28 de setembro de 2013

Prefeituras devem dar resposta na próxima semana sobre implantação do Passe Livre Estudantil na Região Metropolitana


Os impasses sobre a implantação do Passe Livre Estudantil na Região Metropolitana de Goiânia podem chegar a um fim na próxima semana. Uma reunião foi realizada entre representantes do Governo Estadual e cinco prefeituras para apresentação do programa que deve ter a adesão dos municípios. Algumas questões ainda precisam ser decididas em relação às duas maiores cidades: Goiânia e Aparecida.

A capital aprovou o projeto de universalização, mas defende que o benefício não tenha qualquer limite de utilização pelo estudante. Já o Estado define teto de 48 viagens mensais para cada usuário. Já a prefeitura de Aparecida de Goiânia tem alegado dificuldades financeiras para aderir ao Passe Livre e seque enviou representante para a reunião.

O superintendente da Juventude, da Secretaria estadual de Articulação Institucional, Leonardo Felipe, explica a principal divergência e que a falta de Aparecida de Goiânia não prejudica diretamente a execução do programa. “Nós apresentamos para os municípios presentes a ideia de universalização dentro de um princípio de sustentabilidade. O Estado entende que nós precisamos fazer um planejamento sobre a utilização e os gastos com o programa. Ficou pendente o limite de utilização de viagens. Na ausência do município de Aparecida, nós teremos que tratar os estudantes da cidade com um olhar mais específico. Isto não prejudica o programa, pois a decisão é realizar com os municípios que querem tocar o programa. Mas não precisamos conversar com o prefeito Maguito para ver a possibilidade de levar o programa pra lá,” detalha.

O representante da prefeitura de Goiânia, o chefe de gabinete Iram Saraiva Junior, defende que o passe livre não tenha limitações, mas acredita que uma definição deve ser dada até a próxima semana. “A prefeitura vai defender e discutir durante a semana com os estudantes e tentar sensibilizar no sentido de que haver a restrição cria um impasse durante uma realidade já verificada de que a utilização não está sendo do total de passagens oferecidas pelo Estado,” revela.

Fonte: Portal 730