2 de novembro de 2013

Novo Horizonte: Abandono irrita vizinhos da Praça da Juventude


Construtora teria parado obra, contrários à obra, devido à falta de pagamento pela Prefeitura.

As placas de informação sobre a obra da Praça da Juventude, no Setor Novo Horizonte, passaram por alterações. Panfletos foram colocados por populares que perguntam: “Você sabe cadê o seu dinheiro que era para ser aplicado nesta obra?”. O detalhe mostra a indignação dos vizinhos, que já eram contrários à obra em 2011, quando foi licitada, e hoje estão ainda mais incomodados pelo abandono.

O comerciante Júlio César Alexandre, de 57 anos, mora há mais de 30 anos em frente ao local que seria a praça. “Ninguém aqui queria que mexessem aí, pois era uma área verde muito bonita, que tinha apenas o campo de futebol, um parquinho para as crianças e os bancos de concreto”, diz. A maioria das árvores teriam sido plantadas pelos próprios moradores. “Derrubaram as árvores, começaram a trabalhar e largaram tudo como está.”

A reportagem do POPULAR esteve na Praça da Juventude na última semana, onde restos de tijolos e montes de britas tomam conta da parte central. Os bancos foram retirados e o local se tornou moradia e esconderijo para moradores de rua e usuários de droga. “As pessoas são assaltadas aqui constantemente, porque os malas se escondem nestes restos de construção”, conta Alexandre. A pista de cooper, mesmo sem condições, ainda é usada pela população, mas todo o resto está abandonado.

A maior reclamação da população local, segundo Alexandre, é pela derrubada das árvores. “Aqui era tudo muito bonito, os próprios moradores tinham apreço pelo local, mas derrubaram tudo para abandonarem a obra”, conta. O campo de futebol continua na praça, mas já sem os bancos ao redor que recebiam torcedores e familiares nos campeonatos que ocorriam no local. “Hoje em dia não existe nem mais as disputas de futebol aqui. Quase ninguém usa a praça”, afirma.

Desde que iniciou a obra, em agosto de 2012, a Primecon Construtora fez a limpeza do local, a estrutura dos banheiros públicos e a fundação de outra obra. Por isso, não recebeu nenhum centavo, conforme diz o engenheiro e proprietário da construtora Marco Antônio Batista Júnior. “Faturei cerca de R$ 123 mil com a Prefeitura, mas não me pagaram nada e resolvemos prorrogar a obra.”

A licitação para a Praça da Juventude foi feita em 2011 e os recursos viriam por uma parceria da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer (Semel) com o Ministério do Esporte, com execução da obra da Secretaria de Infraestrutura (Seinfra). A Primecon venceu o processo licitatório e receberia R$ 666 mil pelo serviço. No início do ano, a Seinfra passou a ser a Secretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos (Semob). Segundo o órgão, ainda é esperado o repasse do dinheiro da parceria com a Caixa Econômica Federal.
Apenas em agosto do ano passado, véspera de eleições municipais, foi dada a ordem de serviço para a execução do projeto, que previa uma pista de skate, brinquedos, pista de cooper e área de lazer e convivência de jovens e adultos. A obra foi parada em abril, pela falta de pagamento à empresa, segundo Batista. Desde então, o processo já rodou por diversos órgãos no Paço, sem qualquer solução.

O credenciamento do contrato entre a empresa e a Prefeitura só ocorreu em setembro deste ano, sendo a justificativa dada pela poder municipal para a falta de pagamento. A demora por uma solução seria o envolvimento dos servidores públicos em outras obras, consideradas mais urgentes, como o túnel da Avenida Araguaia. A expectativa é que o pagamento da Prefeitura seja encaminhado no próximo mês.

Fonte: Jornal O Popular