11 de outubro de 2014

Credeq de Aparecida está com 90% das obras prontas





Governador realizou visita técnica ao Centro de Referência e Excelência em Dependência Química (Credeq), em Aparecida de Goiânia; estrutura inédita no País está com 90% das obras concluídas e será inaugurado no próximo mês; unidade contará com 96 vagas permanentes para internação, num ambiente que permite não apenas a terapia clínica, mas a convivência familiar; “Não há nada mais triste para uma família com um filho dependente químico que não ter condições de pagar clínica terapêutica”, disse Marconi Perillo

“Isso aqui é padrão europeu, padrão americano”, disse o governador Marconi Perillo, ao fazer visita técnica nesta semana às obras de construção do Centro de Referência e Excelência em Dependência Química (Credeq), em Aparecida de Goiânia.

Segundo o governador, trata-se de um dos melhores projetos para recuperação da dependência química do mundo, fruto da discussão com várias correntes psiquiátricas envolvidas com a recuperação de pacientes com dependência química.

Ele destacou que o Credeq de Aparecida, com área construída de 10 mil metros quadrados e área total de 70 mil metros quadrados, é um projeto muito bem concebido do ponto de vista físico e conceitual. A unidade está praticamente construída e será administrada pela Organização Social Comunidade Luz da Vida, vencedora do processo legal de escolha.

O governador explicou que os quatro Credeqs restantes estão com 50% das obras concluídas e o governo acaba de licitar a construção de uma unidade em Formosa. “Eu não tenho dúvida de que muita gente virá a Goiás para conhecer o modelo Credeq no Estado”, afirmou Marconi, a exemplo do que ocorre com o CRER. “O CRER hoje é o melhor projeto para recuperação e readaptação de acidentes físicos ou neurocerebrais”, acrescentou.

Marconi disse não ter dúvida de que, quando o Ministério Público tomar conhecimento do Credeq, irá recomendá-lo para o País inteiro. Quando entrar em operação, prevê o governador, o Credeq Aparecida terá condições de atender mil pessoas por dia, entre consultas, procedimentos ambulatoriais e internações.

A unidade contará com 96 vagas permanentes para internação, num ambiente que permite não apenas a terapia clínica, mas a convivência familiar. “Não há nada mais triste para uma família com um filho dependente químico que não ter condições de pagar clínica terapêutica”, afirmou Marconi, ao enfatizar que trata-se de uma obra social do mais alto valor.

Fonte: Goiás 247