2 de junho de 2014

Seleção faz, de novo, festa para 'governador amigo' da CBF


Nenhum estado hospedou tantos amistosos do Brasil como Goiás, de Marconi Perillo

Seleção brasileira em Goiás, como será nesta terça-feira, em amistoso contra o Panamá,  virou rotina, principalmente quando quem manda no estado é o governador Marconi Perillo, do PSDB. Nenhum outro político é tão próximo da CBF, desde os tempos de Ricardo Teixeira até a chegada de José Maria Marin.

Prova disso é que durante os três mandatos do tucano (dois entre 1999 e 2006 e o atual, que começou em 2011) nenhuma cidade hospedou tantos amistosos da seleção no Brasil como Goiânia. Foram quatro jogos festivos na cidade sob o comando de Perillo, incluindo o Superclássico das Américas contra a Argentina.

A cidade ainda abrigou, durante uma das gestões de Perillo, um jogo das eliminatórias sul-americanas, em 2005, contra o Peru, e foi palco da maior parte da preparação para a Copa das Confederações no ano passado.

Agora, não terá só a vantagem de organizar outro amistoso. A Fifa exige que cada seleção que vai jogar a Copa do Mundo faça um treino aberto no Brasil. E a CBF escolheu justamente Goiânia para fazer isso, quando tem a chance de aproximar a seleção do povo sem cobrança de ingressos caros. Nesta segunda-feira, no Serra Dourada, o time de Felipão vai treinar diante dos torcedores goianos, que no final do ano irão às urnas para uma nova eleição de governador, em que Perillo irá concorrer.

A proximidade entre o governador tucano e a CBF é antiga. A confederação, inclusive, foi uma das que financiou a eleição dele ao Senado, em 2006, Na época, a entidade, então comandada por Ricardo Teixeira, doou R$ 50 mil à campanha de Perillo.

Ao levar o time para treinar em Goiânia no ano passado e agora para o amistoso contra o Panamá, a CBF também conforta o amigo governador pelo fato de a cidade ter sido preterida para ser uma das sedes do Mundial.

Fonte: Esporte Msn