23 de junho de 2014

UFG já não terá vestibular em 2015


No próximo ano, Sisu será única forma de ingresso na universidade. Mudança já afeta preparação de candidatos

Quem quiser se candidatar a uma vaga na Universidade Federal de Goiás (UFG) para o próximo ano pode esquecer o tradicional vestibular. O Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que usa a nota do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem), é a única forma de ingresso já em 2015.

Tanto a universidade, quanto escolas e estudantes já se preparam para a nova realidade. Até então, 50% das vagas eram destinadas ao ingresso por meio do sistema nacional e a outra metade se dava pelo certame tradicional.

O presidente do Centro de Seleção, Wagner Furtado, afirma que a grande mudança para a universidade será o impacto, tanto de custo, quanto de material humano.

O fato de a seleção ser unificada por todo o País dispensa a universidade da elaboração de um processo seletivo, focando recursos, funcionários, e professores para as suas atribuições normais. Nos vestibulares eram envolvidos nove órgãos internos da UFG, além das unidades acadêmicas.

Com a adoção total do Sisu como sistema de avaliação, também dobra os recursos recebidos pela universidade do governo federal, o que permite maior investimento na assistência estudantil. “Podemos assim, investir em bolsas de permanência, bolsas estudantis e outros tipos de programas que auxiliam a estudantes mais carentes, diminuindo a evasão”, diz Furtado.

Somente nesse ano, foram aprovados 607 alunos cotistas na universidade. O ganho social, segundo o presidente do Centro de Seleção, é enorme, também por permitir maior abrangência e capilaridade da forma de ingresso.

O processo seletivo da UFG hoje é realizado em quatro cidades: Goiânia, Goiás, Catalão e Jataí, mas por meio do sistema nacional, a abrangência sobe para 56 cidades, o que permite maior capilarização do acesso à universidade.

A estimativa é que pelo menos 95 mil candidatos realizem a prova do Enem em todo o Estado. Além disso, os custos para os estudantes se tornaram menores. A taxa do vestibular custava R$130, já o Enem cobra R$ 35 dos alunos da rede privada e é gratuito para os estudantes da rede pública.

Cursinhos

As escolas de ensino médio e cursinhos pré-vestibulares já se adaptam à mudança no regime de ingresso na UFG. De simulados voltados para as provas do Enem, hoje já existem muitos cursos exclusivos com foco no sistema de avaliação do governo federal, com a preparação de alunos passando a ser diferenciada e exclusiva.

A abertura de novas turmas específicas para o Enem também miram nesse modelo de provas mais dinâmicas , explica Leia Maia, coordenadora de um curso especializado para certificação de Jovens e Adultos, localizado no Centro de Goiânia.

O trabalho é moldado segundo a metodologia do Enem, com cursos anuais e simulados com modelo, formato e quantidade de questões igual a do exame nacional. “Um professor de biologia, por exemplo, trabalha com atualidades integrada com ecologia, da maneira como é tratada nas provas. A redação também segue os modelos de avaliação e correção aplicadas nacionalmente”, acrescenta ela.

Fonte: Jornal O Hoje