3 de setembro de 2013

Motoristas ameaçam parar em dias de jogos


Motoristas de ônibus de Goiânia e da região metropolitana ameaçam parar de rodar em dias de jogos de futebol. No último sábado (31), quando os times Goiás e Atlético-MG se enfrentavam no Serra Dourada, dois motoristas se recusaram a fazer as linhas 580 e 018, que passam pelo estádio e seguem para o Terminal Araguaia, em Aparecida de Goiânia. Eles justificam falta de segurança, sobretudo nos horários das disputas.

Um dos motoristas que fazem a linha 018, que vai do Centro para o Terminal Araguaia, conta que foi vítima da ação de um grupo, na última quarta-feira. Ele prefere não se identificar por medo. “É muito complicado. Eles sabem quem somos. Entram nos ônibus, quebram as lâmpadas, assaltam os passageiros. Esses bandidos andam em bando, um fica com a gente, na frente, e os outros vão fazendo o arrastão. Ficamos de mãos atadas.”

O motorista conta que, no dia do jogo entre Goiás e Fluminense, foi ameaçado com uma arma de fogo por cerca de dez pessoas. Dois deles ficaram com ele na parte da frente do ônibus. Um segurava uma arma em sua cabeça e o outro estava com uma faca em sua costela. “Eles ficaram me ameaçando desde a Praça Cívica até o estádio. Foi muito tenso. Tinha medo de que fizessem alguma besteira.”

O problema se repete na linha 580, que sai da Praça da Bíblia e também segue para o Terminal Araguaia. Outro motorista, que pediu anonimato, disse que em dias de jogos é comum ter os veículos apedrejados. “Esses dias jogaram uma pedra que quebrou a janela e quase acertou uma senhora. Não sabemos o que fazer. Precisamos trabalhar, mas não temos segurança.”

Jordhana Sousa de Oliveira, 22, estuda na Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO) e já presenciou as ações, dentro do ônibus da linha 018. Levaram a bolsa com todos os objetos e documentos pessoais. “Ainda usaram minha bolsa para colocar os outros objetos dentro. Levaram o tênis de um primo que estava comigo e, para completar, deram um tapa na cara dele porque tinha só R$ 10.”

Vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Goiás (Sinditransporte), Adedimar Gonçalves Ferreira protocolou ontem ofícios no Ministério Público (MP), Secretaria de Segurança Pública (SSP), Rede Metropolitana de Transporte Coletivo (RMTC), Companhia Metropolitana de Transporte Coletivo (CMTC) e Polícia Militar (PM). No documento, o sindicato pede providências. “Não temos como permitir que os motoristas trabalhem nessas condições. Algo precisa ser feito”.

Não é só nas linhas citadas pelos motoristas ouvidos pela reportagem que ocorrem esses problemas. Ele diz que vândalos têm tomado conta das linhas em toda a cidade. “Não somos contra o torcedor ir ao estádio. Somos contra o bandido que usa o dia de maior movimento para o crime e a prática da violência”

Assessor de Comunicação da PM, tenente-coronel Walter Caetano admite que essa é uma modalidade nova de crime, mas afirma que estudos já estão sendo feitos para coibir as ações. Até o fechamento desta edição, não foi possível contato com as assessorias da CMTC e da RMTC.

Dois passageiros são baleados. Um morreu

Um homem foi baleado dentro de um ônibus do transporte coletivo, na GO-403, em Senador Canedo, região metropolitana de Goiânia. O caso aconteceu durante a tarde de sábado (31), por volta das 17 horas. Segundo informações da Polícia Militar (PM), testemunhas contaram que no ônibus, que seguia de Senador Canedo para Goiânia, estavam vários torcedores do Goiás Esporte Clube. Um carro modelo Hyundai teria passado ao lado do ônibus e um ocupante efetuado vários disparos contra o veículo.

Conforme a PM, o rapaz teria sido encaminhando ao hospital antes de a viatura chegar ao local. Segundo o Corpo de Bombeiros, a vítima teria sido socorrida por populares. Ele foi conduzido à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Senador Canedo e, posteriormente, transferido ao Hospital de Urgência de Goiânia (Hugo). Conforme a PM, ainda não há informações se a vítima estava junto com os torcedores ou não.

No mesmo dia, um jovem de 19 anos, funcionário de uma lanchonete, foi baleado após reagir a um assalto dentro de um ônibus que seguia pela Avenida Rio Verde, em Aparecida. Ele foi ferido no pescoço e morreu ainda dentro do veículo. O assaltante, que não foi identificado, levou o celular do jovem.

Fonte: O Hoje