14 de janeiro de 2014

Estudantes: Goiás terá 3 mil vagas de estágio até março


Oportunidades são para cursos como Direito, Engenharia, Pedagogia, Administração e Contábeis.

Até março, cerca de 3 mil vagas de estágio devem ser preenchidas por empresas em Goiás intermediadas pelo Centro de Integração Empresa-Escola (Ciee) e Instituto Euvaldo Lodi (IEL). A maior parte delas será para reposição dos contratos que completaram dois anos (período máximo permitido por lei numa mesma empresa) e de alunos que terminaram os estudos. Mas também estão contabilizadas nesse montante as novas vagas criadas pelas firmas a partir de projetos ou com o reforço de departamentos.

Atualmente, o maior número de oportunidades são para alunos dos cursos de Administração, Ciências Contábeis, Direito, Engenharia, Economia, Pedagogia e Educação Física. As bolsas, em média, variam de R$ 700 a R$ 1 mil, para uma carga horária máxima de seis horas diárias (mas há vagas com remunerações de até R$ 1.500).

No Ciee, cerca de 20% das vagas são para o ensino médio, cujas bolsas vão de R$ 400 a R$ 600. Estudantes de nível técnico também podem concorrer. No Instituto Euvaldo Lodi (IEL) em Goiás, ligado à Federação da Indústria no Estado (Fieg), estão abertas, neste momento, 422 vagas.

Segundo o supervisor do Ciee em Goiás, Guilherme Rosa, o estágio é a principal porta de entrada para o recém-formado no mercado de trabalho – 64% dos estudantes cadastrados na instituição conseguem o primeiro emprego depois de complementarem a formação na empresa.

“A vantagem para o estagiário é que ele ganha uma oportunidade onde, normalmente, não teria chance de concorrer, já que não possui experiência suficiente para disputar com outro profissional. E para o empresário, há muito mais certeza de que vai poder contratar um jovem com o perfil adequado para a vaga”, destaca.

A universitária Anna Cecília Miller, de 24 anos, está no 7º período de Engenharia Civil e é estagiária numa obra importante para o Estado: o novo Santuário do Divino Pai Eterno, em Trindade, que ocupa uma área de 124 mil metros quadrados e terá uma torre de 110 metros. Assumidamente apaixonada pela atividade, Anna Cecília afirma que está tendo um aprendizado contínuo com o estágio e, por isso, não enxerga a experiência apenas como obrigatoriedade curricular para a obtenção de nota. Ela se dedica também porque sabe que é uma grande chance de conquistar uma vaga de trabalho ao final do curso.

“Vários colegas que se formaram e que se destacaram no estágio foram contratados. Por isso, quero mostrar também que estou empenhada”, frisa a estudante, que também tem uma dica para quem tem dúvidas sobre o estágio: “Começando mais cedo, a gente reduz a insegurança inicial e se prepara melhor para o primeiro emprego.”

Na Toctao Engenharia, boa parte dos engenheiros contratados começaram a atuar na empresa como estagiários. Para a empresa, o investimento em novos talentos funciona como uma prática de sustentabilidade indispensável para a sua perenidade.

PERFIL

Pela Lei do Estágio, é preciso ter, no mínimo, 16 anos para pleitear uma vaga numa empresa, conforme a área específica em que estuda, Não é exigida experiência. Tanto no Ciee como no IEL, é possível se candidatar a uma das oportunidades pelos respectivos sites (veja quadro). No Centro de Integração Empresa-Escola também é possível preencher o cadastro na sede da instituição, localizada no Centro (Rua 3, nº 1.245).

Entretanto, uma das dificuldades em preencher as vagas ainda é o perfil comportamental do aluno. “O estudante hoje recebe muitas informações com a internet, mas ainda falham muito no comportamento adequado no ambiente de trabalho, na postura durante a entrevista de emprego e até na maneira de redigir o currículo. Essas atitudes os tiram de boas oportunidades de estágio, que é o primeiro degrau da carreira profissional”, relata Guilherme Rosa.

Fonte: Jornal O Popular