22 de março de 2014

Estado receberá industria de Lâmpadas de LED


Protocolo de intenções assinado entre o governo de Goiás e a Eletroima Engenharia de Energias prevê instalação em Gameleira de unidade pioneira na América Latina, que irá produzir também painéis solares fotovoltaicos ultrafinos; serão investidos cerca de R$ 23,6 milhões no empreendimento; expectativa é que sejam gerados 4.180 empregos diretos e indiretos

Foi assinado nesta sexta-feira (21) protocolo de intenções entre o governo estadual e a empresa Eletroima Engenharia de Energias para a instalação de uma unidade industrial em Gameleira de Goiás. A fábrica, a primeira do tipo na América Latina,  irá produzir lâmpadas LEDs para iluminação pública e painéis solares fotovoltaicos ultrafinos (utilizados na geração de energia solar). Serão investidos cerca de R$ 23,6 milhões no município. A expectativa é que sejam gerados 4.180 empregos diretos e indiretos. A solenidade foi no 10º andar do Palácio Pedro Ludovico Teixeira. A atração desses investimentos ocorreu devido ao programa de incentivos fiscais estadual, por meio do Produzir.

 “Caminhamos de forma célere na desconcentração do desenvolvimento estadual, com foco na interiorização do desenvolvimento”, ressaltou o governador Marconi Perillo. Ele informou que Gameleira está recebendo  infraestrutura  para a logística, inclusive com o asfaltamento da rodovia que dá acesso a Anápolis e a que dá acesso à Silvânia. O município que tem cerca de quatro mil habitantes, foi escolhido pela Eletroima devido a infraestrutura logística. O presidente da empresa, Mário Sérgio Moreira, esclareceu que foi feito um estudo para verificação se havia mão de obra abundante na região para trabalhar na fábrica. O projeto para a instalação da unidade industrial foi encaminhado para a Secretaria de Indústria e Comércio (SIC) em setembro do ano passado e foi aprovado. “O Estado de Goiás tem um compromisso com o crescimento”, avaliou Moreira. A unidade da Eletroima em Gameleira vai produzir 300 metros quadrados de painéis solares por dia e 70 mil lâmpadas por ano.

O secretário de Indústria e Comércio, Rafael Lousa, expôs que os últimos protocolos assinados têm sido direcionados à política de desenvolvimento do Estado de diversificar as cadeias produtivas e agregar novos segmentos à economia goiana, além de interiorizar o desenvolvimento. “Estamos seguindo uma estratégia de integração do Estado como um todo. A aplicação dos recursos em municípios que estão próximos de  grandes polos tem como estratégia fazer a integração da economia. Goiás já tem uma política muito atrativa entre os estados e, logicamente no mercado global, o nosso posicionamento tem sido muito competitivo”. Ele destacou a importância dos municípios participarem disso.

O prefeito de Gameleira de Goiás, Gilberto Galdino de Souza, afirmou que a chegada dessa indústria vai representar um renascimento para a cidade. “Hoje nós temos uma demanda por empregos e uma arrecadação baixa no município. Vai ter uma geração socioeconômica muito grande para o cidadão, para a juventude e também para o Estado”, argumentou.

Meio Ambiente

O governador destacou também que Goiás caminha para se tornar uma das principais matrizes de geração de energia renovável. “Essa planta vai colaborar com eventuais desdobramentos em relação a energia fotovoltaica”. Ele pontuou que o Estado tem uma matriz muito forte ligada à hidroeletricidade, onde (incluindo usinas que estão nas divisas e interior)  são gerados aproximadamente dez mil megawatts de energia. O Estado também é um grande cogerador de energia a partir do bagaço da cana. Das 37 usinas de etanol, 19 já fazem a cogeração produzindo dois mil megawatts de energia.

 “Nós temos algumas plantas de biodisel também que gerarão combustível e energia. Estamos procurando viabilizar o primeiro consórcio de geração de energia solar, cujo projeto piloto deve ocorrer em Goianésia, onde a planta de cogeração irá produzir  à noite e durante o dia. Haveria um consórcio de energia solar”, explicou.

Fonte: Brasil 247