19 de novembro de 2014

Hugo 2: Inauguração ainda indefinida


Governo do Estado chegou a prometer entrega da unidade no dia do aniversário de Goiânia

Mesmo diante das reclamações dos profissionais aprovados no processo seletivo do Hospital de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugo 2), ainda não existe data prevista para a inauguração da unidade, que chegou a ser anunciada pelo governo do Estado para o dia 24 de outubro.

Ontem, funcionários da empresa contratada para a construção do hospital afirmam que a obra, que está em fase de acabamento, atrasou por falta de pagamento do Estado e que agora, pelo mesmo motivo, todos os colaboradores foram avisados de que seriam dispensados a partir de amanhã, sem concluírem o serviço. “Como a empreiteira estava bancando os gastos com o próprio caixa, cortaram as horas extras, os expedientes nos fins de semana e isso reflete no tempo de execução das obras. Com o salário mais baixo, sem os complementos, os funcionários pensaram em paralisar, mas antes das eleições eles chegaram a ter uma conversa de que melhoraria, o que não aconteceu”, afirmou um trabalhador que não quis se identificar.

De acordo com dois funcionário ouvidos pela reportagem, cerca de 250 empregados da construtora, fora os terceirizados, foram dispensados.

A reportagem do Jornal O popular tentou contato com a Agência Goiana de Transportes e Obras ( Agetop), mas não obteve retorno da presidência, diretoria ou assessoria de imprensa do órgão. O presidente da construtora Porto Belo, Celso de Paula, chegou a afirmar que a demissão era comum ao final das obras, mas como ele estava no trânsito, a reportagem tentou novo contato, sem sucesso.

CRONOGRAMA

No dia 14 de outubro, a Agir, organização social (OS) responsável pela gestão da unidade alegou que o atraso na instalação e nos testes dos equipamentos comprometeu o cronograma de funcionamento da unidade. Em grupo criado no Facebook os convocados desabafam, já que muitos abandonaram o emprego anterior ou dispensaram outros processos seletivos para assumirem o cargo na unidade. “Entregamos todos os documentos, passamos por exames e tínhamos uma data para tomar posse e assinar o contrato, mas quando chegamos tivemos essa péssima notícia”, conta um dos aprovados.

Na rede social, um dos aprovados convocados na primeira lista diz que se mudou para Goiânia, e que agora, mesmo desempregado tem de arcar com os gastos da mudança e aluguel. Procurada, a Agir afirmou que não se pronunciaria mais sobre o caso, já que o hospital ainda não tinha sido entregue para sua gestão.

O secretário de Estado da Saúde, Halim Girade, garantiu que todos os equipamentos do hospital já chegaram e estão em fase de teste, mas que não definiria uma data para inauguração do hospital. “Nossa parte deve ficar pronta em um mês”, afirmou.

Fonte: Jornal O Popular (Janda Nayara)