14 de fevereiro de 2014

Novo Autódromo: Pilotos testam novo asfalto



Goianos avaliam circuito, que passa por reforma.Eles elogiam recuperação da pista. Obras do autódromo de Goiânia estão em fase final

A reforma do autódromo de Goiânia, iniciada em outubro do ano passado, já está em fase adiantada em alguns setores. Um deles é a pista, que começa a receber a última camada asfáltica. A previsão é que, até o fim do mês, a massa asfáltica esteja colocada.

Com a pista em fase de acabamento, a principal novidade foram os testes feitos por pilotos goianos de automobilismo e motovelocidade, que deram as primeiras voltas no novo circuito, a convite da Agência Goiana de Transporte e Obras (Agetop). O objetivo foi, antes de entrar na fase de acabamento, detectar defeitos e apontar diretrizes para corrigi-los.

Ex-piloto e campeão brasileiro da Stock Car (1982) e de outras categorias de turismo, Alencar Júnior foi para a pista, a bordo de um Corvette, na terça-feira, para dar cerca de 40 voltas no circuito. Alencar pilotou na companhia de engenheiros, técnicos e, depois, dirigiu só. Mais tarde, ele deu voltas num protótipo, da Fórmula Millenium, cedido pelo piloto José Maria Reis.

“É (reforma) um serviço de primeira qualidade. Há pequenos detalhes, que precisam de correção”, disse Alencar, citando a curva 1 como o principal ponto de correção. Segundo ele, “por causa da trepidação, para fora”, gerada por algumas emendas. Isso será sanado, de acordo com Arthur Heitor, engenheiro responsável pela infraestrutura. O engenheiro disse que, de agora em diante, não serão mais feitas emendas nas curvas.

João Ricardo, Edson Morales e Vinícius Maia, que disputaram nos últimos anos títulos no Estadual de Motovelocidade, também testaram a pista. João deu cerca de 20 voltas e elogiou a reforma. Ele e colegas pediram que fossem feitos pequenos reparos na entrada da ferradura e na curva zero.
A colocação da última camada de acabamento poderá iniciar hoje. “Se não estiver chovendo. Depende de condições climáticas, mas tudo caminhará conforme o cronograma das obras”, frisou o engenheiro Arthur Heitor.

Segundo ele, após a colocação da camada, serão cerca 15 dias de completo isolamento da pista para cura do asfalto. Serão usados 3,5 cm de espessura de composto, chamado polímero – técnica que torna o asfalto mais poroso e facilita a circulação da água.

Prova de reabertura está prevista para junho

A reforma do autódromo de Goiânia estava prevista para ficar pronta até o fim de março. Porém, houve a necessidade de esticar um pouco mais o tempo de trabalho por causa das chuvas do ano passado. Assim, a prova de reabertura, da Stock Car, que seria realizada em Goiânia no dia 27 de abril, foi transferida para o dia 1º de junho.

Houve a necessidade de fazer um aditivo ao orçamento inicial. O acréscimo foi para atender a algumas demandas, segundo o presidente da Agência Goiana de Transporte e Obras Públicas (Agetop), Jayme Rincón, que não estavam contempladas no projeto.

Ele não citou o valor do aditivo, mas frisou que não é elevado e vai servir para “melhorar a qualidade do autódromo, como na irrigação, monitoramento, a ampliação do estacionamento, estrutura de transmissão de TV e ampliação das guaritas (sete).”

O autódromo, no projeto inicial, custaria cerca de R$ 28 milhões. Após a reabertura, em junho, deve sediar duas provas do calendário da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), até o fim do ano.

Fonte: Jornal O Popular