5 de agosto de 2014

Lixo: Varrição comprometida nas ruas


Um suposto problema com o fornecimento de sacos plásticos à Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg) comprometeu a varrição em Goiânia no último final de semana. Denúncias de moradores e servidores mostram que materiais recolhidos das ruas da Capital ficaram espalhados, sem acondicionamento adequado nestes dias. Pelo menos 650 toneladas deixaram de ser recolhidas no período. Folhas, sacos plásticos e papeis ficaram depositados nas calçadas sem recolhimento depois da varrição em várias partes de Campinas. Nas ruas José Hermano e Senador Morais Filho, próximas à Matriz, era possível ver o lixo acumulado próximo a postes e na sarjeta após serem varridos por garis da Comurg.

Um gari, que prefere não se identificar por medo de represálias, afirma que a situação é bastante comum. “Não nos dão material suficiente para trabalhar e a situação fica precária. Desta vez, estamos sem o material desde a última quinta-feira”, relata. O improviso acaba sendo necessário. “Fazemos o que podemos, mas na maioria das vezes, o lixo fica nas ruas mesmo.”

Ainda na tarde de ontem os sacos ainda não haviam sido distribuídos entre os trabalhadores. Na região da Vila Abajá, na região de Campinas, o lixo também se acumulou nas calçadas. Moradora da Rua 3, Maria Aparecida, de 61 anos, reclama que o acúmulo de folhas é grande. “Varreram durante o fim de semana, mas não recolheram. Está tudo aqui espalhado na rua”, afirma.

Segundo números da própria Comurg são distribuidos aproximadamente 27 mil embalagens para os trabalhadores. Somente em Campinas, são consumidos, diariamente, cinco mil sacos. A assessor ia da Comurg informou por meio de nota que o problema ocorreu devido a uma falha na fabricação dos sacos plásticos. A nota diz ainda que o serviço deve ser normalizado em breve.

Fonte: Jornal O Popular (Eduardo Pinheiro)