27 de novembro de 2014

Vereadores da base do prefeito rejeitam aumento de 57,8% no IPTU e analisam de novo índice


Os vereadores da base da prefeitura na Câmara Municipal não consideram mais a proposta do prefeito Paulo Garcia (PT) de aumentar o IPTU em 57,8% em 2015. O segundo reajuste, de 29,7% para 2016, não é questionado, mas os aliados e o Bloco Moderado continuam em conversa para concluir um novo índice para o próximo ano, que seja aceitável para a arrecadação do Município, mas que caiba na capacidade contributiva da população.

O projeto deverá ser emendado na Comissão de Constituição e Justiça, em que o relator é o vereador Eudes Vigor (PMDB). O presidente da Comissão, Carlos Soares (PT), garante que o aumento de 57,8% já é tido como derrotado pelos vereadores da base. Enquanto a base não unificar, nós não podemos apresentar, porque do jeito que está, o projeto está perdido. Se apresentar 58% não passa. Quando nós nos unificarmos em um número, o projeto não terá mais dificuldades para tramite”, analisa.

Mesmo o presidente da Câmara, Clécio Alves (PMDB), assume posição contrária ao reajuste proposto pelo prefeito. Sobre a possibilidade de Paulo Garcia vetar a redução do reajuste para 30%, Clécio admite a derrubada do veto na Câmara. “Já houve um avanço. Se a maioria hoje está determinada a votar favorável a um reajuste de 30%, já é um avanço. Então, que nós possamos a chegar a um denominador comum”, afirma.

Novas reuniões entre os vereadores da base aliada deverão ser realizadas nesta sexta e na segunda-feira, para definir a proposta de emenda que define redução no aumento do IPTU.

Fonte: Portal 730 (Rubens Salomão)