28 de junho de 2014

Hugo 2: Funcionamento a partir de setembro


O governador Marconi Perillo visitou ontem, último dia permitido pela lei eleitoral para vistoria e inauguração de obras, o Hospital de Urgência da Região Noroeste, denominado Governador Otávio Lage de Siqueira ou Hugo 2.

As obras do hospital estão próximas da conclusão. O que está mais atrasada é a obra do prédio administrativo, que foi iniciado depois. Segundo o governador, serão necessários ainda cerca de três meses para a finalização de tudo.

Posteriormente, o hospital entrará na fase de montagem de equipamentos, formação de equipe para só então funcionar. O governador estava acompanhado de várias autoridades, servidores da saúde e da família do homenageado, o ex-governador Otávio Lage.

“É como acelerar um carro. Não é possível sair do zero e chegar direito aos 100 km/h. É preciso trocar marcha e acelerar aos poucos até chegar lá”, disse. Marconi relembrou as críticas que recebeu contra a entrega da gerência dos hospitais para organizações sociais e afirmou: “Diziam que íamos privatizar os hospitais. Isso não aconteceu, o que aconteceu foi apenas que estamos oferecendo ao público atendimento da qualidade dos hospitais privados”.

40%

O Hugo 2 começará a funcionar com 40% de sua capacidade e, segundo a SES, deverá atingir 100% em cinco meses. Durante a visita ontem, o presidente da Agência Goiana de Transporte e Obras (Agetop), Jayme Rincón, afirmou que 90% das obras do Hugo 2 estão concluídas.

No entanto, ainda não há previsão de quando a organização social (OS) Associação Goiana de Integralização e Reabilitação (Agir) assumirá a administração, o que só será feito após a conclusão do processo de chamamento público, que ainda está em fase preliminar e, portanto, ainda cabe recurso antes da assinatura do contrato e da homologação pela Procuradoria-Geral do Estado.

EQUIPAMENTOS

Em relação aos equipamentos, já chegaram ao hospital um tomógrafo de 64 cortes, que custou R$ 1,5 milhão, um raio-X de R$ 425 mil e 11 aparelhos de raio-X do tipo móvel, ao custo de R$ 85 mil a unidade.

Chegarão na próxima semana, de acordo com a SES, outro tomógrafo, três aparelhos de ultrassom e outros de raios-X.

Até o final de julho, deverão estar instalados outros equipamentos, entre eles, 472 camas elétricas hospitalares, 110 ventiladores pulmonares, monitores, desfibriladores e mesas cirúrgicas, entre outros, no valor total de R$ 30,7 milhões.

As obras do Hugo 2 tiveram início em maio do ano passado. O valor inicial previsto era de R$ 57,3 milhões.

Em março deste ano foi concluída a licitação para alterações e ampliação do projeto de construção da unidade, o que aumentou em R$ 72,6 milhões o custo previsto.

Com as alterações, o Hugo 2 receberá mais dois blocos, um prédio para a administração, mudanças nas redes pluvial e de esgoto e instalação de ar-condicionado.

Fonte: Jornal O Popular