7 de junho de 2014

Goiânia é cidade mais arborizada do Brasil


Censo 2010 do IBGE analisou municípios de mais de 1 milhão de habitantes. Goiânia, Campinas, Belo Horizonte, Porto Alegre e Curitiba estão no topo da lista

As ruas mais bonitas do mundo têm uma fileira de árvores dos dois lados da rua que, por cima, revelam um corredor verde. A arborização, que normalmente é pré-requisito para tornar uma rua bela, é um dos aspectos positivos de Goiânia e de outras quatro cidades brasileiras. Goiânia, Campinas, Belo Horizonte, Porto Alegre e a capital paranaense estão, nesta ordem, entre as cidades – acima de um milhão de habitantes – mais arborizadas do Brasil, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a partir de dados do Censo Demográfico 2010: Características urbanísticas do entorno dos domicílios. Goiânia tem 89,5% de arborização e Curitiba tem 76,4%.

Conservação

Pela primeira vez o censo trabalha com este critério, mas para o diretor da Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem (SPVS), Clóvis Borges, é preciso aprimorar o levantamento. “O fato de ter uma árvore perto de casa me permite falar sobre a qualidade de vida [sombra na rua], mas não da conservação da natureza”, diz ele. A questão é que uma árvore sozinha não garante a biodiversidade, tampouco ter uma rua cheia de árvores da mesma espécie. “O ideal seria que pelo menos a rua tivesse várias espécies diferentes de árvores nativas”, diz Borges.

Se as cidades fossem arborizadas como aponta o censo, diz Rodrigues, haveria outra situação de biodiversidade. “Haveria várias espécies de animais vivendo nas cidades e não apenas algumas”, diz.

O arquiteto de ambientes urbanos Luiz Paulo Coelho Reis assinala que seria bom se houvesse árvores frutíferas e de várias outras espécies em um mesmo ambiente. E que na hora de decidir qual espécie plantar, que se pensasse na sustentabilidade: as árvores consomem carbono em período de crescimento. “Escolher as que mais crescem ajudaria o planeta”, diz ele.

Saneamento
12% da população vive em áreas com esgoto a céu aberto

Agência Estado

Pelo menos 18,5 milhões de pessoas – quase a população de Minas Gerais – vivem em áreas urbanas com esgoto a céu aberto diante de suas moradias. Elas representam 12% da população pesquisada pelo IBGE no levantamento sobre o entorno dos domicílios. Os números do Censo 2010 mostram que 11% das moradias em áreas urbanas estão próximas a valas ou córregos onde o esgoto domiciliar é despejado diretamente. São 5,1 milhões de residências.

Um quarto (24,9%) dos domicílios pobres, com renda per capita mensal de até um quarto do salário mínimo, está diante de esgoto a céu aberto, proporção de cai para apenas 3,8% nas moradias com renda superior a dois salários mínimos por pessoa. Um terço (32,2%) das moradias da Região Norte tem esgoto a céu aberto no entorno. A menor proporção, de 2,9%, está no Centro-Oeste.

Sem favelas

Os resultados seriam ainda piores se o levantamento incluísse todos os domicílios de favelas, mas a pesquisa excluiu as “áreas sem ordenamento urbano regular”, equivalente à maior parte do território das favelas. Segundo o IBGE, foram analisados apenas os domicílios que estão em quadras ou quarteirões.

Os recenseadores encontraram 2,3 milhões de domicílios (5% do total), onde vivem 8 milhões de pessoas, com lixo acumulado na parte externa, na data da coleta de dados.

Bons índices

A iluminação pública é o item com melhores resultados na pesquisa e está no entorno de 96,3% dos domicílios de todo o país. A pavimentação também é bem avaliada, chegando a 81,7% das residências, ou seja, quase 20% dos domicílios urbanos brasileiros estão em ruas sem asfalto, paralelepípedo ou outro tipo de pavimentação.


Fonte: Gazeta do Povo