ano, parlamentares, ministros do Supero Tribunal Federal (STF) e procurador-geral da República vão ter salário de R$ 34 mil.

A atual remuneração de deputados federais e senadores é de R$ 26.723,13, ministros do SFT e o procurador-geral da República recebem cerca de R$ 30 mil. O salário reajustado de deputados e senadores é quase R$ 3 mil a mais que o salário da presidência da República. Em contrapartida, a votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias, que dita as regras do orçamento de 2015, foi deixada para esta quarta-feira (17).

Governo propõe reajuste salarial de 25%

Entre beneficiados estão secretários, governador e vice, comissionados e outros cargos que compõem estrutura da administração

A Assembleia Legislativa começou a apreciar ontem projeto de lei da Governadoria que reajusta salários de ocupantes de cargos de provimento em comissão, integrantes da estrutura básica da administração direta, autárquica e fundacional do Poder Executivo, ficam assim fixados. Os novos subsídios passarão a valer a partir de 10 de janeiro de 2015.

O projeto de lei enviado pelo governo prevê aumento de 25% nos subsídios de secretários, vice-governador e governador. Com isso, os salários de Marconi Perillo e do vice-governadorJosé Eliton passarão a R$ 25 mil, e os de secretários para R$ 18 mil.

No texto do projeto, o governador Marconi Perillo (PSDB) justifica o reajuste salientando que os atuais salários foram fixados pela Lei n. 17.257, de 25 de janeiro de 2011, com vigência a partir de 1° de janeiro daquele ano, “e desde então permaneceram estáticos, o reajustamento ora proposto apenas repõe a perda do seu valor aquisitivo verificada ao longo dos últimos quatro anos, sem maiores sobrecargas para as finanças estaduais”.

“A propositura se justifica em razão da importância da representatividade dos cargos alcançados pelo artigo primeiro da propositura no contexto hierárquico da organização administrativa do Poder Executivo, daí porque espero a sua acolhida pelos nobres deputados com assento nessa Casa Legislativa”, esclarece.

A propositura teve pedido de vista de vários deputados na reunião da Comissão Mista, na reunião de ontem à tarde. (Da Redação)

Fonte: Jornal O Hoje