25 de julho de 2014

Centro de Convenções de Anápolis: 60% das obras já concluídas


Em construção às margens da BR-153, o CCA, orçado em R$ 120 milhões, será o maior e mais moderno espaço do gênero e o mais atual do Centro-Oeste, com quatro auditórios e capacidade para 3.350 pessoas

Cerca de 60% das obras do Centro de Convenções de Anápolis (CCA) já estão concluídas. A informação foi repassada, ontem, ao secretário William O'Dwyer por engenheiros à frente do projeto, durante visita técnica à cidade Anápolis. “Estamos diante de um marco para o Estado. É um projeto que impactará a nossa economia e a nossa cultura. Queremos que esta obra seja concluída o quanto antes”, destacou.

Construído às margens da BR-153, o CCA será o maior espaço do gênero e o mais moderno do Centro-Oeste. Serão quatro auditórios, com capacidade de receber 3.350 pessoas simultaneamente, além de dois estacionamentos com três mil vagas de estacionamento, três pátios de exposição, restaurante panorâmico, teatro de arena e demais dependências para apresentação de espetáculos musicais e de orquestras. A previsão é de que as obras estejam concluídas até o fim deste ano.

Os recursos para construção do Centro de Convenções de Anápolis são oriundos de um fundo específico do programa Produzir, da Secretaria de Estado da Indústria e Comércio. O valor total da obra é estimado em torno de R$ 120 milhões. O secretário, que vem realizando visitas periódicas às obras do CCA, avaliou que o empreendimento trará maior competitividade às empresas instaladas em todo o eixo Goiânia-Anápolis-Brasília. Os próximos passos de execução da obra serão o acabamento interno dos pavilhões e a finalização da estrutura de um auditório e do teatro.

A obra – que segundo O'Dwyer “vai promover uma completa mudança no perfil de Anápolis e região, atingindo Goiânia, Brasília e todo o centro do País” – “vai ser uma obra de repercussão regional”. “Este será um dos Centros de Convenções mais modernos do País, sendo maior que os de Brasília e Goiânia. São quase 40 mil m² de área construída, numa área de quase um milhão de m², que vão estar à disposição da sociedade para uso em inúmeros eventos culturais, educacionais e empresariais”, destacou.

O Centro, que tem todos os recursos já assegurados para a sua conclusão, será entregue pelo governo do Estado até o final do ano. Ponto de referência na instalação de indústrias e na logística do País, o Centro de Convenções está sendo construído às margens da BR-153, nas proximidades do Distrito Agroindustrial de Anápolis (Daia) e integra um complexo logístico e de infraestrutura que se consolida no município goiano, com a construção do Aeroporto de Cargas do Centro-Oeste, o Parque Tecnológico, a Plataforma Multimodal e a Ferrovia Norte Sul, cujo trecho até Açailândia (MA) já está pronto para ser inaugurado.

“A construção do Centro de Convenções, em meio à integração entre Daia, Aeroporto de Cargas, Plataforma Multimodal, Ferrovia Norte Sul e Porto Seco – tudo isso somado à política de industrialização do atual governo – vai revolucionar completamente a realidade de Anápolis”, afirma o secretário.

O Centro de Convenções de Anápolis propõe-se a dinamizar o setor de feiras e eventos e será o maior do gênero no Centro-Oeste. Terá salas multiuso, dois auditórios (um com capacidade para 750 pessoas e outro para 2.350 pessoas), sanitários, áreas para administração, manutenção e primeiros socorros, pavilhões para exposições e teatros. Também serão construídos um restaurante, salas de apoio, cozinha, estacionamento, camarotes, camarins, teatro de arena e demais dependências para apresentação de espetáculos musicais e de orquestras.

Repercussão

Em recentes entrevistas, autoridades e especialistas no setor ressaltaram a importância do Centro de Convenções de Anápolis. Wilson Oliveira, vice-presidente da Fieg, ressalta que a obra do Centro de Convenções – aguardado há cerca de 15 anos – “consolida o eixo Brasília, Anápolis, Goiânia, permitindo a atração de eventos de nível nacional e internacional, tendo em vista a localização estratégica do município entre as duas capitais”, avalia.

Manoel Balbino, arquiteto paisagista responsável pelo projeto (que foi totalmente doado ao governo por empresários anapolinos), explica que o novo Centro de Convenções permitirá a realização de quatro eventos simultâneos, totalmente independentes entre si. “Ela vai atender Anápolis e toda a região de uma forma privilegiada, por não ser exatamente dentro da cidade e ter toda a infraestrutura necessária para a realização de eventos com os mais altos níveis de exigência, permitindo a realização de quatro eventos simultâneos e diversificados, permitindo um 'diálogo' entre o município e o restante do País. A arquitetura do principal auditório, com 2.350 lugares, foi pensada para atender, inclusive, apresentações de orquestras, com recursos de acústica que poucos auditórios brasileiros possuem”, especifica.

Para o presidente da Associação Comercial e Industrial de Anápolis (Acia), Luiz Medeiros, a obra “consagra um momento de desenvolvimento pelo qual o município passa atualmente. Buscando acompanhar o desenvolvimento logístico e industrial do município, a rede hoteleira passa também por fortes investimentos, com três hotéis em obras, três que foram ampliados e quatro novos projetos a serem implantados. Vamos trazer eventos nacionais e internacionais e tudo isso mostra, com certeza, a pujança, o significado deste Centro de Convenções para Anápolis e para Goiás”, informa.

Nehemias Ramos, vice-presidente da Associação Brasileira de Empresas de Eventos (Abeoc), acredita que a história do turismo de negócios em Anápolis se divide em antes e depois do Centro de Convenções. “Estive em Fortaleza recentemente e os números do turismo de eventos na cidade, após o novo Centro de Convenções, são impressionantes, chegando a mudar a trajetória econômica da própria cidade. Anápolis, certamente, depois do Centro de Convenções será outra”, considera.

Fotos:




Fonte: DM
Foto: Anápolis Goiás (Skyscrapercity)