4 de dezembro de 2013

Hugo ganha mais 100 leitos de UTI


O governador Marconi Perillo e o secretário de Saúde, Antônio Faleiros, receberam, na manhã de ontem, a visita do presidente do Hospital Albert Einstein, Dr. Cláudio Lottenberg, no Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo). Cláudio Lottenberg veio a Goiânia para avaliar a reforma que vem sendo realizada no hospital após a transferência da administração para a Organização Social (OS) Instituto Gerir, há um ano.

Após vistoriar as reformas que foram realizadas, como a ampliação em 30% dos leitos de UTI (hoje são 70 leitos), da ala de enfermaria e outros espaços do hospital, Lottenberg avaliou como positivo o processo de desenvolvimento do Hugo e considerou que o controle tecnológico implantado no hospital, por meio de plataforma informatizada, é um ponto positivo que também coloca o Hugo à frente de muitos hospitais do País.

O presidente do Hospital Albert Einstein disse estar surpreso com a estrutura e a administração do Hugo. “Saio muito surpreso deste hospital, que tem se tornado uma referência para aquilo que nós assistimos no País. Conheço muitos hospitais no Brasil afora e posso garantir que temos aqui uma reta ascendente; a tendência é muito positiva. O governo de Goiás está extremamente bem naquilo que se propõe a fazer. É claro que ainda há muito o que fazer, porque saúde é um desafio permanente, mas acredito muito na questão da Organização Social porque ela traz leveza ao processo de administração, coisa que a contratação direta não traz. É uma ferramenta que vai ter que ser adotada, é um caminho sem volta porque é uma mecânica que favorece o cidadão.”

Mesmo com as transformações que já foram feitas no Hugo desde que o Instituto Gerir assumiu a administração do hospital, ainda existe projeto de ampliação da UTI para 100 leitos. Ao visitar o Hugo após um ano, o governador disse que as mudanças foram positivas, mas ponderou que só ficará inteiramente satisfeito quando todas as reformas estiverem prontas. “Agora temos o projeto de 100 leitos de UTIs, que é um desafio nosso. Vamos fazer isso com a transformação do 3º andar, que hoje é utilizado pela administração do hospital. Nele, atenderemos também os pacientes de enfermarias e teremos os restantes dos leitos de UTI”, afirmou Marconi Perillo.

Rede Hugo

Marconi disse que o projeto é concluir toda a reforma do Hugo até o final do próximo ano e as UTIs, em cinco meses. “Ficarei satisfeito quando concluirmos essa revolução que está sendo feita nos hospitais do Estado dentro da Rede Hugo, que chegará ao final do próximo ano com nove hospitais de urgências espalhados por todas as regiões. Ainda temos um problema grave, que são as pessoas que ficam em macas porque as prefeituras enviam para o Hugo pacientes que deveriam receber os primeiros atendimentos nos postos de saúde. Infelizmente, muitas delas não cumprem o seu dever e acabam sobrecarregando o Hugo. Mas isso não significa que estejamos fugindo da nossa responsabilidade. Pelo contrário, estamos nos desdobrando para atender a todos que precisam”, elucidou.

Fonte: Diário de Aparecida