22 de janeiro de 2014

Usuários do transporte público protestam no Terminal da Bíblia e local está interditado



Protesto começou pouco antes das 7h, por conta dos recorrentes atrasos e lotação máxima dos veículos.

Esta quarta-feira (22/1) começou tumultuada para os usuários do transporte público que passam pelo Terminal da Bíblia, entre os setores Universitário e Vila Nova. A má qualidade do serviço prestado –– atrasos e lotação máxima –– levaram os usuários a iniciarem antes das 7h uma manifestação no local, que encontra-se bloqueado. Não entram e nem saem ônibus, causando atraso ainda maior também em outros terminais.

A Polícia Militar está no local e há informações de confronto com manifestantes. Também há funcionários da Secretaria Municipal de Trânsito (SMT). A reportagem do Jornal Opção Online está no local e o clima é de apreensão e nervosismo, já que muitas pessoas chegarão atrasadas nos serviços e aulas.

A linha do Eixo Anhanguera, que corta o terminal, também foi bloqueada, pois a pista preferencial encontra-se ocupada pelos manifestantes e policiais militares, que realizam um cordão de segurança ao redor dos ônibus para evitar a depredação. Até o momento, nenhum veículo foi danificado.

De acordo com Zeunido José Marinho, funcionário da Cooperativa de Transportes do Estado de Goiás (Cootego), responsável pelos ônibus que fazem a linha 019 Terminal da Bíblia-Terminal do Cruzeiro, mais de seis veículos estão prontos para saírem, mas estão parados por conta do bloqueio.

Confusão entre PM e manifestantes durante desbloqueio do terminal Praça da Bíblia






Paralisação começou por volta das 7h da manhã. Uma longa fila dos ônibus articulados da Metrobus se formou na Avenida Anhanguera, sentido centro-rodoviária

A tentativa de desbloquear a pista do terminal da Praça da Bíblia, entre os setores Leste Universitário e Vila Nova, em Goiânia, terminou em empurra-empurra na manhã desta quarta-feira (22/1). Policiais militares tentaram retirar à força usuários do transporte coletivo que bloqueavam a Avenida Anhanguera. No entanto, alguns deitaram no chão, o que gerou confusão. O motivo damanifestação foi o atraso, principalmente, de ônibus que fazem a linha 019 (Praça da Bíblia-Terminal do Cruzeiro).
A ação da PM provocou a reação dos usuários –– que gritaram indignados com a atitude dos policiais. Enquanto alguns militares puxavam e empurravam manifestantes, outras pessoas também o faziam para tentar protegê-los. Um jovem teve escoriações no cotovelo esquerdo. A polícia, por meio de negociação, conseguiu liberar parte da pista por onde passa os veículos do Eixo Anhanguera, da Metrobus. Contudo, os carros da que atuam na Rede Metropolitana do Transporte Coletivo (RMTC) não puderam circular.
Por volta das 9h30 alguns ônibus voltaram a circular pelo lado de fora do terminal. Mas o trânsito dentro do local ainda estava bloqueado até às 11h. Cerca de 50 manifestantes permancem na estação, que começou com cerca de 400 pessoas. A possibilidade de chamar a Tropa de Choque da PM para liberar o local havia sido descartada momentos antes, de acordo com o capitão Sandro Botelho Cardoso.
Metrobus
A estatal que administra os terminais existentes ao longo do eixo, a Metrobus, divulgou nota a respeito da paralisação dos serviços. Leia, abaixo, texto na íntegra.
Sobre as manifestações no Terminal Praça da Bíblia na manhã dessa quarta-feira, a Metrobus esclarece que é responsável pela operação, manutenção e conservação somente dos ônibus do Eixo Anhanguera, suas 19 plataformas e 5 terminais de integração instalados ao longo do corredor - Padre Pelágio, Dergo, Praça A, Praça da Bíblia e Novo Mundo. A manutenção do Terminal Praça da Bíblia é feita diariamente e as reclamações que motivaram o protesto não são a respeito dos ônibus do Eixo Anhanguera, operados pela Metrobus.
Fonte: Jornal Opção 
Fotos: Marcello Dantas