23 de setembro de 2013

Estado tem mais R$ 1,5 bi para turbinar obras


O governador Marconi Perillo assinou na manhã da última sexta-feira, no Palácio Pedro Ludovico Teixeira, contrato com o Banco do Brasil (BB) para empréstimo de R$ 1 bilhão 560 milhões, recurso que será investido em infraestrutura e projetos de diversas pastas do governo. Este é mais um aporte de recursos conquistado em razão do ajuste fiscal, do equilíbrio de contas e do aumento da capacidade de endividamento do governo do Estado.

A primeira tranche do empréstimo foi liberada na última quinta-feira: R$ 514 milhões, que, de acordo com o então secretário da Fazenda, Simão Cirineu, já rendeu R$ 163 mil em um dia. O projeto do governo é investir R$ 1 bilhão em infraestrutura rodoviária e o restante em outras áreas. Do valor total do empréstimo, R$ 1 bilhão e 46 milhões deve ser liberado pelo BB no próximo ano. A taxa de juros é de 4% ao ano, com carência de cinco anos.

Entre as obras que serão realizadas pela Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop), com recursos advindos do empréstimo, estão a conclusão do Centro de Excelência do Esporte – com previsão de custo de R$ 41.763.860,02 –, reforma do Autódromo Internacional de Goiânia, com investimento estimado de R$ 27,3 milhões, além de obras de reconstrução e construção de rodovias.

Com este empréstimo, o governo de Goiás viabiliza recursos para projetos do VLT, centros esportivos, capitalização da GoiásFomento, para a infraestrutura de turismo, melhoria da gestão fazendária, implantação do sistema digital da TV Brasil Central e para projetos de arranjos produtivos a cargo da Secretaria de Ciência e Tecnologia.

Aos que demonstram interesse pelo bem de nosso Estado, Marconi reforçou a tese apresentada pela STN, que, ao analisar o perfil econômico-financeiro do governo de Goiás, autorizou a contratação de empréstimos da ordem de R$ 7,7 bilhões. Afirmou que um organismo da respeitabilidade da STN não autorizaria operações desse montante a um governo que não tivesse capacidade de endividamento, que não estivesse demonstrando na prática sua responsabilidade com a coisa pública.

Disse também que essa é uma conquista que melhora o perfil das dívidas do governo, porque boa parte desses recursos dos empréstimos, que já foram contraídos, foi destinada à troca de dívida antiga e mais cara por uma dívida nova, com, no mínimo, cinco anos de carência e juros mais baixos. Com isso, o governo de Goiás estará economizando, e deve passar de um aporte mensal, para pagar dívidas, de 20% da arrecadação para cerca de 5%, em 2021, quando começam a vencer as carências dos empréstimos atuais e o governo terá condições mais favoráveis de pagamento, porque deixará de despender uma quantia de R$ 700 milhões mensais.

Durante a solenidade, o governador recebeu do diretor de governo do BB, Jânio Carlos Macedo, um ipad para acompanhar, por meio do portal dos governadores, criado pelo banco, o desenrolar das operações de crédito com o Estado e informações que compilaram sobre o desenvolvimento de Goiás.

Fonte: Diário de Aparecida