17 de abril de 2014

Tarifa do transporte sobe para R$ 2,80


CDTC anunciou aumento após longa reunião ontem

De R$ 2,70 para R$ 2,80. Este é o novo valor da tarifa do transporte coletivo da Grande Goiânia a partir do próximo dia 3 de maio. A decisão saiu ontem à noite após reunião de mais de cinco horas, no Paço Municipal, com os 11 membros que integram a Camara Deliberativa do Transporte Coletivo (CDTC).

Ao anunciar o novo valor da tarifa, o presidente da CDTC e secretário estadual de Infraestrutura, Cidades e Assuntos Metropolitanos, João Balestra, ressaltou que, além de demorada, a dicussão sobre o reajuste foi dura. “Após mais de três meses de discussão, não justificaria termos uma reunião rápida, sabendo que os usuários do transporte coletivo vivem momentos de muita angústia, em razão da qualidade do serviço que atualmente é oferecido a eles. Não foi uma reunião fácil, mas foi uma resposta rápida para podermos oferecer um transporte de qualidade”, disse o presidente da CDTC.

Além do novo valor da tarifa também foi discutido e definido no encontro dez medidas pontuais de curto e médio prazo para uma efetiva melhora no transporte coletivo da capital. Entre elas se destacam o incremento de 150 ônibus no sistema, dos quais 91 devem ser inseridos dentro de 30 dias e o restante em 60 dias; renovação da frota, com a compra de 300 novos ônibus que deverão começar a rodar apartir de julho deste ano; volta do programa Ganha Tempo a partir de outubro deste ano; instalação de 6 mil câmeras de segurança nos ônibus; esses equipamentos deverão ter link em tempo real junto a Central de Controle Operacinal da Rede Metropolitana do Transporte Coletivo (RMTC), com a Secretaria de Segurança Pública e com a Companhia Metropolitana de Transporte Coletivo (CMTC).

Voto vencido

Entre os 11 integrantes da CDTC, apenas o prefeito de Senador Canedo, Misael Oliveira, votou contra o aumento da tarifa. “Eu não concordo, em ter-se um aporte de R$ 4 milhões e meio do governo do Estado para este ano e outro aporte de mais R$ 4 mihões e meio para o ano que vem, ainda sim dar aumento de tarifa. O que eles têm de mostrar primeiro é a melhoria do serviço”, criticou o prefeito.

De acordo com a presidente da CMTC, Patrícia Veras, inicialmente o calcúlo para o novo valor da tarifa poderia chegar a R$ 2,90, mas, segundo ela, com o aporte dos governos do Estado e federal, “felizmente reduziu esse reajuste para R$ 2,80”.

Patrícia Veras, durante a coletiva que se seguiu ao anúncio do novo valor da tarifa, não detalhou os critérios que levaram ao número de R$ 2,80 e limitou-se a dizer que a fórmula de cálculo seguiu o que estabelece o contrato de concessão com as operadoras do sistema. Questionada sobre o provável sumiço dos bilhetes de sitpass ao se anunciar a nova tarifa, a presidente da companhia respondeu que o órgão irá fiscalizar e tentar coibiar o problema. “Solicitamos inclusive que os usuários denunciem esse tipo de situação”, solicitou.

A crise no transporte coletivo de Goiânia teve início em junho do ano passado quando a Prefeitura de Goiânia anunciou um reajuste dos atuais R$ 2,70 para o valor de R$ 3. A decisão gerou uma série de protestos, muitos violentos, como o que aconteceu no Campus Samabaia da UFG em que um ônibus foi incendiado. Após uma onda de protestos violentos, um estudo do Procon Estadual apontando que o aumento seria abusivo e uma decisão judicial, Prefeitura teve de voltar atrás e retornar ao valor de R$ 2,70. A partir de então, as discussões e negociações sobre a necessidade ou não de se aumentar a tarifa se seguiram até a noite de ontem quando foi defindo o novo valor.

Fonte: Jornal O Hoje