22 de agosto de 2014

Prefeito assina convênio com Caixa para liberação de recursos históricos para a mobilidade urbana


O prefeito Paulo Garcia assina nesta sexta-feira, 22, às 15h30, convênio com a Caixa Econômica Federal (CEF) para liberação de recursos para o maior complexo de obras de mobilidade urbana da história de Goiânia. O volume de R$ 145.323.461,00, oriundos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) – Pacto pela Mobilidade, será aplicado em seis corredores preferenciais de ônibus, que vão beneficiar as avenidas T-7, T-9, 85, Independência, T-63 e 24 de outubro.

Com a assinatura do convênio com a CEF, a administração pública está apta a abrir os processos de licitação para a contratação das obras. A primeira licitação será para a execução do projeto na avenida T-7, a segunda principal via da cidade em atendimento ao transporte coletivo após a avenida Anhanguera. Pelo local circulam oito linhas de ônibus que atendem 103.391 pessoas diariamente.

O prefeito Paulo Garcia afirma que Goiânia passa por um momento histórico em execução da obras, principalmente para a mobilidade urbana. “Desde a década de 30, o país priorizou o carro, uma contradição que gerou, nos dias atuais, problemas no ir e vir dos cidadãos brasileiros. Agora, a presidenta Dilma Rousseff atende a um anseio do Brasil, que, ao longo das décadas de 80 e 90, teve suas cidades planejadas para o automóvel, e faz história em favor do nosso povo”.

Ele reforça que o planejamento do trânsito é prioridade para a Prefeitura de Goiânia, que está promovendo obras estruturais e projetos que vão dar fluidez ao transporte coletivo e organizar o trânsito, garantindo uma melhor mobilidade urbana para as próximas décadas. A presidente da Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC), Patrícia Pereira Veras, afirma que este é um trabalho inédito para a Capital, que se organizou e desenvolveu projetos para receber os recursos do Governo Federal para a implantação de corredores preferenciais de ônibus.

Segundo ela, essas obras vão requalificar o espaço urbano garantindo mais fluidez ao transporte coletivo, reduzindo o tempo de viagem dos ônibus, e gerando uma reestruturação viária com espaços democráticos para pedestres, ciclistas e veículos particulares. “Um dos problemas que impede as pessoas de optarem pelo transporte coletivo é o tempo gasto entre a origem e o destino. A nossa política de mobilidade e sustentabilidade tem como propósito reduzir o tempo da viagem, organizar o trânsito e integrar modais de transporte”, diz Patrícia.

O corredor preferencial da avenida T-7 terá 10,4 km de extensão, os quais receberão novo recapeamento, ciclovia, abrigos com assentos, acessibilidade, sinalizações, iluminação. Com as seis obras dos corredores, a Capital terá 46,5 km destinados à circulação dos ônibus, que vão promover a integração de 66 linhas, beneficiando 601.164 usuários do transporte coletivo por dia.

A previsão da Prefeitura de Goiânia é que os demais editais de licitação sejam lançados ainda neste segundo semestre, contemplando as outras cinco obras dos corredores.

Por Lourdes Souza, da editoria de Trânsito, Transportes e Mobilidade - Secretaria de Comunicação Social (Secom)

Fonte: Prefeitura de Goiânia