9 de julho de 2014

GO: Portaria proíbe policias armados em bares e boates


Portaria assinada nesta quarta-feira (9/7) pelo secretário estadual de segurança pública do Estado de Goiás, Joaquim Mesquita, proíbe policiais militares e civis de entrarem armados em bares, boates e restaurantes. A medida é válida quando o servidor da segurança pública estiver fora do horário de trabalho e portando arma de propriedade do estado.

A Secretaria de Segurança Pública restringiu o uso de armas após a Associação de Bares e Restaurantes (Abrasel/GO) apresentar vários casos em que policiais armadas se envolveram em algum tipo de confusão em bares e boates.

“Devemos restringir ao máximo o ingresso de armas nos espaços públicos e, sobretudo, naqueles que há consumo de bebidas alcóolicas”, defende o secretário de segurança pública, Joaquim Mesquita.

Durante entrevista coletiva, Mesquita garantiu que policiais que desobedecerem a determinação serão punidos. Inicialmente as penalidades aplicadas serão disciplinares, mas poderão chegar a esfera civil e penal.
Alguns bares e boates provavelmente irão disponibilizar cofres para que as armas sejam guardas e os policias permaneçam no local “Vai ficar a cargo da operação do restaurante. Cada empresário vai definir o que ele vai fazer”, destaca o presidente da Abrasel/GO, Rafael Campos Carvalho.

Casos

Clientes de uma casa noturno, no Setor Marista, em Goiânia, ficaram expostos às dezenas de disparos durante um tiroteio envolvendo três policiais militares e dois seguranças do estabelecimento, no dia 26 de junho deste ano. A confusão começou quando dois militares se desentenderam dentro de um banheiro da casa de shows.

Marcos Antônio Delfino, cabo da Polícia Militar (PM) foi morto a tiros, no dia 13 de junho, no Setor Curitiba III, em Goiânia, ao tentar impedir um assalto a uma distribuidora de bebidas. Ao perceber a ação dos bandidos, o policial sacou a arma e tentou impedir o crime, mas acabou baleado e morto na frente do filho. O policial estava de folga.

Em maio do ano passado, Luan Vitor de Oliveira, de 20 anos, foi morto a tiros dentro do Parque de Exposições Agropecuárias de Goiânia. O autor do assassinato é um policial civil que estava de folga. Na época, o policial disse que defendeu o filho de uma suposta tentativa de roubo.

Fonte: Portal 730