6 de dezembro de 2013

Santa Genoveva: Previsão de aeroporto lotado


Infraero espera mais de 280 mil passageiros em dezembro e diz que adotou medidas para reduzir problemas.

Mais de 280 mil passageiros devem passar pelo Aeroporto de Goiânia em dezembro pelas estimativas da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero). Isso representa um aumento de 7,8% no movimento em relação ao mesmo mês do ano passado.

O acréscimo de movimento no fim de ano, com o aumento das filas, falta de assentos, de vagas de estacionamento e demais problemas, potencializado pelas férias escolares, pelo Natal e pelo réveillon, é esperado pela estatal, que afirma tomar algumas medidas para minimizar o desconforto. “O planejamento para o atendimento à alta temporada envolve o reforço das atividades operacionais, de atendimento direto ao público e de manutenção e limpeza”, informou a Infraero por meio de nota.

A Infraero informou ainda que “funcionários circularão pelos saguões e áreas públicas para orientar passageiros e usuários, sendo identificados pelo colete amarelo com o texto Posso Ajudar/May I Help You?”. A reportagem esteve na tarde de quarta-feira, das 16 às 17 horas, no Aeroporto Santa Genoveva e constatou a presença de um destes servidores. Naquele momento, no entanto, não havia superlotação. Enquanto isso, de acordo com a estatal, as obras para amenizar os problemas com a lotação, através da construção do novo terminal, avançam.

HORÁRIOS

O aeroporto de Goiânia concentra movimento em alguns horários específicos, em que aeronaves chegam de outros destinos - principalmente da Região Sudoeste - e logo partem de volta. Entre as 7 e às 9 horas e das 17 às 19 horas há diversos voos chegando e partindo. A rápida passagem faz com que o saguão receba pessoas que aguardam quem chega e também passageiros que embarcarão nos voos. Em consequência, o estacionamento lota e os assentos na área interna não atendem a demanda.

O executivo André Rocha, presidente do Sindicato da Indústria de Fabricação de Etanol do Estado de Goiás (Sifaeg), viaja a trabalho três vezes por semana. Ele percebe o movimento maior no fim de ano, especificamente nestes horários, principalmente porque as companhias acumulam voos. Em outros horários, o saguão está vazio e não é preciso enfrentar fila nem para o check-in.

“Sinto que tem menos voos. E as companhias mudaram horários de voos para Brasília e São Paulo”, afirma Rocha, sobre os destinos para os quais mais viaja. Dados da Infraero apontam que o aeroporto continua a ter os 37 voos que tinha antes da reforma da pista, que durou de março a julho. Naquele período houve redução de voos porque a pista ficou interditada das 21 às 7 horas. O executivo também reclama do valor cobrado pelas companhias: “O preço para São Paulo e Brasília explodiu”, afirmou, enquanto esperava o voo da TAM para a capital paulista.

O POPULAR tentou contato com a Associação Brasileira de Agências de Viagens em Goiás, para obter dados sobre as vendas de pacotes de fim de ano, mas não conseguiu contato no telefone fixo nem obteve retorno por e-mail.

Goiás fora do Programa de Voos Regionais

Goiás ficou de fora do Programa de Aviação Regional do governo federal, que vai investir recursos na construção e adequação de 270 aeroportos no País. A intenção da Secretaria de Aviação Civil (SAC) da Presidência da República é oferecer alternativa às viagens de ônibus. A SAC informa que os locais que receberão o benefício foram escolhidos tecnicamente e que Goiás pode ser contemplado em outra etapa.

A aviação regional regular está em baixa no Estado. De acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), apenas uma cidade do interior goiano recebe voos regulares: Rio Verde. A aeronave trafega entre a cidade e Campinas (SP), em voo operado pela Trip Linhas Aéreas. Caldas Novas recebe voos frequentes, mas não são regulares – são aviões fretados, geralmente por empresas de turismo.

Empresa diz ter feito 9% da obra do novo terminal

O Consórcio Odebrecht-Via Engenharia informou que já está com 9% pronto da obra do novo terminal de passageiros do Aeroporto Santa Genoveva, em Goiânia. O serviço começou no fim de outubro, quando foi assinada a ordem de serviço pelo consórcio e pela Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero). As obras ficaram paradas quase sete anos.

De acordo com a assessoria da Odebrecht, já foi feito o estaqueamento da fundação dos módulos adicionais do TPS, do tanque de termoacumulação e da cisterna de água potável e está praticamente concluído o canteiro definitivo, o que representa 9% do contrato. Pelo cronograma, era para ter sido concluído 8%, segundo a empresa.

Atualmente, o consórcio trabalha nos blocos de fundação e as cortinas de contenção dos módulos adicionais e um trecho da laje do primeiro pavimento, além da fundação de uma das escadas de incêndio. Ainda neste mês, cerca de 500 funcionários vão começar a execução da laje do primeiro pavimento. A obra deverá ser entregue em março de 2015.

Fonte: Jornal O Popular