19 de outubro de 2014

Pela primeira vez, Dilma admite desvio de dinheiro público na Petrobras e promete ressarcir país


VALOR ECONÔMICO  -  BRASÍLIA - A presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT, disse hoje que houve desvio de dinheiro público em contratos da Petrobras e que, diante disso, vai tomar as medidas necessárias para ressarcir “tudo e todos”. Ela afirmou ainda que quem cometeu irregularidade tem que pagar.

“Ninguém sabe ainda o que é que deve ser ressarcido, porque a chamada delação premiada, onde tem os dados mais importantes, não foi entregue a nós. Agora, ressarcir, eu farei todo o meu possível para ressarcir o país se houve desvio de dinheiro público. Nós queremos ele de volta. Se houve, não. Houve, viu?”, completou, admitindo irregularidades na administração da estatal.

Sobre as denúncias de que o PSDB também recebeu dinheiro do suposto esquema de corrupção na Petrobras, Dilma disse que o retrospecto do partido não lhe dá “primazia da bandeira da ética”.

“Acho que qualquer integrante de partido que tenha cometido crime, delito, mau feito, tem de pagar por isso. Acho que ninguém está acima de qualquer suspeita no Brasil”, completou a presidente.

Dilma também declarou que não vai comemorar qualquer vazamento de informações. “Só acho que o pau que bate em Chico bate em Francisco. Essa é uma lei”, completou. As declarações foram dadas em coletiva de imprensa hoje em Brasília.

TSE

Dilma negou que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tenha feito alguma intervenção na campanha petista. Durante a entrevista, ela foi questionada por jornalistas sobre as recentes decisões da Corte Eleitoral.

Em resposta, afirmou: “Eu não concordo que o TSE teve qualquer intervenção na minha campanha [...] Gostaria de saber onde e quando. Acho que isso ainda será julgado. Eu acredito que o que é baixo nível da campanha é algo que deve ser completamente superado”.

Ontem, o ministro do TSE Tarcisio Vieira de Carvalho Neto mandou a campanha da candidata suspender a propaganda eleitoral em que acusa o seu adversário, o candidato Aécio Neves (PSDB), de ter construído um “aeroporto em terreno da família e a chave ficava nas mãos de seu tio". O ministro concedeu uma liminar ao partido para que o PT não veicule mais essa propaganda. O pedido de direito de resposta (mérito do processo) feito pelo PSDB ainda será analisado pelo TSE.

Dilma afirmou ainda que sua campanha tem proposta. “Discuto indústria naval, discuto Pronatec, discuto Minha Casa, Minha Vida, um conjunto de políticas”, completou. Segundo ela, não há dúvida de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi quem fez o Bolsa Família durante seu primeiro governo, mas continuou inclusive na atual administração.

Na sessão da última quinta-feira, o plenário do TSE decidiu que a propaganda eleitoral não deve mais ter ataques pessoais, e sim propostas.

Indústria Naval

Dilma também criticou declarações de Aécio Neves sobre investimentos na indústria naval.

Segundo ela, o plano de governo do tucano prevê “reavaliar, reduzir toda a política industrial de conteúdo local”. Dilma argumentou que os polos navais e os estaleiros no Brasil têm como “base a política de conteúdo local feita desde 2003, que é uma integrante da nossa política industrial”.

“Como é que é possível alguém manter o polo naval sendo contra a política de conteúdo local e a política industrial que deu origem a esse polo?”, questionou a presidente. Ela afirmou ainda que só com essas ações os polos navais são uma realidade no país. “Nós ressuscitamos a indústria naval”, completou.

Ela afirmou que a política consiste em fazer com que indústrias nacionais produzam o que pode e deve ser fabricado no Brasil “com preço, prazo e qualidade”. Isso, na avaliação de Dilma, trouxe “um grande ganho para o país”, citando que a mão de obra do setor passou de 7 mil trabalhadores para 100 mil no próximo ano.

Criticando Aécio, ela afirmou que “dizer que vai investir no polo naval sem ser a favor da política de conteúdo local mostra simplesmente a imensa inconsequência das falas que existem por aí”. Para ela, isso é “estarrecedor”, pois os polos navais são completamente racionais.

Dilma destacou ainda que a Petrobras prevê investir US$ 100 bilhões no setor naval entre 2014 e 2018.

Debate

Dilma disse ainda que respeita o voto da população. Ao avaliar a importância do debate com o candidato do PSDB, Aécio Neves, marcado para amanhã, Dilma declarou que a partir de agora, “tudo que fizermos terá importância sem sombra de dúvida porque a população está prestando atenção, está avaliando”.

“Eu respeito muito o voto da população [...] que é a base da democracia ocidental. Ela é fundamental”, afirmou.

Sobre a relação com os candidatos ao governo do Rio de Janeiro (Luiz Fernando Pezão e Marcelo Crivella), a presidente disse que tem uma “relação especial com ambos”.

“Com o Pezão eu fiz a parceria talvez mais estreita que o governo federal fez com o governo local”, afirmou. Ela completou ainda que respeita o candidato, que, segundo a presidente, é um excepcional gestor e uma pessoa excepcional. E, em relação a Crivella, ela disse que tem a mesma opinião, lembrando que ele já foi o ministro da Pesca e Aquicultura do governo petista.

Ao fim da entrevista hoje em Brasília, a presidente reclamou do clima na capital federal. Segundo ela, o calor na cidade está “infernal”. Além disso, declarou que atualmente sofre com a seca da região.

Fonte: Valor