15 de novembro de 2014

PIB goiano cresce cinco vezes mais que o nacional


Na consolidação dos dados de 2012, enquanto o Brasil avançou 1%, Goiás registrou uma expansão de 5,4%

A agropecuária foi responsável pelo maior volume no somatório das riquezas produzidas em Goiás, com avanço de 8,4% no Produto Interno Bruto (PIB) estadual. O Estado fechou 2012 com um crescimento de 5,4% e somou R$ 123,9 bilhões. Além disso, o índice de crescimento do PIB goiano ficou mais uma vez bem acima da taxa nacional, que encerrou o período com alta de 1%. (R$ 4,3 trilhões).

Os números foram divulgados, ontem, pelo Instituto Mauro Borges de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos da Secretaria de Gestão e Planejamento (IMB/Segplan).

“A economia goiana crescer 5,4% em um ano, o de 2012, não é apenas crescer acima da média nacional, mas é crescer em um ano o que o País cresceu nos últimos quatro. A diversificação da economia, com forte ampliação de outros segmentos da indústria, é um dos fatores que influenciaram neste resultado. Goiás, mesmo com a economia brasileira em recessão, tem conseguido explorar seus potenciais nos setores agropecuárias, minerais, industriais, de comércio e também de serviços”, argumente o vice-presidente da Associação Comercial, Industrial e de Serviços do Estado de Goiás (Acieg), Euclides Barbo.

O resultado do PIB goiano manteve o Estado na nona posição no ranking do País, lugar que ocupa desde o início da série, em 2002. Para o secretário de Gestão e Planejamento, Leonardo Vilela, “o crescimento do PIB de Goiás bem acima da média nacional se deve ao grande potencial de produção de matéria-prima do Estado junto com a competência dos produtores goianos”.

Em relação a 2011, a participação de Goiás na formação do PIB nacional subiu de 2,7% para 2,8%. Com relação ao Centro-Oeste, a participação de Goiás no PIB da região passou de 28,1% para 28,8%, de 2011 para 2012.

Influência

O destaque em volume entre os grandes setores da economia goiana foi a agropecuária que registrou um avanço de 8,4%. De acordo com o consultor técnico do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), Cristiano Palavro, a expansão foi resultado de um incremento na produção de soja, cana-de-açúcar, milho, feijão e banana.

“A agropecuária foi destaque, principalmente, pela produção agrícola de grãos e cana-de-açúcar. Além disso, o preço dos principais produtos goianos, a exemplo da soja e do milho, registrou um aumento em 2012”.

Segundo o consultor, neste período, a safra de grãos cresceu 20,4% em relação ao ano anterior. A safra de milho registrou um avanço de 43% e a produção de soja aumentou 9%, acompanhado pelo preço de ambos que subiu em torno de 1,6% e 12,6% respectivamente.

“Uma forte seca no sul do País influenciou os preços do setor. Isso também teve um impacto positivo na balança comercial goiana, que registrou uma elevação nas exportações naquele período”, argumenta.

Logo na sequência está o setor de serviços, que cresceu 5,5% com destaque para as atividades de transportes e armazenagem (13,9%), comércio (9,8%) e intermediação financeira, seguros e previdência complementar (5,3%). As demais atividades também tiveram taxas positivas: outros serviços (4,5%); serviços de informação (4,5%); administração, saúde e educação pública (2,4%); e atividades imobiliárias e aluguel (0,8%).

Já a indústria apresentou crescimento de 4,8% no período por causa do desempenho favorável da construção civil (11,6%), da produção e distribuição de eletricidade, gás e água (10,5%), da indústria de transformação (0,5%) e da extrativa mineral (0,1%).

PIB per capita goiano ainda é menor

Com os resultados positivos da economia estadual em 2012, o PIB per capita (resultado da divisão do PIB pela população) de Goiás atingiu o valor de R$ 20.134,26, contra R$ 18.289,59 em 2011, um incremento de R$ 1.835,67. Este é o segundo maior da série iniciada em 2002. Conforme o IMB/Segplan, o PIB per capita goiano apresentou taxa de crescimento de 4,1%. A média nacional ficou em 0,2%.

No que se refere ao ranking das Unidades da Federação, o PIB per capita de Goiás se manteve na 11ª posição, sem alteração em relação ao ano anterior. Entretanto, nesse indicador, o Estado está abaixo da média nacional, cujo PIB per capita é de R$ 22.645,86. (PN)

Fonte: Jornal O Hoje