23 de junho de 2014

Aparecida, de dormitório a cidade universitária


Há pouco menos de uma década, Aparecida de Goiânia era tachada de “cidade-dormitório”, onde as pessoas vinham apenas para dormir, já que tinham de ir em busca de trabalho e estudo na capital de Goiás, que faz divisa com o município, ou até em outros Estados.

Com o desenvolvimento que chegou a Aparecida, aos poucos este rótulo foi mudando. Faculdades que já existiam aqui foram crescendo e ganhando espaço, credibilidade e valorização, e também outras faculdades, vindas de fora, procuraram se instalar na cidade.

Hoje, somando as faculdades que já existem e as que estão sendo construídas, chega-se ao número de 11. Dentro dessa realidade, a segunda maior cidade do Estado está se impondo e mudando o rótulo de cidade-dormitório e passando a ser chamada de “cidade universitária”.

Atualmente, Unifan, Faculdade Suldamérica, Faculdade Padrão, Fanap, Uniderp (Anhanguera), Uninter, Instituto Federal de Goiás (IFG), Universidade Estadual de Goiás (UEG), Universidade Federal de Goiás (UFG), Universidade de Rio Verde e UniEvangélica já são realidade em Aparecida de Goiânia, algumas funcionando e outras sendo construídas.

Cursos como Medicina, Direito, Engenharia, considerados os melhores e mais concorridos, também já são ministrados, inclusive no próximo dia 7 de julho haverá o primeiro vestibular para Medicina em Aparecida, que será realizado pela Universidade de Rio Verde, que inicialmente irá funcionar no prédio da Associação dos Empregados do Banco do Estado de Goiás (Asbeg), que fica no Jardim dos Buritis.

O acesso é feito pela Avenida das Palmeiras, uma via de pista dupla que será revitalizada.

A universidade irá ofertar em Aparecida 60 vagas por semestre, a mesma quantidade que o curso de Medicina do Campus Rio Verde.

Com a primeira turma de Medicina instalada e após o início das aulas, a Reitoria da Universidade e a prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, estudam assinar um convênio que possibilitará o acesso dos acadêmicos ao estágio no Sistema Único de Saúde (SUS).

Um dos maiores marcos na Educação Superior em Aparecida é a vinda da Universidade Federal de Goiás. Após realizar visita técnica ao campus da Universidade Estadual de Goiás (UEG), o prefeito Maguito Vilela e o reitor da Universidade Federal de Goiás (UFG), professor Orlando Afonso Valle do Amaral, confirmaram que o campus avançado da UFG em Aparecida funcionará temporariamente no prédio da UEG, que fica ao lado do Hospital de Urgências de Aparecida (Huapa).

A UFG já tem área de 500 mil metros quadrados disponível para construir o seu próprio campus. As obras devem começar neste semestre, mas o reitor Orlando do Amaral deseja iniciar as atividades da UFG imediatamente. Por isso, foi viabilizada a parceria com a UEG, que vai abrigar a UFG por enquanto. De acordo com a diretoria da UEG, caso necessite, a UFG pode funcionar no local até 2017.

A UEG de Aparecida possui uma área territorial de mais de seis mil metros quadrados, fica próxima ao Huapa, Instituto Federal de Goiás (IFG) e ao Polo Empresarial Goiás. A Prefeitura de Aparecida irá custear a locação do prédio temporário, além de ceder servidores para cuidar da limpeza e da segurança do espaço.

O primeiro vestibular da UFG em Aparecida será realizado para o curso de Engenharia de Produção. Em 2015, a universidade ofertará também os cursos de Geologia, Engenharia de Materiais, Engenharia de Transportes e Engenharia Química.

O campus avançado da UFG será construído na região leste de Aparecida, próximo ao Parque Industrial José Alencar. De acordo com o reitor, o processo licitatório para a execução das obras já está no estágio final.

A Associação Educacional Nossa Senhora Aparecida (Aensa), mantenedora da universidade, foi originalmente instituída com o objetivo de atuar nos níveis de ensino fundamental, médio e curso pré-vestibular.

Logo após a sua autorização, a instituição decidiu migrar para a educação superior, considerando a inexistência desse nível de ensino no município de Aparecida de Goiânia e a necessidade crescente dos jovens que concluíam o ensino médio e a Educação de Jovens e Adultos (EJA).

Primeira faculdade

Aparecida de Goiânia passava a contar com a sua primeira instituição de ensino superior: a Fanap, em 1996, quando foi dado o primeiro passo de uma iniciativa arrojada: implantar uma instituição de ensino superior no município. Para muitos, tal ação seria uma utopia, entretanto, para os diretores da instituição, um objetivo realizável, desde que houvesse integral dedicação e empenho para atingi-lo.

A Faculdade Padrão obteve aprovação do Ministério da Educação e Cultura (MEC) para entrar em funcionamento em 1998, iniciando suas atividades com o Curso de Administração Hoteleira (Portaria nº 1.459/1998), em 01/03/1999.

A Faculdade Alfredo Nasser (Unifan) foi credenciada pela Portaria MEC nº 1.682, de 19/10/2000, publicada com funcionamento dos cursos de Letras e Pedagogia, licenciaturas.

No ano de 2002, foi implantado o Instituto Superior de Educação (ISE).

Para o Professor Alcides, fundador e presidente da Faculdade Alfredo Nasser (Unifan), a faculdade não nasceu isoladamente. Ela é fruto de um projeto iniciado em 1968, com uma sala de aula, para o ensino fundamental. Essa sala de aula deu início ao Educandário Alfredo Nasser, que cresceu até abrigar várias turmas de todas as séries entre o 1º ano do ensino fundamental e o 3º do ensino médio.

“Nesse período em que a escola foi crescendo, pude conhecer a cidade de Aparecida de Goiânia, criar um vínculo com o seu povo. Esse conhecimento e esse vínculo me mostraram a necessidade de uma faculdade com cursos como Farmácia, Fisioterapia, Biomedicina, Ciências Contábeis, Administração de Empresas, Letras Vernáculas, Pedagogia e Direito na cidade. Essa faculdade deveria oferecer ensino de qualidade, ao preço que os aparecidenses pudessem pagar. Em linhas gerais, foi assim que nasceu a Faculdade Alfredo Nasser, que hoje tem 17 cursos de graduação e dez de pós-graduação. Vários dos nossos cursos de graduação estão entre os de melhor desempenho no Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes), através do Exame Nacional de Desempenho do Estudante (Enade)”, ressaltou o Professor Alcides.

Para o professor Walter Paulo, fundador e administrador da Faculdade Padrão, Aparecida é uma das principais cidades do Estado e do País. “Como empreendedor, vejo Aparecida como um grande horizonte de oportunidades. Entendo também que investir em educação é investir em desenvolvimento e, naturalmente, em melhoria de qualidade de vida. Como a Faculdade Padrão valoriza a educação e quer o crescimento de Aparecida, abrir a instituição foi uma decisão que só reforça nossa vocação e nosso amor por essa cidade”, pontuou o professor Walter Paulo.

Tentamos contato com o proprietário e diretor da Faculdade Suldamérica, Valdemar Suldamérica, na última sexta-feira, mas seu celular estava desligado. (Thais Vaz)

Fonte: Diário de Aparecida