7 de agosto de 2014

Governador rebate prefeito sobre saúde


Em agenda do governo, Marconi Perillo (PSDB) disse que “a parte que cabe ao Estado está sendo muito bem-feita”, em resposta a Paulo Garcia (PT)

Depois de o prefeito de Goiânia, Paulo Garcia (PT), disparar contra o governo estadual na terça-feira (5) por “sobrecarregar” o atendimento da rede de saúde municipal da capital, o governador Marconi Perillo (PSDB) disse ontem que “as pessoas confundem” o que é de responsabilidade do Estado e as unidades do município.

Como não pode fazer campanha eleitoral entre as 8 horas de segunda-feira e 18 horas de sexta-feira, horário que cumpre expediente de governador, Marconi aproveitou para visitar as obras de construção do Hospital de Urgências de Goiânia Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugo 2), na região noroeste da capital. Ao percorrer as alas da unidade em obras, o tucano disse que a “parte que cabe ao Estado (na saúde) está sendo muito bem-feita”.

De acordo com o governador, a população não costuma distinguir na hora de reclamar do atendimento em uma unidade de saúde. “Não, nós somos responsáveis pelos grandes hospitais e ajudamos as entidades filantrópicas e várias prefeituras, mas a nossa responsabilidade é cuidar e cuidar bem dos grandes hospitais”, declarou Marconi.

Na terça-feira, durante a inauguração do ambulatório do Centro Integrado de Assistência Médico Sanitária (Ciams) do setor Novo Horizonte, Paulo Garcia afirmou que Goiânia fica sobrecarregada porque a falta de uma política estadual de saúde deixa o morador das cidades do interior goiano sem atendimento. “Quem quiser conhecer uma saúde que funciona pra valer é só vir a uma unidade do governo do Estado e ver o quanto a gente trata com respeito, carinho, dedicação e amor o nosso próximo”, respondeu Marconi.

O governador afirmou que a entrega do Hugo 2 completará “toda a rede de hospitais de urgência de Goiânia, especialmente da região metropolitana”. Marconi disse que a rede estadual de saúde funciona com qualidade de “primeiro mundo”.

A rede estadual é composta pelo Hospital Geral de Goiânia Alberto Rassi (HGG), Hospital Materno Infantil (HMI), Centro de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo (Crer), Hospital de Urgências de Anápolis (Huana) e Hospital de Urgências de Aparecida de Goiânia (Huapa). O Estado disse estimar que cerca de 500 mil moradores da região noroeste de Goiânia serão atendidos pelo Hugo 2, que está previsto para ser entregue até o final deste ano. A unidade deve ser administrada por uma Organização Social (OS). “Isso significa que não teremos pessoas em macas, nos corredores, esperando um tratamento digno”, concluiu Marconi.

Fonte: Jornal O Hoje
Foto: Lailson Damasio