26 de dezembro de 2013

Reforma Autódromo: Atraso exige ajuste de calendário


Obras são prejudicadas pelas chuvas e primeiras provas, incluindo Stock Car, devem ser realizadas em junho.

As chuvas deste mês terão reflexo no prazo de entrega da reforma do Autódromo de Goiânia, que começou em outubro. Agendada inicialmente para 27 de abril, a reinauguração foi adiada para 1º de junho, o que representa atraso de 34 dias, e afeta o calendário da Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA), já que a etapa de abertura da Stock Car ocorreria na capital.

Descartadas pela Agência Goiana de Transporte e Obras (Agetop), a princípio, como fator que poderia prejudicar o andamento da reforma, as chuvas agora são a justificativa dada pelo órgão e pela Construtora Artec para o atraso. A parte mais prejudicada é a pista, que receberá novo revestimento.

O circuito é a única área do autódromo em que não houve funcionários trabalhando nesta semana. Nos demais setores, 200 operários estavam envolvidos na obra, orçada em R$ 27 milhões. Mas a movimentação variava de acordo com o volume da chuva (veja quadro).

O circuito passou pelo processo de fresagem – remoção do revestimento antigo – e os 3.835 metros foram rebaixados em 10 cm. Apesar da aplicação da primeira camada do Concreto Betuminoso Usinado a Quente (CBUQ), com composto plástico, não depender do período de seca, só 300 metros da pista receberam a manta impermeabilizante e 5 cm do asfalto especial.

A segunda camada de CBUQ tem de ser aplicada de forma contínua e sem chuvas durante o procedimento para evitar imperfeições no circuito. “A pista é a última coisa a se fazer. Sem chuva, fazemos em 30 dias. Depois (da conclusão), a pista não pode ser usada por dez dias”, conta o engenheiro da Artec, Sandro Oliveira. A empreiteira voltará a recapear a pista no final de março ou início de abril.

O cronograma que está no processo licitatório estima execução da reforma em 150 dias, mas a construtora informa que o prazo é de 300 dias. “Não adianta querer correr com a obra para entregar e apresentar problema”, diz o presidente da Agetop, Jayme Rincón, que tem apoio da Federação Goiana de Automobilismo (Faugo).

O calendário de provas regionais de 2014 não foi elaborado por depender da conclusão do autódromo. “Esperamos essa reforma por 12 anos. Dois meses a mais ou a menos não significam nada”, diz o presidente da Faugo, Ney Lins, que não conseguiu contato com a Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA), em recesso, para mudar a data da prova de Stock Car, em Goiânia. “Ainda não foi acertado. Estamos mudando o calendário da CBA em função de Goiás”, admite.

Ney informou que a etapa da Stock Car deve inaugurar o autódromo, no dia 1º de junho. No domingo seguinte, dia 8, ocorreria uma corrida da Fórmula Truck. Contudo, as confirmações dependem da homologação do local pela Federação Internacional de Automobilismo (FIA). A vistoria deve ser remarcada para maio.

Arquibancada é retirada do projeto

O projeto original de reforma do Autódromo de Goiânia já sofreu alterações e alguns remanejamentos de recursos. Uma das mudanças estruturais é a de não construir a arquibancada descoberta, que, segundo o presidente da Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop), Jayme Rincón, descaracterizaria o local inaugurado em 1974. A pista, originalmente, foi projetada para ser circundada por grama, que está sendo substituída, justamente para o autódromo ter grande capacidade de público: 100 mil pessoas.

Segundo Rincón, a verba destinada à arquibancada foi remanejada para câmeras de monitoramento, vigilância e aferição de tempo (sistema de cronometragem), que não estavam previstos na licitação.
O presidente da Federação Goiana de Automobilismo (Faugo), Ney Lins, contou sobre a possível construção de pista paralela (900m) à reta dopara as provas e apresentações de arrancada. (PF).

Fonte: Jornal O Popular