18 de outubro de 2013

Marconi inaugura UTI moderna


Nova unidade do HGG conta com 29 leitos e permite intervenções menores e menos dolorosas, além de agilizar tratamento.

O governador Marconi Perillo (PSDB) inaugurou a nova Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Geral de Goiânia (HGG), com 29 leitos, na manhã de ontem. A nova unidade entrou em funcionamento ontem mesmo. Com investimento de R$ 3,8 milhões, o governador destacou que a UTI é a mais moderna do Estado. Os leitos possuem equipamentos que permitem intervenções menores e menos dolorosas, com o objetivo também de tornar o tratamento mais rápido.

A ala antiga do HGG, que contava com dez leitos, foi desativada e a nova, além de ter sido equipada com aparelhos mais modernos, foi ampliada para 29 leitos. “Certeza que nós temos em Goiás, hoje, um dos melhores hospitais do Brasil. Esta UTI não perde para nenhuma UTI de hospital privado em nenhum canto do Brasil. Ela é compatível com as melhores UTIs, como as do Hospital Albert Einstein e Hospital Sírio Libanês, em São Paulo”, disse o governador.

O HGG não vinha cumprindo a exigência do Ministério da Saúde, com base na Organização Mundial de Saúde, de que a UTI deva oferecer o número de leitos correspondente a 10% do total do hospital. Segundo o secretário estadual de Saúde, Antônio Faleiros, presente na inauguração, os novos leitos superam em números a recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS) para o HGG.

Marconi disse que está mudando literalmente o atendimento à saúde no Estado, mas frisa que há outras esferas responsáveis pela área, o governo federal e os governos municipais. No tocante à responsabilidade estadual, o tucano garantiu que tem feito uma grande diferença, transformando a qualidade dos hospitais.

À tarde, o governador assinou convênio entre o governo de Goiás e a Santa Casa de Misericórdia para repasse de quase R$ 20 milhões, a fim de reestruturar o hospital, para que formalize mais convênios, especialmente com o SUS. “A Santa Casa viveu muitas crises ao longo das últimas décadas. O governo estadual dá condições para que ela sobreviva com as próprias pernas”, frisou.

Hugo 2
Marconi afirmou que pretende antecipar a inauguração do Hugo 2 para antes do primeiro semestre do próximo ano, com o hospital em funcionamento. Segundo o tucano, o secretário de Saúde, Antônio Faleiros, está cotando todos os equipamentos que serão adquiridos e elaborando os procedimentos para o chamamento da Organização Social que gerirá o Hugo 2, incluindo recrutamento de funcionários e treinamento.
O chefe do Executivo estadual anunciou o início das obras do Hospital da Mulher em meados de fevereiro. O edital de licitação será publicado em dezembro. “Com isso, estamos cumprindo todos os nossos compromissos na área da saúde”, afirmou.

Governador se diz aberto a conversar com Caiado    

O governador Marconi Perillo (PSDB) declarou ontem que está aberto a conversar com o presidente regional do DEM e deputado federal, Ronaldo Caiado, sobre sua adesão à base aliada, com vistas às eleições do próximo ano, entretanto, as conversas não deverão ocorrer neste ano. Caiado deixou a aliança com o PSB após declarações da nova integrante do partido na última semana, a ex-senadora Marina Silva, que o teriam desagradado.

Marconi disse que sempre foi aberto a conversar com todas as pessoas e que sempre teve uma relação cordial e honesta com o deputado federal Ronaldo Caiado. “Não vejo motivos para não conversar com ele e com todas as pessoas de bem nesse Estado”, declarou. No entanto, o governador sinaliza que não conversará sobre o assunto neste ano, ao dizer que terá uma agenda até o final do ano dedicada a vistoriar obras e governar.

Ele voltou a dizer que não está fazendo e que não deseja fazer política, pois sua agenda está muito cheia. O chefe do Executivo completa: “Vamos continuar trabalhando muito com foco na gestão e nos resultados. Quem apostava que o governo não fosse trazer resultados concretos, perdeu. O governo está apresentando os melhores resultados da história do nosso Estado”.

Greve
O governador voltou a falar da impossibilidade de reajustar o salário dos servidores da Polícia Civil, que estão em greve há quase um mês. Ele explicou que os policiais reivindicam um piso salarial muito alto, impossível de ser acatado pelo governo estadual, de R$ 7.250, pois se trata de um aumento de 200%, incompatível com a realidade do País, bem como com a realidade financeira do Estado e com a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Segundo o tucano, todo movimento grevista é legítimo, quando não prejudica a sociedade, e que atualmente há uma regulamentação sobre greves no Estado, que está sendo posta em prática, com o intuito de por fim à greve.
O governador lembra que os policiais pedem também outros benefícios, como o rearranjo na carreira e o bônus por produtividade. (C.D.)

Fonte: Jornal O Hoje